Grama: HQ sul-coreana é destaque e ganha exposição inédita no Brasil

A história da jovem Ok-sun Lee, vendida como escrava sexual durante a Segunda Guerra Mundial, emocionou o mundo e agora está disponível em português

Por Gustavo Balducci Atualizado em 10 ago 2020, 19h21 - Publicado em 8 ago 2020, 10h00

Originalmente lançada em 2017 na Coreia do Sul, a graphic novel Grama, obra-prima da quadrinista Keum Suk Gendry-Kim, ganhou no mês passado a sua primeira versão em português através da editora Pipoca & Nanquim.

Grama é uma biografia forte e poderosa que conta a história real de Ok-sun Lee, uma garota vendida pela própria família e forçada à escravidão sexual durante a Segunda Guerra Mundial pelo Exército Imperial Japonês. Ela é uma das várias mulheres que também foram capturadas na época para servirem aos soldados nas chamadas “casas de conforto” – locais dedicados à prostituição e ao estupro. O quadrinho é um registro delicado e preciso sobre esse grave crime de guerra e também uma homenagem à determinação da protagonista para superar os obstáculos e se manter viva. Hoje, com mais de 70 anos, Ok-sun Lee se tornou uma importante ativista pelos direitos das mulheres, e é por meio de seus relatos inspiradores que a autora Keum Suk Gendry-Kim desenvolve a triste narrativa ao longo de quase 500 páginas ilustradas.  

  • Publicada em outros seis idiomas e colecionando prêmios como Especial Bulles d’Humanité, do diário francês L’Humanité, The Cartoonist Studio Prize, Big Other Book Award e VLA Graphic Novel Diversity Award, a graphic novel também arrancou elogios da crítica e ficou nas listas de melhores histórias em quadrinhos de 2019 nos jornais The New York Times e The Guardian. Agora, em 2020, Grama também concorreu em três categorias (Melhor escritor/artista, Melhor trabalho baseado em fatos reais e Melhor edição americana de material asiático) no Prêmio Eisner, uma das maiores e mais importantes cerimônias do segmento. Você pode adquirir o seu exemplar aqui.

    Outra novidade para os fãs da onda coreana é que, no dia 8 de agosto, o Centro Cultural Coreano de São Paulo estreia uma exposição inédita e gratuita dedicada ao quadrinho. Fechado temporariamente devido à pandemia de COVID-19, o espaço cultural reabre parcialmente suas portas obedecendo às normas de segurança e de saúde indicadas pela OMS. Com capacidade máxima para até 40 visitantes por hora, para conferir a exposição é necessário realizar um agendamento prévio através do site da Eventbrite.

    Também no dia 8, às 12 horas, acontece um bate papo online com a autora Keum Suk Gendry-Kim no canal do YouTube do Centro Cultural Coreano. Não deixe de conferir!

    Manhwa é como são chamadas as histórias em quadrinhos coreanas. Abordando os mais variados gêneros, essas HQs já fazem muito sucesso na Ásia ao lado dos mangás, que são as histórias ilustradas japonesas, e dos manhuas, nome dedicado às obras chinesas. Muita gente por aqui já conhece e ama mangás, mas estes outros dois formatos também estão chegando com tudo no mercado brasileiro. Na Coreia do Sul, também existem os webtoons, que são as histórias digitais feitas exclusivamente para internet e são outro grande fenômeno. Séries e k-dramas como Itaewon Class e Strangers From Hell, da Netflix, foram adaptados a partir de webtoons. Demais, né?

    E aí, você está pronta para mergulhar no universo dos quadrinhos sul-coreanos?

    Já segue a CH nas redes sociais?
    INSTAGRAM | TIKTOK | TWITTER | FACEBOOK | YOUTUBE

    Continua após a publicidade
    Publicidade