BTS relembra ataques racistas e publica carta de apoio ao #StopAsianHate

“Suportamos palavrões sem motivo e fomos ridicularizados por nossa aparência.”

Por Gustavo Balducci 30 mar 2021, 11h26

Stop Asian Hate, um movimento que pede fim aos ataques contra asiáticos, tem ganhado força nos últimos tempos. Isso porque os crimes de ódio à comunidade aumentaram significativamente desde o começo da pandemia. Somente nos Estados Unidos, foram 150% a mais desde o começo de 2020, segundo o Centro para o Estudo de Ódio e Extremismo do país. Para os pesquisadores, o racismo é reflexo da racialização do coronavírus influenciada por líderes como o ex-presidente Donald Trump.

  • Nesta segunda-feira (29/03), o grupo sul-coreano BTS publicou uma carta aberta sobre o tema, manifestando sua dor às vítimas e reforça que todos têm direito ao respeito. “Relembramos momentos em que enfrentamos discriminação como asiáticos. Suportamos palavrões sem motivo e fomos ridicularizados por nossa aparência”, diz o texto. Confira a tradução completa:

    “Enviamos nossas mais profundas condolências àqueles que perderam seus entes queridos. Estamos de luto e sentimos raiva.

    Relembramos momentos em que enfrentamos discriminação como asiáticos. Suportamos palavrões sem motivo e fomos ridicularizados por nossa aparência. Fomos até questionados por que os asiáticos falavam em inglês.

    Não podemos traduzir em palavras a dor de nos tornarmos alvo de ódio e violência por tal motivo. Nossas próprias experiências são incongruentes em comparação com os eventos que ocorreram nas últimas semanas. Mas essas experiências foram suficientes para nos fazer sentir impotentes e destruir nossa autoestima.

    O que está acontecendo agora não pode ser dissociado de nossa identidade como asiáticos. Levou um tempo considerável para discutirmos isso com cuidado e refletimos profundamente sobre como devemos expressar nossa mensagem.

    Mas o que nossa voz deve transmitir é claro.

    Continua após a publicidade

    Somos contra a discriminação racial.

    Condenamos a violência.

    Você, eu e todos nós temos o direito de ser respeitados. Ficaremos juntos”.

    Em fevereiro, o grupo de K-pop foi comparado ao vírus da COVID-19 por um radialista alemão. Durante a transmissão, Matthias Matuschik, da rádio Bayern3, ainda disse que gostaria de ser vacinado contra eles o quanto antes. O ato racista gerou uma série de protestos por parte dos fãs nas redes sociais.

    Este mês, a empresa de cards colecionáveis Topps lançou um card com o desenho do BTS levando uma surra da estatueta do Grammy. O ARMY, mais uma vez, ficou indignado e subiu a hashtag #RacismIsNotComedy (Racismo não é comédia) nos Trending Topics. Em ambos os casos, os representantes apenas lamentaram o ocorrido.

    Continua após a publicidade
    Publicidade