Governo afrouxa meta e permite maior emissão de gases poluentes até 2030

Com mudança na meta, Ministério do Meio Ambiente, comandado por Ricardo Salles, libera 172 toneladas a mais de gases tóxicos que os permitidos incialmente

Por Isabella Otto 10 dez 2020, 10h22
colecao capricho sestini mochila bolsas
CAPRICHO/Sestini/Reprodução

Quando a gente pensa que não dá para piorar, vem a surpresa (nem tão surpreendente assim). Na última quarta-feira, 9, o Observatório do Clima divulgou um relatório analisando as mudanças recentes realizadas pelo Ministério do Meio Ambiente com relação ao Acordo de Paris, que visa reduzir a quantidade mundial de gases do efeito estufa emitidos até 2030. A novidade foi que, ao alterar a meta, o governo Bolsonaro, cujo representante no ministério em questão é Ricardo Salles, permitiu que uma maior quantidade de gases seja liberada nos próximos dez anos. Não deveria ser justamente o contrário?

O ministro Ricardo Salles na 4ª Assembleia das Nações Unidas para o Meio Ambiente, no Quênia, em março
O ministro na 4ª Assembleia das Nações Unidas para o Meio Ambiente, no Quênia, em março Yasuyoshi Chiba/AFP/Getty Images

Na meta inicial, traçada em dezembro de 2015, o objetivo era emitir até 516 milhões de toneladas de gases até 2030. Agora, é permitido 688 milhões de toneladas, ou seja, 172 toneladas a mais. Logo, limitar o aumento do aquecimento global a 1,5ºC até 2030, como prevê o tratado, não parece ser uma prioridade para o país.

Para a rede Observatório do Clima, o indicado, dadas as circunstâncias, principalmente levando em conta que em 2020 as queimadas na Amazônia e no Pantanal bateram recordes, seria que o país liberasse nos próximos dez anos até 400 toneladas de gases poluentes.

  •  

    Todos os países do Acordo de Paris fizeram mudanças em suas metas recentemente. Se com elas a Europa deseja alcançar a neutralidade nas emissões de gases causadores do efeito estufa até 2050, o Brasil, junto da China, deu uma esticadinha no prazo para 2060.

    O Ministério do Meio Ambiente disse que, para cumprir a meta, pretende acabar com o desmatamento ilegal, reflorestar 12 milhões de hectares e assegurar 45% de fontes renováveis na matriz energética nacional. Não foi detalhado, contudo, como esses planos serão colocados em ação. Além disso, fica (mais) aquela pulga atrás da orelha: se ao redefinirem a meta, eles afrouxaram os números, seriam essas medidas o máximo que poderia ser feito ou, de novo, tudo não passa de um desmonte envolvendo questões ambientais? Afinal, com mais gases tóxicos, fica mais fácil garantir aquela cortininha de fumaça…

    Continua após a publicidade
    Publicidade