Vereadora luta para incluir homens trans na lei contra a pobreza menstrual

Segundo Erika Hilton, texto da lei que garante que escolas disponibilizem absorventes para alunas esquece que homens transexuais também menstruam

Por Isabella Otto Atualizado em 13 ago 2021, 23h45 - Publicado em 13 ago 2021, 12h57
de um lado, o hidratante, o perfume e a máscara facial hello stars, dispostos lado a lado. De outro, as frases: Cada estrela é única, como você. Conheça a nova linha Hello Stars. Todos os elementos estão em um fundo azul escuro com estrelas que brilham
CAPRICHO/Divulgação

A vereadora Erika Hilton apresentou, na última quinta-feira (12/8), uma Ação Direta de Inconstitucionalidade contra os termos excludentes da Lei Municipal 17.574, sancionada pelo prefeito Ricardo Nunes em 12 de julho, que garante que “as unidades educacionais de Ensino Fundamental e Médio devem organizar uma cesta de itens de higiene que contenha absorvente descartável, externo e interno, para oferecimento às alunas no espaço escolar, sempre que se fizer necessário”.

Homem trans sentado no banco de uma praça, com uma calça bege, as pernas abertas e sangue menstrual entre elas
Facebook/Toni The Tampon/Reprodução

A questão é que a lei ignora completamente a realidade de homens transexuais, que também menstruam. Na época em que estava sendo discutida, Erika e Thammy Miranda, representantes trans eleitos em São Paulo, fizeram esse questionamento e apresentaram um projeto substituto, que incluía os homens trans. Entretanto, ele não foi aprovado pela Câmara Municipal. Segundo Erika, mostrando o conservadorismo da instituição, que apenas reforça a marginalização de algumas pessoas na sociedade.

  • Com a abertura da ação, a vereadora pretende mostrar como essa política pública, apesar de importantíssima na luta contra a pobreza menstrual, um caso de saúde pública no Brasil e no mundo, “ofende os princípios da igualdade, da dignidade da pessoa humana, do direito à educação e à saúde”, conforme pontua texto publicado pelo PSOL no site oficial da Câmara de SP.

    +: Governo de SP vai fornecer absorventes em escolas estaduais

    Até hoje, a menstruação de homens trans causa polêmica, sendo usada inclusive por feministas radicais para reforçar o que elas pregam, pautado em cima de questões biológicas: que apenas mulheres podem menstruar, já que ter útero significa ser do sexo feminino. Há um ano, o criador de conteúdo Luca Scarpelli publicou um vídeo em seu canal abordando o assunto. Vale a pena assistir para entender os muitos parênteses dentro do tema:

    Continua após a publicidade
    Publicidade