Emilia Clarke relembra apoio de equipe médica quando teve dois aneurismas

A atriz de Game Of Thrones passou por um período difícil em 2011 e 2013

Por Da Redação Atualizado em 8 nov 2019, 19h09 - Publicado em 8 nov 2019, 15h50

No começo deste ano, Emilia Clarke revelou que teve dois aneurismas, em 2011 e depois em 2013, e abriu o jogo sobre uma das épocas mais difíceis de sua vida. Agora, em entrevista para a People, ela contou que o apoio equipe médica e da sua família foram fundamentais naquele momento.

“Foi um aneurisma cerebral que se rompeu, então foi bastante traumático”, disse. “Os paramédicos foram inacreditáveis. Eles me davam remédios para eu ter menos dor, me enrolaram como uma tortilha e me fizeram rir o caminho todo até o hospital. Lá estava eu, sangrando no cérebro, e lá estávamos nós na ambulância dando risadas. Eles foram muito gentis.”

View this post on Instagram

BIG NEWS FOR ALL MY DRAGON FEARING WELSH WONDERS!! Today we are launching #SameYouWales !!! 🙏🏻😍🥳 Tune into the @SameYouOrg Instagram livestream from 12.30pm! You’ll see what we’ve been up to and what else we got cooking for my baby @sameyouorg #🥰 #sameyouwales #sameyoucharity #recoveryrevolution #useyourvoice #loveyourbrains #loveyourmums

A post shared by @ emilia_clarke on

A estrela de Game Of Thrones passou por duas cirurgias complicadas que salvaram sua vida. Muito tenso! Segundo ela, o apoio de sua mãe foi de extrema importância. “Eu tive afasia [perda de fala], e ela olhou pra mim e disse: ‘Sim, eu sei exatamente o que você quer dizer’. Ela me fez acreditar que entendeu exatamente o que eu estava dizendo. Foi realmente o seu melhor momento.”

A atriz também elogiou as enfermeiras do seu hospital. “Todas as enfermeiras que conheci eram tão gentis. É por isso que me tornei embaixadora do Royal College of Nursing em 2018. As enfermeiras são as heroínas desconhecidas, elas estão presentes nos momentos mais assustadores das pessoas.”

  • Além disso, Emilia criou a ONG SameYou, que ajuda pessoas em recuperação de derrames e danos no cérebro. Demais, né? “A vida das pessoas é completamente transformada depois de uma lesão cerebral, e o núcleo do nosso trabalho é a recuperação – as primeiras semanas não são as únicas que você precisa de ajuda, você ainda precisa de ajuda por anos. Eu queria alguém que tem as respostas, que possa segurar a mão dos pacientes e dizer a eles que não estão sozinhos. Estar lá quando alguém está assustado, confuso ou bravo é uma das coisas mais gentis que você pode fazer“, afirmou.

    Continua após a publicidade
    Publicidade