Quem são as garotas mais poderosas do K-pop

No mês das mulheres, destacamos as vocalistas mais empoderadas!

Por Gustavo Balducci - Atualizado em 11 mar 2018, 16h39 - Publicado em 11 mar 2018, 16h38

CL

Para os mais íntimos a cantora CL pode até dispensar apresentações, mas seus feitos dentro do universo K-pop fazem da rapper sul-coreana uma excelente embaixadora do ritmo ao redor do globo. Desde seu debut como líder do grupo 2NE1 em 2009, considerado um dos girlgroups mais bem sucedidos da história da Coréia, CL sempre se mostrou uma garota feroz e pronta para dominar o público, além de emplacar hits destemidos e poderosos — como destruir os próprios discos de platina no mv para I Am The Best. O grupo teve seu impactante fim anunciado em novembro de 2016, após quatro álbuns de estúdio, três EPs e vinte e três singles(!), marcando toda a geração kpopper da época.

Mesmo com a triste ruptura do grupo, a vocalista se lançou rumo à América para se declarar a futura representante das garotas asiáticas na indústria musical. Juntando-se ao empresário Scooter Braun — que também agencia Ariana Grande e Justin Bieber — CL fez parceria com Diplo, se uniu ao designer de moda Jeremy Scott e colaborou com o conterrâneo PSY na faixa Daddy.

No mesmo ano, o single Hello Bitches chegou aos fãs e agitou todo o cenário do pop. Na época, a cantora Lorde tweetou: “Eu desejo que as premiações ocidentais também sejam assim”, sobre a performance ao vivo do hit, que se tornou viral na internet.

Com a esperança de lançar seu disco de inéditas em inglês, nossa rapper surge em 2016 com Lifted, um flerte da cantora com o hip hop americano e uma nova prévia do que se pode esperar para as próximas faixas.

Hoje, enfrentando possíveis problemas com a gravadora e um atraso enorme para o lançamento do álbum solo, CL se abriu com o público em uma carta aberta divulgada no fim de 2017. “Me lembro desta época no ano passado, prometi que lançaria músicas novas em 2017. Eu sei que você está esperando e eu queria terminar o ano com um presente para vocês. Este vídeo é algo que eu gravei há mais de um ano e pode ou não sair, mas sempre adorei e estava triste por não ter conseguido fazer chegar a vocês. Mostrando esse pouquinho posso conseguir arranjar problemas, mas vale a pena arriscar para dar algo a vocês e manter minha promessa. Eu estou em tudo”, declarou. Veja o trecho da faixa All In:

Dona de um estilo único e ousado, a compositora gizibe (termo coreano para se dizer “garota má”) acaba de completar 27 anos e não parece temer nem um pouco a indústria. CL ainda revelou para o programa Livin’ the Double Life ter produzido mais de 200 canções para o álbum novo e em fevereiro co-estrelou a cerimônia de encerramento das Olimpíadas de Inverno na Coréia do Sul ao lado do grupo EXO.

Acompanhe CL no Instagram:

Continua após a publicidade

View this post on Instagram

A post shared by CL (@chaelincl) on

Continua após a publicidade

HyunA

Outra vocalista importante para o K-pop é Kim Hyun-ah. Com um passado brilhante, HyunA (como é conhecida) debutou e passou pelos grupos 4MINUTE e Wonder Girls.

Em 2011, teve seu primeiro single solo Change, alavancando sua carreira para altas proporções e mostrando parte da ousadia feminina proposta pela cantora. O videoclipe acabou sendo barrado pelo Ministério Sul-Coreano da Igualdade de Gênero e da Família e teve de ser classificado para +19 por conter cenas impróprias para menores, sendo novamente liberado pouco tempo depois.

Bubble Pop! (2011) chegou às lojas como primeiro mini-álbum da idol. E mais uma vez, outro feito importante: a faixa título se tornou o primeiro mv solo coreano a atingir mais de 100 milhões de visualizações no YouTube!

Ainda perseguida pela mídia, HyunA foi proibida de promover o single em programas de TV, pois sua performance e coreografia foram considerados “muito sensuais e sexualmente sugestivos”. Não se deixando abalar, Kim prosseguiu forte e afrontosa.

2012 foi o ano de Gangnam Style. A faixa produzida pelo cantor PSY, dominou todas as paradas e entrou para a história da música. A cantora, que também participa da faixa, foi escolhida pelo próprio PSY durante a produção e inclusive teve sua versão do hit. No decorrer do ano, lançou também o EP intitulado Melting!, ganhando uma persona mais colegial e kawaii.

Já com uma poderosa presença construída, lançou em 2014 a música RED, um momento de ruptura entre todo o seu trabalho, assumindo de vez a forte mulher que existe por trás das faixas.

Continua após a publicidade

Até o momento, HyunA possui seis mini-álbuns lançados e diversos singles. Sempre enfrentando críticas, seu novo single pode ser considerado o mais pop da trajetória e funciona muito bem como plataforma de protesto feminino. Lip & Hip (2017) chegou para ficar e aborda (mais uma vez) a transição da cantora – que aparece despreocupada e pronta para ser quem ela quiser, sem ter de provar nada a ninguém.

Talentosa e extremamente versátil, Kim Hyun-ah é uma das mais conhecidas e polêmicas artistas sul-coreanas do momento, representando um papel fundamental para as mulheres no K-pop.

Acompanhe HyunA no Instagram:

View this post on Instagram

HyunA Thanx Single [Lip & Hip] 2017.12.04 18:00 #HyunA #현아 #Lip_N_Hip #립앤힙 빨리 만나자 빨리🤤💋

A post shared by Hyun Ah (@hyunah_aa) on

Continua após a publicidade

Sunmi

Mais um idol com poder e estilo únicos é a cantora e compositora Lee Sun-mi. Também marcada por estrelar no grupo Wonder Girls, Lee deixou o mesmo para se lançar solista em 2013. Na época todos pensaram que ela estava maluca em deixar o Wonder Girls em seu auge, mas a garota provou que fez certo em buscar seu próprio espaço na música.

Ainda como artista da JYP Entertainment, lançou 24 Hours sua primeira faixa dançante. Sunmi foi bem avaliada pelo público e crítica, atingindo as primeiras posições das paradas naquele ano. Logo após — ainda com a JYP — foi revelado seu primeiro mini-álbum Full Moon (2014), contando com participações especiais das colegas e ex-integrantes do W.G. e também do já talentoso Jackson Wang, do grupo GOT7. O clipe contava com um clima todo vampiresco e elegante, deixando Sunmi entre o topo dos lançamentos novamente.

Continua após a publicidade

No ano seguinte, a empresa resolveu reviver seu ex-grupo, mas desta vez com uma nova roupagem. As integrantes agora fariam parte de uma banda, e não mais em formato de girlgroup. Sunmi inclusive, se tornou a baixista! Why So Lonely foi a faixa mais interessante deste projeto, reportando referências do reggae e do soul para o single.

A banda não durou muito. Uma má negociação entre os empresários e a falta de interesse das integrantes em renovar levou as amigas ao seu segundo desband.

Sunmi deu continuidade ao seu projeto solo, trocou de gravadora e em parceria com o produtor Teddy Park (um dos maiores produtores da Ásia) lançou Gashina. Um hino K-pop para 2017, mostrando nossa estrela finalmente vivendo seu momento.

O mv funciona lindamente e deixa Sunmi a vontade para mostrar vários aspectos da sua personalidade marcante.

Este ano ela não pretende fazer diferente. Heroine estreou no final de janeiro e já se tornou outro single de peso para o começo de 2018. Agora, Sunmi se mostra madura e rompe de vez com o passado ditado por gravadoras, além de contemplar o frescor de realizar projetos com a sua cara e do seu jeito.

Acompanhe SUNMI no Instagram:

View this post on Instagram

우리 팬들 배 따뜻하게 먹구 이따가 힘내자요! ❤️❤️💋💋 오늘이라니.. 오늘이라니!!!! 오늘이라니이!!!!!! 꿈같다네…

A post shared by SUNMI (@miyayeah) on

Continua após a publicidade

Além delas, diversos nomes femininos como BoA, IU e Taeyeon lutam para fazer da música pop coreana um espaço mais justo e bem sucedido para as mulheres.

Publicidade