Momo teria ressurgido em vídeos infantis ensinando técnicas de suicídio

Publicações supostamente teriam conseguido enganar os algorítimos que cuidam da segurança do YouTube

Na última semana, tornou-se de conhecimento público que a Momo, aquela mesma boneca assustadora que aparecia em desafios online de suicídio, supostamente havia retornado, dessa vez para o YouTube. Na versão da plataforma para crianças, a Momo apareceria disfarçada em vídeos de slime, por exemplo, que são muito consumidos pelo público infantil.

 (Reprodução/Reprodução)

Quem fez a denúncia foi a professora Juliana Tedeschi Hodar, de 41 anos, moradora de Campinas. Ela disse que um vídeo chegou até ela via WhatsApp e, quando ela foi alertar sua filha sobre o que estava acontecendo, foi surpreendida pelo fato de que Bianca, de 8 anos, já tinha tido assistido ao conteúdo diversas vezes e ficado bastante assustada com ele. “[Ela] disse também que estava com muito medo de dormir sozinha, de sonhar com a personagem ou de vê-la saindo de dentro do armário. Foram minutos bem complicados para nós”, contou a mãe.

O caso chegou até outros pais que, preocupados, entraram em contato com o YouTube. Até mesmo a socialite Kim Kardashian usou o Instagram para alertar os funcionários da plataforma sobre o que está acontecendo. A maior preocupação é que as pessoas que supostamente estariam publicando esses tipos de conteúdo no Youtube Kids estariam conseguindo burlar os algorítimos do sistema, que deveriam filtrar postagens para que só coisas seguras cheguem até as crianças. Não é o que estaria acontecendo. “Depois de muita análise, não vimos nenhuma evidência recente de vídeos promovendo o Desafio Momo no YouTube. Vídeos incentivando desafios prejudiciais e perigosos são claramente contra nossas políticas, incluindo o desafio Momo. Apesar dos relatos da imprensa sobre esse desafio, não tivemos links recentes sinalizados ou compartilhados conosco do YouTube que violem nossas Diretrizes da comunidade”, assegurou o YouTube em carta oficial.

Muitos pais, conteúdo, continuam preocupados, pois, se a segurança já falhou uma vez, pode falhar outras – sem contar na quantidade de crianças que já foram expostas aos conteúdos envolvendo a Momo, que estimula o suicídio e ensina técnicas de como se matar, como jeito infalíveis de cortar os pulsos.

Em julho de 2018, o polêmico “perfil amaldiçoado do WhatsApp” envolvendo a boneca assustadora viralizou. Na verdade, tudo não passa de uma lenda e a Momo, na verdade, é a foto da escultura “Mulher Pássaro”, que faz parte do acervo do Museu Vanilla Gallery, em Tóquio, no Japão. Contudo, os efeitos nocivos trazidos pelos conteúdos envolvendo a figura são reais e devem ser tratados com muito cuidado, principalmente em uma realidade em que ansiedade e depressão afetam tantos jovens que têm acesso ilimitado à internet.

 (Reprodução/Reprodução)

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Fillipe Ferreira

    Boa Tarde, Quem Fez Essa Pesquisa Não Foi Só Idiota Como Também Foi Preguiçoso Que Nem Tentou Ir a Frente Na Pesquisa, o WhatsApp é Onde As Crianças Nem Deveriam Estar Tocando Por Vários Motivos e Um Dele é Que Pode Se Compartilhar Qualquer Tipo De Video Pode Ser De Terror etc. Pais e Mães Que Estão Lendo Isso Não Acreditem Nessa Pesquisa ! Não Deixe o Seu Filho De 12 Pra Baixo Mexer No WhatsApp Que Ele Pode Ver Qualquer Coisa Lá (#FicaDica)

    Curtir