Skincare das axilas: como e por que cuidar dessa área do corpo?

Devemos abandonar os desodorantes? Veja dicas sobre esse assunto!

Por Sofia Duarte Atualizado em 21 Maio 2021, 17h35 - Publicado em 22 Maio 2021, 10h00

Mais um cuidado para incluirmos na nossa rotina? Sim, mas a gente garante que é por um bom motivo! O skincare das axilas é fundamental para prevenir a proliferação de bactérias, infecções e alergias. E existe um jeito certo de fazer isso? Podemos continuar usando desodorantes? A CH conversou com especialistas para aprofundar esse assunto e explicar tudo para você. Bora ficar por dentro?

No banheiro, mulher usa faixa branca no cabelo enquanto passa desodorante em uma das axilas. Ela está olhando para baixo, com expressão facial séria, em direção à axila. O fundo da montagem é rosa com bolinhas.
Skincare das axilas: como e por que cuidar dessa área do corpo? Getty Images/Getty Images

Como e por que cuidar das axilas?

Sabia que as axilas são uma área bastante sensível do nosso corpo, uma vez que protegem estruturas vasculares, linfáticas e neurológicas? Por isso, precisamos ter cuidado com o tipo de substância a que estamos nos expondo diariamente, segundo Renan Serrano, fundador e CEO da Visto.bio, empresa que busca o equilíbrio entre as pessoas e o planeta. “Esse espaço abafado de proteção do nosso corpo pode ser um ambiente ideal para proliferação de bactérias, entre elas as que causam os maus odores”, explica. Mas, na opinião dele, o cuidado vai para além da prevenção do odor. “Cuidar das axilas ajuda a eliminar as bactérias do mau cheiro, mas também a dar adeus ao desequilíbrio da microbiota, que causa dependência de cosméticos em um ciclo de enfraquecimento da sua proteção natural e de dependência artificial.”

O que fazer, então? A Dra. Letícia Bortolini, dermatologista, aconselha a lavar bem as axilas no banho e outros cuidados. “Principalmente se houver bromidrose [suor com odor excessivo], devemos usar sabonetes específicos para o tratamento, além de hidratar a pele do corpo todo após os banhos, evitar atritos com roupas muito justas e tratar eventuais dermatites com um médico dermatologista.”

É necessário, portanto, separar um sabonete específico para essa região do seu corpo e evitar o compartilhamento dele e das suas roupas com outras pessoas. Renan Serrano não recomenda sabonetes conhecidos por matar 99,9% das bactérias, porque acredita que o objetivo é controlar essas bactérias, e não eliminá-las. Uma ótima opção é o sabonete de glicerina.

Além disso, faça esfoliação uma vez por semana para eliminar produtos acumulados e células mortas (uma boa alternativa é usar a borra do café), deixe sua toalha de banho secando fora do banheiro, de preferência exposta ao sol, e não lave-a com amaciante. Prefira roupas de tecidos leves, especialmente para fazer atividades físicas e em dias muito quentes, evite o banho com água quente demais e seque bem as axilas após o banho.

  • E depois da depilação?

    Nesse momento, hidrate a pele e dê preferência para produtos calmantes. “Caso haja alguma reação muito inflamatória, um dermatologista poderá indicar a você o uso de cremes anti-inflamatórios para alívio, e, no caso de alergias, a indicação se faz de depilação a laser para não ter que usar lâminas ou ceras”, diz a dermatologista Letícia Bortolini.

    No banheiro, uma garota está usando uma regata branca, com o cabelo preso em um coque, enquanto levanta um dos braços e faz depilação com lâmina na axila. Ela está olhando em direção à axila e sorrindo. O fundo da montagem é rosa com bolinhas.
    Skincare das axilas Getty Images/Getty Images

    O desodorante comum causa danos à saúde?

    Ainda há controversas entre os especialistas e não existem evidências suficientes para provar que os desodorantes comuns e antitranspirantes causam danos graves à saúde.

    Continua após a publicidade

    Mas, existem alguns produtos que possuem parabenos e sais de alumínio em suas fórmulas, substâncias que, para Renan Serrano, podem ser tóxicas a nossa saúde. Dependendo da concentração desses ingredientes, a pele pode ficar sensível ou até desenvolver problemas como dermatite. Os antitranspirantes, em específico, podem entupir os poros que liberam o suor e, portanto, impedir a liberação de toxinas do corpo.

    E dá para substituir esses desodorantes? Você deve conversar com o seu dermatologista para entender o que é melhor no seu caso. Porém, além dos cuidados que já mencionamos, hoje conseguimos encontrar desodorantes naturais e veganos no mercado, que são feitos de extratos vegetais e óleos essenciais. O legal é que alguns desses produtos podem durar muito mais do que imaginamos, podem hidratar a pele e, muitas vezes, são feitos por pequenos empreendedores que estão preocupados com a cadeia de produção, com os funcionários da empresa e com o meio ambiente. Muitas pessoas fazem essa mudança porque não se adaptam aos desodorantes comuns e têm ótimos resultados!

    Já a dermatologista Letícia Bortolini, por exemplo, não é adepta de opções que não sejam industrializadas. Ou seja, voltamos para aquela indicação essencial: consulte o seu médico!

    E o impacto ambiental? Hoje, a maior parte dos produtos utilizam o GLP (gás liquefeito de petróleo), um gás que não causa danos ao meio ambiente, além dos desodorantes em aerossóis comprimidos, feitos em embalagens menores. Entretanto, atente-se na hora de jogar fora o frasco, porque ele deve ser encaminhado para um posto de reciclagem especializado.

    E os pelos?

    Com o movimento skin positivity ganhando força, existem mulheres que optaram por não aparar seus pelos das axilas. Os pelos atuam como protetores da pele e ajudam a diminuir o atrito na região e a prevenir irritações. Não existe uma relação direta entre os pelos e o aumento do mau odor. Basta cuidar das axilas do jeito certo – com ou sem pelos!

    Lembre-se de que sintomas como vermelhidão, coceiras e manchas na axila são sinais de alertas para você consultar um médico, ok?

    Quem deu as informações: Renan Serrano, fundador e CEO da Visto.bio; Dra. Letícia Bortolini, dermatologista membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

    Continua após a publicidade
    Publicidade