BBB20: Petrix presta depoimento em delegacia nesta sexta-feira

O ginasta foi à Delegacia Especial de Atendimento à Mulher no Rio de Janeiro prestar esclarecimentos sobre as acusações de assédio

Por Gabriela Junqueira Atualizado em 7 fev 2020, 21h44 - Publicado em 7 fev 2020, 21h40

Nesta sexta-feira, 7, o ginasta e ex-BBB Petrix Barbosa compareceu à Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (DEAM), em Jacarepaguá, para prestar depoimento no caso de acusação de assédio que ocorreu durante sua participação no Big Brother Brasil.

Juliana Emerique, coordenadora geral do Departamento-Geral de Polícia de Atendimento à Mulher (DGPAM), explicou que “as denúncias são relacionadas a dois assédios em festa, em que as meninas estavam embriagadas”. As  meninas citadas são respectivamente as sisters Bianca Andrade e Flayslane

Petrix apertou os seios de Bianca Andrade, enquanto ela estava claramente embriagada, durante a primeira festa do BBB20. Globo/Reprodução

A primeira acusação de assédio aconteceu durante uma das primeiras festas da casa: Petrix apertou os seios de Bianca Andrade enquanto ela estava sob efeitos do álcool. Depois, em outra ocasião, o brother deu uma sarrada na influencer! Ainda no programa, ele gerou outra polêmica quando sentou na cabeça de Flayslane, esfregando sua genitália na participante.

O atleta foi eliminado do BBB20 no segundo paredão, que aconteceu na última terça-feira, 4, com mais de 80% dos votos. O ginasta foi informado sobre o caso após a sua saída do programa.

  • Através de uma nota, a assessoria de Petrix disse que o atleta “se colocou à disposição para contribuir com as autoridades em elucidar os acontecimentos ditos polêmicos no reality show Big Brother Brasil 20, que ganharam grande repercussão nas redes sociais desde o dia 25/01″. 

    Na continuação, a nota ainda comenta o posicionamento do ex-brother: “Em depoimento, o atleta esclareceu que nunca teve a intenção de importunar, constranger e, tampouco, magoar ninguém.”

    Para a Quem, Emerique disse que Petrix negou a autoria do crime. Agora, a polícia precisa escutar as vítimas. “A delegada vai determinar qual é o momento para fazer isso”, disse e, em seguida explicou que não desejam trazer nenhum prejuízo para Bianca e Flay, que seguem em confinamento no BBB. “Já está consumado, temos vídeo que impede a negativa de autoria dele. Temos que ouvir, sim, as vítimas, inclusive as testemunhas, acrescentou a coordenadora do DGPAM.

    Continua após a publicidade
    Publicidade