Beleza

Depilação é uma questão de escolha. Mas por que não a encaramos assim?

Entenda como esse hábito evoluiu ao longo da história e veja a opinião de mulheres que decidiram parar de se depilar

por Thais Varela Atualizado em 23 jul 2020, 16h21 - Publicado em
19 jul 2020
10h25

 

Você já parou para pensar sobre a depilação e porque ela se tornou uma norma social imposta às mulheres? Por que, muitas vezes, ao não nos depilarmos, nos sentimos “sujas”? Por que temos vergonha dos nossos pelos? E quando todos esses padrões começaram a surgir em nossa sociedade? Foi com o intuito de responder a essas perguntas – e algumas mais – que a CH se debruçou sobre o tema. Confira: 

HISTÓRIA DA DEPILAÇÃO

A depilação não é um hábito recente na nossa sociedade. Indícios arqueológicos apontam que desde a pré-história homens e mulheres já se depilavam. Segundo a historiadora Mary del Priore, as informações mais concretas sobre esse assunto começam no Egito Antigo, em que textos, cerâmicas e outros resquícios apontam para técnicas depilatórias usando pedras, cera de abelha e até açúcar. Para essa civilização, a retirada dos pelos era vista como um símbolo de status e até uma necessidade religiosa para sacerdotes. Na Grécia Antiga, também há vestígios da depilação por ambos os gêneros dos órgãos sexuais e de outras áreas do corpo, assim como no Oriente Médio, em que a metodologia com linha era popular.

“Durante a Idade Média, a Igreja Católica passou a associar as partes íntimas ao imaginário da vergonha, então todas as ações referentes a elas que não fossem estritamente ligadas à reprodução, deixaram de ser feitas”, explica Mary. A depilação volta a reaparecer nos tempos modernos, e é após a Primeira Guerra Mundial que ela começa a se popularizar

Com a necessidade da mulher entrar no mercado de trabalho para ocupar os postos dos homens que haviam ido para as batalhas, a mudança no guarda-roupa feminino, que precisou ficar mais prático para as novas atividades, fez com que as axilas ficassem à mostra, e consequentemente seus pelos, que até então possuíam um aspecto quase erotizado. Por isso, a depilação da região passou a ser vista como algo necessário para “as moças de família”. 

Propaganda de produto depilatório que fala sobre os “pelos feios na face, pescoço e braços de muitas mulheres”
Propaganda de produto depilatório que fala sobre os “pelos feios na face, pescoço e braços de muitas mulheres” Jay Paull / Colaborador/Getty Images

Em 1915, as primeiras lâminas de barbear criadas para as mulheres começaram a ser vendidas, e, a partir disso, propagandas e artigos em revistas femininas falando sobre a necessidade de retirar os pelos se tornam comuns. “Nos anos 1950, após a Segunda Guerra Mundial, mudanças nas vestimentas femininas, como o encurtamento das saias e vestidos, o uso de meia-calça fina e o surgimento do biquíni contribuíram para a retirada dos pelos também da virilhas e pernas, pois essas regiões começaram a ficar aparentes”, completa a historiadora.

Com o avanço da industrialização, novos produtos depilatórios apareceram no mercado e, consequentemente, mais e mais propagandas falando deles também, o que ajudou a criar o imaginário de que pelos são algo indesejado – principalmente no corpo feminino. Vale dizer que até o cinema norte-americano, com todo o glamour da Old Hollywood, contribuiu para fortalecer esse padrão ao exibir atrizes sem pelos em suas produções. A partir daí, a noção de que se depilar era uma questão de higiene passa a ser reforçada como estereótipo de beleza, e ela se torna praticamente uma obrigação social. “O impacto da imagem é muito importante para popularizar a depilação, porque se falava muito sobre ‘livrar’ o corpo feminino dos pelos”, diz Mary. É só nos anos 1960 e 1970 que a pauta feminista começa a ganhar força e essa imposição é questionada. 

Continua após a publicidade

PELOS NÃO SÃO SUJOS

Antigamente, os hábitos de higiene eram muito diferentes. Não havia a cultura de tomar banho todos os dias, as cidades não possuíam saneamento básico e nem coleta de lixo, e os centros urbanos eram grandes incubadoras de doenças e epidemias. Por conta de todas essas questões, a retirada dos pelos, principalmente os pubianos, foi associada ao controle de algumas dessas enfermidades. 

Porém, hoje, com o costume de tomar banho diariamente e o uso frequente de cosméticos ligados à limpeza, o pelo não interfere em nada na higiene corporal. “Podemos dizer que não é uma questão de higiene. Não é porque uma pessoa tem pelos que vai acumular bactérias, por exemplo. Definitivamente não tem nada a ver. Para manter o corpo limpo, basta ter os cuidados básicos, como se banhar uma vez por dia“, garante o médico dermatologista Abdo Salomão Jr., diretor da Clínica Dermatológica Abdo Salomão Júnior. 

Os pelos são naturais e fazem parte do nosso organismo, porém, a campanha contra eles é grande em nossa sociedade. Mas, afinal, você sabe para o que eles servem? “Os pelos protegem o corpo. Eles o encobrem impedindo, por exemplo, que a radiação ultravioleta chegue diretamente à pele. Além disso, as glândulas sebáceas que estão presentes em suas estruturas também lubrificam a pele”, completa o dermatologista.

-
@todebells / Arte: Juliana Dias/CAPRICHO

“EU ME DEPILO PARA MIM…” SERÁ MESMO?

Ao entender que se livrar dos pelos é uma questão estética, é impossível escapar do questionamento do por que esse padrão se aplica apenas ao universo feminino. Afinal, ver um homem sem camisa com o peito ou axilas peludas é completamente natural na nossa sociedade, o que não acontece para o gênero feminino.

Foi a partir desses pensamentos, e depois de muitos dias de isolamento social causado pelo novo coronavírus, que a influenciadora Naetê Andreo, de 26 anos, decidiu parar de se depilar pela primeira vez. “Os pelos em si já não eram mais um problema na minha vida no sentido de, se eu não estava depilada, eu não deixava de usar determinada roupa ou não deixava de ir encontrar alguém, por exemplo. Então já era uma coisa que eu estava começando a me desprender. Durante a quarentena, foi algo que eu nem olhei”, disse.

Os pelos foram crescendo e eu percebi que eles não estavam me incomodando. Antes, eles me incomodavam porque eu ficava pensando que alguém iria olhar para eles, e eu não queria receber esse olhar. Eu também ainda tenho essa visão de estranhamento dos pelos em um primeiro momento, não está tão normalizado para mim. No fundo, eu percebi que não eram os pelos em si, mas como eu me observava e como eu achava que as outras pessoas me observariam. Na quarentena, eu simplesmente não tive que me preocupar com isso, pois estava em casa. Então, foi me encarando no espelho que notei que não tinha nada de tão ruim com eles, de tão fora do comum”, completou.

Não é fácil quebrar um estereótipo de beleza, e muitas mulheres que estão nesse processo de deixar os pelos crescerem buscam o apoio de amigas que também passam por isso para debater e trocar experiências. “Foi conversando com outras garotas que eu percebi que quanto mais os pelos fogem do ‘padrão de feminilidade’, ou seja, são mais grossos, em maior quantidade ou mais escuros, mais difícil é para a mulher desapegar disso e enxergar [a depilação] como uma imposição social, pois aquilo já virou um símbolo que a ‘masculiniza’, que a afasta do ideal feminino que deveríamos aparentar“, fala Naetê.

Para Luana Carvalho, de 21 anos, também era o julgamento do outro, e os traumas do passado devido ao preconceito sofrido por conta dos pelos e do fato de ser uma mulher negra e gorda, que a faziam se depilar. “Eu sempre tive muitos pelos no corpo e rosto, porque eu tenho a Síndrome do Ovário Policístico. Eu também sempre entendi que não agradava o olhar do outro porque era gorda e negra. Digo que o fato de eu ser negra me colocava num lugar de que eu deveria seguir ‘regras’ para ser aceita como uma mulher negra; e o fato de ser gorda, me fazia sempre ter que ‘compensar’ meu corpo. Por conta disso, ao longo da minha vida, eu sempre procurei ser o mais feminina possível, eu tentava estar impecável com a minha feminilidade, sempre com a sobrancelha feita, com a unha comprida. Tudo para que eu ‘compensasse’ esses estereótipos. Mas eu não gostava de atender a essas expectativas, de fazer tudo isso para que eu conseguisse ser tolerada – porque respeitada eu nunca fui, eu era tolerada“, disse.

-
@todebells, @naeteandreo e lxccarvalho / Arte: Juliana Dias/CAPRICHO

Quando eu era mais nova, por ter bastante pelos nos braços, eu era chamada de macaca na escola. Tinha um fundo de racismo, um fundo de machismo”, continua Luana, que completa: “O processo de me depilar, no geral, era muito dolorido pra mim. Teve uma época em que eu tatuei os meus braços e eu tirava os pelos deles com lâmina de barbear. Ou seja, eu agredia o meu corpo a esse nível. Eu deixei os pelos pubianos, das pernas e das axilas crescerem, e eu tive que reaprender a olhar para eles. Antes eu depilava até o dedinho do pé, e hoje não faço mais nada. Era absurdo, porque eu nunca gostei da sensação de estar depilada, e também porque a depilação em si me machucava.”

O ideal de feminilidade e a crença de que deveria cumpri-lo à risca por ser uma mulher gorda também faziam com que Isabella Trad, de 26 anos, nem questionasse a possibilidade de não se depilar. “Eu sempre fui gorda desde criança e eu não posso excluir essa pauta da minha vida. Quando você é uma mulher, você já tem uma pressão social em cima de você. Porém, quando você é uma mulher gorda, isso é ainda mais pesado. Se a mulher branca e magra que não se depila é vista como nojenta, imagina uma gorda que não se depila. Então quando eu era mais nova, eu me depilava por pressão, por achar que eu ia ficar mais bonita, mais apresentável para os outros. Sempre tentando parecer menos ‘nojenta’. Sei que é uma palavra muito forte, mas é exatamente isso que eu sentia. Eu tinha que parecer mais confortável aos olhos dos outros”, contou.

Uma reflexão que eu tirei quando postei um vídeo no meu Instagram sobre esse assunto foi que muitas meninas ainda falam que se depilam porque querem, e eu entendo isso. Mas acho muito importante a gente questionar por que queremos isso? Podem existir vários motivos, mas será que não é porque a gente acha que precisa querer? Às vezes, pensamos que é a nossa vontade e não percebemos toda a construção que tem por trás, que nos ensinou a desejar isso”, falou Naetê.

Continua após a publicidade

AS BATALHAS DE QUEM ESCOLHEU NÃO SE DEPILAR

Ir contra um padrão de beleza que está tão difundido em nossa sociedade não é fácil, e ainda hoje, mulheres que optam por deixar de lado a depilação precisam enfrentar comentários e olhares de julgamento. 

Eu sempre falo que não me depilar foi uma das melhores coisas que eu fiz por mim mesma, mas o problema todo é enfrentar os olhares que eu recebo. Eu me mudei recentemente e, antes, não usava o metrô. Agora, quando comecei a usar e precisei ficar com os braços levantados para me apoiar no trem, percebi as pessoas olhando. À princípio, não entendi o por que, mas, quando me dei conta, naqueles primeiros instantes, eu cogitei voltar a me depilar de novo, porque pensei que a minha rotina nova seria aquela. Foi a primeira vez desde que eu parei de fazer depilação que pensei isso. Eu comecei a procurar lugares no vagão em que eu não precisaria mais ficar com o braço para cima, e aí isso já não é mais liberdade, era eu me adaptando à pressão de ser uma mulher com pelos“, relatou Luana. 

-
@todebells e @lxccarvalho/CAPRICHO

Isabella revelou que também já questionou sobre sua decisão de não se depilar, e garantiu que respeitar o seu momento é muito importante. “Recentemente, fui gravar uma dancinha para o TikTok e eu iria precisar levantar os braços. Eu estava de regata, então eu pensei: ‘Será que eu me depilo?’, porque eu não queria sofrer ódio ou assédio nessa nova plataforma da internet. Nesse dia, eu troquei de blusa e coloquei uma camiseta. Precisamos nos respeitar também, respeitar o nosso tempo“, disse, e completou: “É a arte de ser livre e de ter o corpo livre. Mas é muito difícil escolher isso, principalmente para uma mulher gorda.

-
@naeteandreo/CAPRICHO

REFLETINDO SOBRE A DEPILAÇÃO

Normalizar esse assunto para que ele não seja mais um tabu, discutir por que os pelos são incômodos para você e buscar conhecer o seu próprio corpo são passos que podem ajudar a ressignificar a depilação como uma escolha de cada mulher, e não uma obrigação imposta pela sociedade. 

Entender o contexto em que tudo isso está inserido, o machismo, o sexismo, e respeitar o seu tempo. Ninguém é obrigado a parar de se depilar de uma vez. Abra esse diálogo, desconstrua essa ideia de que pelos nas mulheres não combinam. A educação é uma das principais armas”, indica Luana, e Isabella concorda: “Respeite o seu corpo e a sua mente. No começo, pode ser desconfortável, porque você estará sendo imprevisível com você mesma, porque a vida inteira você fez algo, que era se depilar, que você foi ensinada. O processo é grande e não é de um dia para o outro. A sociedade vai querer que você faça o que é esperado, mas entenda que seu corpo é livre e você pode fazer as suas próprias escolhas. Tenha boas referências de mulheres diferentes também, porque isso ajuda muito. Às vezes eu me depilo, em outras, não. Hoje me sinto livre para escolher.”

É um empoderamento do próprio corpo. Eu tenho pensado muito nisso do corpo como identidade. Cada vez mais, quero tornar as minhas escolhas conscientes, e não fazer algo porque me foi falado que eu deveria. Eu posso desenvolver uma estética que é bonita para mim, que não necessariamente vai agradar todo mundo, mas que, se me deixa confortável e confiante sendo quem eu sou, então está ótima para mim”, completa Naetê.

Para finalizar, Luana lembra da importância de racializar esse debate e também de trazer mais diversidade à ele: “Geralmente, essas discussões sobre pelos em mulheres são encabeçadas por mulheres brancas e magras. Mesmo a gente sabendo que mulheres brancas e magras que têm pelos são humilhadas e sofrem machismo, isso ainda é mais aceitável e mais normalizado para elas do que para mim, por exemplo, que sou uma mulher gorda e negra. Eu vou ser muito mais humilhada e muito mais atacada, porque tudo o que eu sou já é considerado nojento. Essas questões precisam ser pensadas pelo viés da raça e das mulheres gordas, porque esse processo é falado de uma forma muito romantizada, mas, para nós, a humilhação e o machismo nos atingem de forma mais dura.”

Continua após a publicidade