Como as redes sociais podem ser grandes aliadas na hora dos estudos

Gi Pellegrino, da Galera CAPRICHO, entrevista o biólogo Carlos Stênio, que ensina no Instagram usando referências do universo pop, como filmes da Disney!

Por Da Redação Atualizado em 21 dez 2020, 19h12 - Publicado em 9 out 2020, 13h00
colecao-roupas-capricho-marisa
Divulgação/CAPRICHO

O, gente! Aqui é a Gi Pellegrino e, com os vestibulares chegando, é bem normal que a gente se sinta ansiosa e insegura, e não saiba direito nem por onde começar a estudar. É sempre importante estudar os conteúdos que normalmente têm maior probabilidade de cair nos exames e seguir as orientações dadas pelos nossos professores da escola e do cursinho, mas é importante também ficar ligado nos assuntos e nas notícias atuais! E, neste momento atual, as redes sociais podem ser grandes aliadas no momento dos estudos, ao contrário do que pensam os seus pais – ou até você mesma!

A imagem mostra, de um lado, um esquema de estudos sobre relações ecológicas com desenhos de personagens animais da Pixar e, de outro lado, a foto de um menino branco, loiro, com camiseta cinza. Ele tem uma arara apoiada em seu ombro.
Algumas das postagens de Carlos Stênio no Instagram @steniosuxx/Reprodução

Além de revisar as matérias que você possivelmente já estudou através dos meios “tradicionais”, navegar pelas redes sociais e seguir especialistas em áreas específicas de conhecimento pode ajudar muito, além de ser bem mais divertido do que mergulhar nos livros por horas sem fim. E foi assim que, em uma dessas, eu acabei conhecendo o Carlos Stênio, um biólogo que tem um perfil no Instagram que ensina sobre Biologia e assuntos que caem no ENEM e nos vestibulares de uma maneira dinâmica e fácil.

  •  

    Continua após a publicidade

    Ele conta que o projeto começou quando era universitário e uma de suas professoras passou um trabalho com tema livre. Ele convenceu o grupo a fazer sobre Bob Esponja, mostrando como os personagens seriam se fossem transportados para a vida real. “Postei nas redes sociais e teve uma grande aceitação. Logo depois acabei fazendo um post parecido sobre os filmes Procurando Nemo e Vida de Inseto. Com a evolução dos meus estudos na faculdade, comecei a perceber que existia biologia em tudo, e fui aproveitando cada vez mais as ideias que iam surgindo de acordo com os temas em que eu ia me aprofundando. Surgiram assim os conteúdos de Alice no País das Maravilhas e vários outros em que ninguém nunca imaginou que pudessem ter alguma coisa relacionada à biologia, como Harry Potter, O Exorcista, as Princesas da Disney, Looney Tunes, e até mesmo O Estranho Mundo de Jack“, conta para a CAPRICHO.

    View this post on Instagram

    A post shared by Carlos Stênio l Biologia (@steniosuxx)

    Além de ser divertido estudar de uma maneira não tradicional, o tempo que você passaria na internet procrastinando, vira um tempo de estudo e revisão de conteúdo. E você ainda tem alguns filmes e desenhos para citar na redação do Enem! (risos) O que para o Carlos começou como um trabalho de faculdade, hoje virou uma profissão, pois ele também dá palestras e ajuda outros professores com o material que produz. “Percebi como vários estudantes precisavam apenas de um meio fácil de ter contato com a matéria para amarem a Biologia e conseguirem estudar de forma mais leve. Diante de tantas cobranças e estresse nos estudos, os desenhos chamam a atenção, e assim o conteúdo fica interessante e faz com que os alunos pesquisem e estudem de uma maneira leve e divertida“, explica.

    Um exemplo de assunto atual ligado à Biologia são as queimadas no Pantanal, e o Carlos vem produzindo alguns conteúdos dinâmicos e rápidos sobre o assunto. “Hoje, o Pantanal está pegando fogo e três milhões de hectares de terra já foram afetados, o que corresponde a quase 16% da vegetação local. Muitas pessoas não sabem como isso pode interferir em futuras pandemias, pois, quanto mais desmatamento, mais próximo será o contato de humanos com animais, e maior o risco de doenças transmitidas ao homem através desses bichos silvestres. Vale lembrar que várias doenças, como HIV, Ebola e a própria COVID-19, foram transmitidas através desse tipo de contato. Então, transmitir o conhecimento de forma fácil explica essas questões, e ajuda a entender outros aspectos relacionados à Biologia”, esclarece.

  •  

    Continua após a publicidade

    As pessoas em geral têm muitas dúvidas de como podem e se devem denunciar esses incêndios causados por ações humanas, e também têm dúvidas de que os responsáveis serão punidos, somada à precariedade dos órgãos ambientais no atual governo. Carlos diz que, “por causa disso, estamos tendo o maior índice de desmatamento dos últimos anos, tanto no Pantanal quanto na Amazônia. Muitas pessoas só têm acesso a essa informação quando a situação chega a um nível absurdo de destruição e é mostrada pelos grandes meios de comunicação. Por isso, as informações precisam urgentemente serem levadas de todas as maneiras e a todas as pessoas, e principalmente, de forma muito fácil e simples“.

    View this post on Instagram

    A post shared by Biologia Aplicada (@biologia.aplicada)

    “Logo no início do surto do COVID-19, eu percebi como algumas informações sobre meio ambiente, ou até mesmo notícias científicas, costumavam chegar com um formato muito formal em crianças e adolescentes. Recebi muitas perguntas sobre o que estava acontecendo e acabei criando um post com o Bob Esponja explicando o coronavírus e seus sintomas, o que deu origem a outro post do Scooby-Doo desmascarando as fake news sobre o vírus, e até um das Meninas Super Poderosas falando sobre como se prevenir e salvar o mundo da pandemia, tudo baseado em artigos científicos. Meus seguidores mais jovens conseguiram entender perfeitamente tudo, e desde então eu venho tentando trazer informações da forma mais leve e menos complexa possível. Acredito que a informação nunca é demais, e que ela tem que ser passada de maneira séria e responsável”, conta o biólogo queridinho das redes sociais.

    View this post on Instagram

    A post shared by Carlos Stênio l Biologia (@steniosuxx)

    De qualquer maneira, o conhecimento é sempre bem-vindo, ainda mais quando chega de maneira divertida. A dica do Carlos Stênio para quem está passando por essa fase pesada de estudos é: “Pensem fora da caixinha! Estudar tem que ser algo produtivo e divertido. Se estiver sendo chato, é porque tem algo errado”. Além disso, usem ao máximo e valorizem especialistas que produzem conteúdos legais!

    Aproveitem a dica e bons estudos a todos!

    Quero Bolsa | Graduação, pós-graduação e técnico: bolsas de estudo com descontos de até 75% em mais de 1100 faculdades em todo o Brasil. Saiba mais!

    Continua após a publicidade
    Publicidade