Marca é acusada de racismo em anúncio de creme que clareia a pele

A propaganda de TV, que circulou em países africanos, mostrava a pele negra ficando mais clara após o uso do produto

Por Beatriz Arruda Atualizado em 4 dez 2017, 15h58 - Publicado em 20 out 2017, 18h46

Neste mês, a Dove foi acusada de racismo por conta de um comercial de sabonete que mostrava uma mulher negra se “transformando” em uma mulher branca. Agora, a marca de cosméticos Nivea também se envolveu em uma polêmica e está sofrendo a mesma acusação após a circulação, em alguns países africanos, da propaganda de um creme que clareia a pele.

nívea-é-acusada-de-racismo-creme-embranquecedor
A propaganda do hidratante que clareia a pele foi alvo de muitas críticas Nivea/Reprodução

O anúncio em questão é do hidratante Natural Fairness. Nos outdoors, a propaganda mostrava uma foto da ex-miss Nigéria Omowunmi Akinnifesi com o slogan “For visibly fairer skin” (algo como “para uma pele visivelmente mais clara”). Já na televisão, o comercial exibia a modelo com a pele bem mais clara após a aplicação do creme. 

Produtos desse tipo existem há muito tempo. Só que a propaganda não agradou a galera. Uma usuária do Twitter afirmou que o caso da Nivea não é isolado e que muitas marcas fazem esse tipo de anúncio nos países africanos e asiáticos. Terminou dizendo que a situação é repugnante.

Continua após a publicidade

Uma das pessoas que também criticou a marca foi Munroe Bergdorf, modelo negra e ativista trans. Em um post no Instagram, ela afirmou que a Nivea estava “perpetuando a ideia de que a pele clara é mais bonita” e que “ganhar dinheiro com algo que faz as pessoas se odiarem não é aceitável”. No fim, ela disse que “toda pele negra é linda, sem nenhuma exceção”.

View this post on Instagram

This is not okay. #Nivea – Perpetuating the notion that fairer skin is more beautiful, more youthful is so damaging and plays into the racist narrative so prevalent in the beauty industry, that whiteness or light skin is the standard that we should all strive for. Advertisers have the power to change this narrative, but campaign after campaign we see it being used worldwide. Making money out of making people hate themselves is never acceptable. Whitening and lightening creams are not only physically damaging, but also ethically wrong. Empowerment is not too much to ask for. ALL black skin is beautiful, no exceptions, so celebrate us as we are instead of asking us to adhere to unattainable and racist ideals.

A post shared by MUNROE (@munroebergdorf) on

Em resposta, a Beiersdorf, grupo do qual a Nivea faz parte, disse que reconhecia as preocupações levantadas pelos consumidores e afirmou que a intenção não era ofender ninguém.

E aí, o que achou da polêmica?

Continua após a publicidade

Publicidade