O que é psoríase, a doença crônica e autoimune de Kim Kardashian?

A CH conversou com especialistas para entender a doença

Por Beatriz Arruda - Atualizado em 20 set 2019, 15h31 - Publicado em 24 mar 2019, 10h01

Desde fevereiro, quando afirmou ter psoríase, Kim Kardashian tem usado as redes sociais para expor mais a doença que a acomete há alguns anos e é a responsável pelas lesões avermelhadas que tem no rosto e corpo. Mas, afinal, o que é psoríase? A CH conversou com especialistas e esclareceu as principais dúvidas sobre o assunto. 

A psoríase é uma doença crônica (ou seja, não tem cura, mas há tratamento para controle) e autoimune, o que significa que o organismo produz anticorpos contra ele mesmo – e, no caso, dá origem a lesões rosadas e descamativas que costumam aparecer principalmente nos cotovelos e joelhos, couro cabeludo, sola dos pés e nas dobras do corpo. Mas nada impede que surjam em outras regiões.

São vários os fatores que podem estar relacionados ao aparecimento da doença: genética, estresse, uso de alguns medicamentos e exposição ao frio são alguns deles. É importante ressaltar, porém, que a psoríase não é contagiosa!

kim-kardashian-psoriase
Kim Kardashian mostrou as lesões ocasionadas pela psoríase no Instagram Insta Stories/Reprodução

Embora as lesões não sejam doloridas, pode haver coceira no local e, por estarem expostas, é comum que afetem a autoestima da pessoa. Como existem graus da doença (que variam conforme a extensão, espessura, descamação e o local das inflamações), se não tratada, ela pode evoluir para casos mais graves. A psoríase do tipo artropática, por exemplo, afeta as articulações e pode causar deformidade. A pustulosa aguda, por sua vez, é caracterizada pela formação de bolhas com pus.

kim-kardashian-psoriase-1
A socialite também mostrou que está fazendo o tratamento para a doença Insta Stories/Reprodução

Nos graus mais leves, o tratamento é local. Já nos mais graves, a medicação é via oral. Mas lembre-se: é fundamental ter acompanhamento de um médico dermatologista.

Os portadores da doença também precisam ter alguns cuidados:

  1. A exposição ao sol (com protetor, ok?) deve ser feita diariamente, pois os raios solares têm poder anti-inflamatório sobre as lesões. Até 10h e após 16h são os melhores horários.
  2. Hidratar a pele é superimportante, já que o ressecamento pode favorecer o desenvolvimento das inflamações.
  3. Evitar banhos longos e com a água muito quente. Isso também interfere na hidratação da pele.
  4. Situações de estresse podem influenciar no aparecimento das lesões. Então, cuidar da parte emocional é fundamental!
  5. Alimentação saudável e a prática regular de atividade física também costumam ajudar no tratamento.

Quem deu as informações: as dermatologistas Carla Bortoloto e Michele Haikal 

Continua após a publicidade
Publicidade