De Anitta a DiCaprio: 15 vezes que Ricardo Salles deu showzinho no Twitter

Nosso ministro do Meio Ambiente não dorme em serviço! Pelo menos, não quando o serviço é "xingar muito no Twitter"

Por Isabella Otto 22 abr 2021, 14h36

Na tarde da última quarta-feira, 22, Ricardo Salles protagonizou mais um bate-boca no Twitter, desta vez contra a Anitta. A cantora se mostrou a favor da campanha #ForaSalles e tweetou que o ministro é “desserviço para o meio ambiente”. Na hora de respondê-la, o político disse: “Fica na sua ai, ô Teletubbie!”, usando o programa infantil de sucesso dos anos 90 de modo pejorativo.

Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente, discursando virtualmente no Climate Global Summit, nesta quinta-feira, 22
Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente, discursando virtualmente no Climate Global Summit, nesta quinta-feira, 22 Andressa Anholete/Getty Images

A treta não acabou por aí e Anitta fez questão de dar uma resposta à altura: “Que resposta madura. Quantos anos você tem? 12? Então é melhor sair do ministério anyway”, escreveu. “Se você conseguir demonstrar, sem ajuda de outra pessoa, que sabe quais são as capitais do Brasil ou pelo menos os nomes dos seis biomas brasileiros a gente começa conversar…”, retrucou Salles, que fez um questionamento nada a ver apenas para provar a sua hiótese: a de a que Anitta não é uma mulher inteligente o bastante para saber tais perguntas. Lembrando que, em 2020, Ricardo Salles compartilhou um vídeo em que mostrava o mico-leão-dourado como uma espécie pertencente à Amazônia. Um pouco complicado querer triunfar falando sobre bioma depois dessa, mas quem somos nós, né?!

  •  

    Esta não é a primeira vez, desde que foi nomeado ministro do Meio Ambiente pelo governo Bolsonaro, em dezembro de 2018, tendo iniciado o trabalho no ano seguinte, que Salles dá showzinho nas redes sociais e publica certas coisas cuja a única intenção é “botar fogo no parquinho”. A seguir, listamos 15 desses momentos:

    1. Ao chamar Anitta de Teletubbie, Ricardo Salles não só baixou o nível da discussão como simplesmente não aceitou algo que vive pregando por aí: a liberdade de expressão. Grande parte dos retweets dados pelo ministro são de apoiados, ou seja, será que essa tal liberdade só vale quando é positiva para ele? Humm…

    2. No mesmo dia em que chamou a Anitta de Teletubbie, o ministro do Meio Ambiente compartilhou uma postagem de Sonia Guajajara, uma famosa ativista indígena brasileira, zombando do fato de ela também aderir à campanha #ForaSalles. “Bu”, postou o político, usando um emoji de fantasma junto, como dizendo que ele é uma assombração que não vai deixá-la dormir em paz. Acordou inspirado, hein?!

    3. Em setembro de 2020, uma treta icônica aconteceu nas redes sociais. Na verdade, a treta foi unilateral, mas vamos lá. O ator Leonardo DiCaprio, conhecido por seu ativismo em prol do meio ambiente, publicou tweets contrários à gestão antiambiental do governo Bolsonaro. Mais uma vez, Ricardo Salles Salles se sentiu ofendido e escreveu para o vencedor do Oscar: “Você vai colocar o seu dinheiro onde sua boca está?”, aproveitando para fazer um merchan do seu projeto “Adore Um Parque”. Interessante ressaltar que Leonardo DiCaprio é um dos fundadores da organização Earth Alliance, que criou o Fundo da Floresta Amazônia, com o valor de US$ 5 milhões para ajudar na proteção do ecossistema local. Mas Salles queria que ele adotasse um parque…

    4. Em outubro de 2020, Ricardo Salles, em mais uma de suas investidas irônicas contra a Imprensa, se comparou a D. Pedro I e fez uma brincadeirinha com o Dia do Fico, que foi quando o príncipe regente anunciou em 9 de janeiro de 1822 que não retornaria para Portugal. A data é considerada um acontecimento marcante para o processo de independência do Brasil – e com a hashtag #FicaSalles, o ministro deixa claro que se considera parte essencial para o processo de uma nova independência do país.

    5. Após compartilhar um vídeo mostrando o mico-leão-dourado como espécie da Amazônia, Salles poderia simplesmente ter se desculpado publicamente pelo baita fora, mas aproveitou a oportunidade para tentar sair por cima atacando novamente a Imprensa (e mostrando que não tem o mínimo conhecimento sobre a produção editorial de usos de imagens).

    6. Em março de 2020, quebrando um dos selos do Apocalipse que se deu na sequência, o ministro do Meio Ambiente compartilhou o trecho de um vídeo tendencioso feito pela Agrosaber, uma agência de notícias sobre o agronegócio, que reúne algumas dúvidas específicas que evidentemente foram selecionadas para menosprezar e tirar sarro de todo um movimento que questiona (veja bem, não é sem contra, é questionar) muitas das atitudes problemáticas para os humanos e para a Terra da indústria agropecuária, principal responsável (90%) pela perda de vegetação natural do Brasil. Ou seja, pelo desmatamento. Salles ainda mandou um “parabéns!” para a produção.

    7. Bom… Como diz Salles em um tweet que mostramos a seguir: “Tirem suas próprias conclusões”.

    8. Em janeiro de 2020, em meio à fervorosa discussão sobre as queimadas na Amazônia, o ministro do Meio Ambiente do Brasil decidiu usar dados sobre incêndios em outros países do mundo para mostrar que, opa, a situação da Floresta Amazônica não é assim tão ruim. “Vejam só como é pior na Austrália e na Sibéria?!”. Além de ser uma comparação estapafúrdia, ela ignora totalmente problemas globais que impactam diretamente na Terra, que é uma só, sendo que um problema ambiental que acontece aqui no Brasil não impacta somente o Brasil, e tira o foco que era e continua sendo o recorde de desmatamento na Amazônia, o maior número em dez anos.

    9. O ministro do Meio Ambiente, que antes de assumir o cargo foi advogado da bancada ruralista, numa nova tentativa de defender com unhas e dentes o agronegócio brasileiro, desejou feliz 2020 para seus seguidores postando uma foto de uma praia suja pós-Virada. Seria uma crítica realmente necessária, mas Salles decidiu escrever o seguinte: “E ainda jogam a culpa dos problemas ambientais no agro…”. Leviano ou maldoso?

    10. Em meio às duras críticas contra a indústria da pecuária, uma das maiores emissoras de CO2, principal causador do efeito estufa (lembrando que, em 2020, mesmo em meio à pandemia de coronavírus, o Brasil aumentou as emissões de carbono enquanto o mundo diminuiu), Ricardo Salles achou de bom tom postar uma foto de uma tábua de carne com a seguinte legenda: “Para compensar nossas emissões na COP, um almoço veggie”.

    11. E quem se lembra de quando, em novembro de 2019, o ministro incriminou brigadistas de ONGs pelos incêndios em Alter do Chão, sem provas e ignorando totalmente a investigação da Justiça?!

    12. Um mês antes, ele fez a mesma coisa, só que culpando a Venezuela por aquele enorme crime ambiental que rolou no litoral do Nordeste, em que 1.009 praias foram sujas por um óleo derramado por um navio. Ainda hoje, a origem do produto é questiona por cientistas.

    13. Neste tweet, Salles criticou de novo uma ONG e usou imagens de civis tentando limpar o óleo das praias como se o que eles estivessem fazendo fosse algo heroico! Não era. Era sobrevivência pura. E ver um ministro do Meio Ambiente usando tais imagens para autopromoção de um discurso contrário aos ativistas ambientais é triste demais.

    14. Em agosto de 2019, Ricardo Salles usou a hashtag #SomosTodosRicardoSalles para dar aquele impulsionada nele mesmo, sabe como é!

    15. E a tour se encerra com um show dado em julho de 2019, quando o ministro usou uma propaganda da Chevrolet (!!!) para defender, de novo, seu verdadeiro amor: o agronegócio.

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade