De pregos nos pés a “samba do crioulo doido”: BBB22 entrega mais racismo

Falas de Laís e Bárbara a respeito de Douglas reacenderam o debate sobre racismo estrutural; veja os vídeos!

Por Isabella Otto Atualizado em 8 fev 2022, 10h37 - Publicado em 8 fev 2022, 10h36

Apesar de antigamente a repercussão nas redes sociais ser bem menor e, em alguns casos, quase inexistente, desde a primeira edição do Big Brother Brasil temos episódios de racismo estrutural que chamam a atenção. Nos últimos anos, a discussão sobre o assunto tem vindo mais à tona – felizmente, porque é preciso, e infelizmente, porque segue acontecendo.

Na última segunda-feira (07), Laís e Bárbara protagonizaram mais polêmicas dentro do BBB22. Em um primeiro momento, a médica se mostrou bastante irritada ao descobrir que teria recebido o voto de Douglas, caso não tivesse ganhado o colar do Anjo. “Era para eu ter socado um prego debaixo de cada pé”, disse a goiana, relembrando que havia feito massagem no brother alguns dias antes.

Montagem com as fotos de Douglas, Laís e Bábara, do BBB22. Ele é um homem negro e ela são duas mulheres brancas

Para muitos, a reação da sister foi exagerada, uma vez que o reality é um jogo e fazer massagem nos pés não garante a permanência na casa. Afinal, as pessoas precisam se votar, né? Outros ainda ficaram incomodados com a alusão de pés pregados, que no imaginário coletivo, independentemente da religião, remete muito a Jesus Cristo.

Na sequência, Bárbara deixou escapar que Douglas havia feito “o samba do crioulo doido”, mas, antes de terminar a frase, se policiou e disse que iria falar “uma expressão muito velha e racista”. Laís riu e Jade, que estava junto, meteu um “ia ser péssimo”. A gaúcha ainda tentou se justificar novamente, mas o racismo estrutural, mais uma vez, já havia se manifestado.

A expressão “samba do crioulo doido” é racista pois, além de ser usada para debochar de alguma situação, reforçando o estereótipo negativo contra os negros, faz referência ao ensino de História do Brasil nos tempos da Ditatura, que satirizava e minimizava o passado escravocata do país.

 

Aqui, um adendo: Douglas Silva já havia sido alvo de comentários racistas feitos por um blog anônimo que usava uma foto da Ku Klux Klan de perfil. “O trabalho de inteligência da Polícia Civil apurou que ele faz parte de uma célula neonazista supremacista branca que é investigada em vários inquéritos no Rio Grande do Sul, em Novo Hamburgo. Ele se apresenta como alguém pronto para atacar minorias fortemente armado. É uma pessoa que merece todo o rigor da lei, extremamente perigosa, que não sabemos onde pode ir”, explicou o advogado do ator, Ricardo Brajterman. De acordo com o último Anuário Brasileiro de Segurança Pública, o Rio Grande do Sul é o Estado com mais casos de injúria racial no Brasil.

Veja a repercussão das falas das sisters nas redes:

 

Continua após a publicidade

Publicidade