Victoria’s Secret leva shade por comentário preconceituoso de diretor

Ed Razek discordou que a marca ainda precisa ter mais diversidade no seu time de modelos...

Por Isabella Massoud - Atualizado em 13 nov 2018, 17h29 - Publicado em 13 nov 2018, 16h09

A Victoria’s Secret Fashion Show deste ano teve poucas novidades: uma versão acessível do Fantasy Bra e duas modelos novas que trouxeram (pouca) representatividade: Winnie HarlowKelsey Merrit. Pela primeira vez, o casting foi composto por uma menina da Filipinas e uma modelo com vitiligo – manchinhas na pele, que não são transmissíveis. Mas a mídia e o público só comentaram sobre a falta de diversidade do show.. e alguns diretores da marca foram entrevistados e questionados sobre o assunto.

View this post on Instagram

U N B E L I E V A B L E 😭💗

A post shared by ♔Jamaican Canadian♔ (@winnieharlow) on

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Ed Razek, diretor de marketing, participou de uma entrevista junto com Monica Mitro, produtora da marca, para o projeto Vogue Runaway. Ele fez comentários preconceituosos durante suas respostas, e um dos que chocou a internet foi sobre modelos trans. Ao ser questionado pela falta dessas meninas nas passarelas, Ed foi bem direto: Não acho que deveríamos ter modelos transgêneros no desfile“. A justificativa? “Porque o desfile é uma fantasia. É um especial de TV de 42 minutos“. Ninguém entendeu nada, por que meninas trans não poderiam usar uma fantasia, Ed?

https://www.instagram.com/p/BqDoyginIxY/

Na mesma entrevista, Ed foi questionado sobre ter modelos plus size no show. Por mais que sejam de diferentes raças e etnias, as modelos da VS sempre são bem magras e altas. A resposta dele também não convenceu a galera: Se nós consideramos colocar uma modelo plus-size no desfile? Sim, nós consideramos. Tentamos fazer um especial de TV com plus sizes [em 2000]. Ninguém se interessou, e ainda não se interessam“. OI? 

Continua após a publicidade

A galera usou as redes sociais para dar shades na marca e, principalmente, no diretor. A modelo Louise O’Reilly citou como exemplo o desfile inclusivo da grife comandada por Rihanna: “Exemplo que mostra porque as marcas precisam ser cuidadosas quando divulgam opiniões de diretores. Especialmente quando é um homem de 70 anos que está vivendo no passado. Graças a Deus a Rihanna nos trouxe a ‘Savage X Fenty’ esse ano com atenção genuína e amor à diversidade na marca”. Durante o NYFW, modelos magras, gordas, de raças e gêneros diferentes e até grávida cruzaram a passarela com as lindas peças da marca da cantora, lembra? Segundo o Buzzfeed, um fã postou este print no Instagram, mencionou Rihanna e a chamou de “rainha da diversidade”. Logo depois, a foto foi curtida por Riri- dando a entender que ela concorda com a posição.

A modelo plus size Tabria Majors também fez uma declaração que ganhou muitas curtidas. Com uma foto de lingerie da SavageXFenty, ela questionou o diretor: “Então Ed Razek, você tentou fazer um desfile plus size há VINTE ANOS e isso não funcionou? Se você não entendeu, o #bodypositivity veio para ficar. Tente de novo!“. É isso aí! 

Continua após a publicidade

View this post on Instagram

So Ed Razek, you tried a plus runway show nearly TWENTY YEARS AGO and it didn’t work? If you didn’t get the memo, #bodypositivity is here to stay. Try again! Wearing one of my favorite inclusive brands @savagexfenty 📷 @allgoodthingstv

A post shared by Tabria Majors (@tabriamajors) on

Continua após a publicidade

Depois de tanta gente comentando – e não concordando – sobre o assunto, a marca resolveu tuitar um pedido de desculpas do diretor, pedindo para que todos os fãs lessem: “Minha colocação sobre a inclusão de modelos transgêneros no desfile da Victoria’s Secret soou como insensível. Peço desculpas. Para ser claro, nós com certeza contrataríamos uma modelo transgênero para o desfile. Já tivemos modelos trans que participaram de audições [para nossos desfiles]…E, como muitas outras, elas não conseguiram. Mas nunca se tratou de uma questão de gênero. Eu admiro e respeito suas jornadas para abraçar quem realmente são. – Ed Razek, chefe de marketing.

Fica um pouco difícil de desculpar alguém depois das declarações preconceituosas, estamos esperando atitudes! Que toda essa repercussão sirva para que a marca mude seus conceitos e inclua mais diversidade nos próximos castings. 

Publicidade