Marieli Mallmann fala sobre a importância do consumo consciente na moda

Conversamos com a influenciadora sobre seu estilo de vida sustentável, e ela deu dicas incríveis!

Por Sofia Duarte - Atualizado em 21 Maio 2020, 19h28 - Publicado em 21 Maio 2020, 10h05
perfume ch o boticario fragrancia capricho mood
CAPRICHO/Divulgação

Marieli Mallmann, de 25 anos, é conhecida na internet por apoiar marcas de pequenos empreendedores que praticam o consumo consciente, além de indicar cosméticos veganos e ser uma grande fã de plantas – sim, a casa dela tem muitas!

A CH conversou com a influenciadora para entender de onde surgiu esse interesse pela sustentabilidade, quais dicas ela daria para alguém que está se interessando no assunto e como ela vê o futuro da moda.

View this post on Instagram

Continua após a publicidade

gente, não sei se vocês estão sabendo, mas fui coroada nessa semana👸🏼 Rainha Marineide das Plantinhas 🌿 #girlswithplants

A post shared by Marieli Mallmann (@m_marieli) on

Os hábitos conscientes de Marieli não são de hoje. Na verdade, ela morou em um sítio com seus pais durante a infância e a adolescência, na cidade de Estância Velha, no Rio Grande do Sul, e, por isso, sempre teve contato com a vida no campo. “Meus pais são bem conscientes quanto à produção de lixo, reaproveitamento, agrotóxicos e cuidado com os animais”, explica.

Depois, ela foi cursar moda em Porto Alegre e continuou tendo alguns hábitos do campo, desde evitar desperdício até manter o reaproveitamento das coisas. “Durante a faculdade, eu fui apresentada ao conceito de consumo consciente, que era uma pauta que estava em emergência. Fui conhecendo também o veganismo como um todo, não só aplicado ao universo de moda, mas a um estilo de vida. A partir disso, com esse mix de sustentabilidade e essa parte mais teórica que eu estava estudando, fui aplicando, aos poucos, dentro do meu próprio estilo de vida. Desde questões simples, como separar o lixo, até dar prioridade a produtos que têm fórmulas veganas e consumir marcas que são livres de crueldade e não testam em animais”, diz. Foi então que Marieli criou seu antigo blog e passou a compartilhar conteúdos dentro desse segmento.

Continua após a publicidade

View this post on Instagram

Continua após a publicidade

Moda em movimento, moda em sentimento. A @atempoa é uma marca de moda atemporal, um movimento considerado contrário ao fast fashion. As roupas são feitas para durar por mais tempo, tanto esteticamente, com suas cores e design, quanto no que se refere à qualidade da matéria-prima usada na confecção das peças. O amor por itens básicos, atemporais e flexíveis cresce cada vez mais, pois encontrar o que nos representa na moda é libertador. A Atempoá também abre toda a precificação das peças para os clientes, é só acessar a loja on-line que você encontra a exata % de cada área de custo do desenvolvimento das roupas. Transparência, né?! ❤️ tem cupom de desconto especial pra vocês, use #marieli10 (com a #) pra 10% OFF! 🌿 | publicidade

A post shared by Marieli Mallmann (@m_marieli) on

Para ela, o veganismo e o consumo consciente estão relacionados a uma questão política. “Eu acredito que, quanto maior o nosso privilégio social, maior a nossa responsabilidade social. Por exemplo, eu tive a oportunidade de fazer faculdade e de ter vários privilégios na vida que me ofereceram um conhecimento de muitos assuntos importantes, e esse privilégio afeta bastante o meu estilo de vida, porque eu me vi com a responsabilidade de passar essas informações para outras pessoas e continuar aprendendo sobre isso”, afirma.

“O veganismo é uma jornada de uma vida inteira”, garante a influenciadora, que o aplica em diversas áreas, embora não seja 100% vegana: “Dou preferência para alimentação vegana, porém ainda consumo alguns derivados de leite. Não tenho peças de couro, não consumo nenhum tipo de carne e os meus cosméticos são livres de crueldade animal. Mas, por exemplo, o meu pai tem o hobby de ser apicultor e, eventualmente, eu consumo o mel dele. Apesar de não ser vegano, eu sei como é feito e consigo rastrear sua procedência. E aí acho que isso se conecta com o estilo de vida de consciência de consumo.”

View this post on Instagram

Continua após a publicidade

a alegria e o privilégio de poder usar aquela roupa que traduz tua alma, que tu comprou de quem faz e que te trouxe uma confiança em si mesma maior ainda. 🔥 desde que li USE A MODA AO SEU FAVOR da @modices, resgatei alguns sentimentos pela moda que estão sendo bem importantes nessa minha fase de autoconhecimento e super me dando coragem pra viver de um modo diferente. moda é um reflexo e uma influência sobre nossos sentimentos e posicionamento, não seja aprisionado por ela, use ao seu favor! que livro, Carla! 💥🧡 o look é da @calmasaopaulo, sandália da @cea_brasil, bolsa @dafiti e foto pela @jessicaliar!

Continua após a publicidade

A post shared by Marieli Mallmann (@m_marieli) on

Na moda, ela não consome matérias-primas advindas de crueldade animal e dá preferência a tecidos feitos de fibras naturais, como o algodão e o linho, materiais orgânicos, pequenos produtores e marcas feitas por mulheres. “É um consumo político de moda. Penso no ciclo de vida da roupa, da necessidade que existe de eu ter essa peça ou não, do tempo que ela vai ficar no meu armário e qual será o fim dela”, explica.

Fora isso, quando se trata de marcas grandes, de âmbito nacional ou internacional, é ainda mais importante ficar de olho nas atitudes das empresas. “Quanto maior a marca, mais eu me preocupo com a responsabilidade social que ela tem. Como funcionam os trabalhos sociais dela, se oferece alguma iniciativa sustentável. E, quando são marcas menores, eu procuro consumir de quem faz, conhecer quem são as pessoas por trás delas e saber quais foram os processos produtivos. É o movimento do ‘quem fez as minhas roupas’. Precisamos conhecer a matéria-prima, saber se é orgânico ou não, como foi tingido, de onde vem o tecido… É a questão da transparência que a marca tem que ter com seus clientes”, continua.

Pedimos indicações de marcas que se preocupam com o consumo consciente, e a Marieli revelou três de suas favoritas. A IRAL é feita por mulheres e segue o conceito de slow fashion.

View this post on Instagram

Continua após a publicidade

Kimono Marielle + Camsieta Patriarcado + Short Maya. ✨

A post shared by IRAL | marca slow fashion (@instairal) on

Continua após a publicidade

A Calma São Paulo desenvolve roupas sem gênero com estampas incríveis!

View this post on Instagram

Continua após a publicidade

Roupas sem gênero, confortáveis e coloridas para alegrar seu home office ! Monte seu proprio mix de estampas na calmasaopaulo.com

A post shared by CALMA (@calmasaopaulo) on

A FALA oferece opções minimalistas com modelagens atemporais e tem uma grade de tamanhos inclusiva.

View this post on Instagram

Continua após a publicidade

Mais um look da série: Não tiro o meu pra nada 😊⁣ Macacão saruel com manga ❤️⁣ Ele é chique, fresquinho e te deixa livre para qualquer movimento.⁣ Já escutamos de muitas clientes que usam ele sem nada por baixo…😁(Credo, que delícia🤣). ⁣ É mesmo uma delícia o conforto e a praticidade de uma peça única, né gente?⁣ Ele é feito na viscolycra que permite toda esta liberdade de movimento. ⁣ Borá escolher o seu em nosso site? ✨ Foto: @fcdsil

A post shared by FALA que é pra TODXS! (@marcafala) on

Uma dica da Marieli para quem está começando a se aventurar no universo do consumo consciente é: não tenha medo de participar de qualquer movimento que trabalhe a sustentabilidade. “Não é oito ou oitenta – ou você é ou você não é. Na verdade, qualquer pequena ajuda já um grade adicional. Tudo bem se você não conseguir se tonar vegano da noite para o dia, mas existem outras possibilidades que você pode fazer e que vão beneficiar tanto o meio-ambiente como as mulheres que estão por trás dos negócios, por exemplo. É ter o pensamento de vou fazer o que eu posso, na medida que eu posso, dando um passo de cada vez“, diz.

O momento atual de muita reflexão, causado pela pandemia do coronavírus, traz à tona discussões sobre mudanças na forma de consumo. Para a influenciadora, essa é uma questão complicada. “Antes da pandemia, a gente não vivia em um único comportamento. E não existe um único tipo de consumidor. Eu acho que quem já estava com a mente um pouco mais aberta e disposta a entender essas questões, que, como eu disse, são muito ligadas a um privilégio social, tende a seguir esse caminho cada vez mais. Mas, por outro lado, temos consumidores que estão esperando as lojas abrirem para consumirem mais e em mais quantidade. Acho que mudanças vão acontecer, mas nunca sabemos se serão totalmente boas ou ruins. Pode parecer um pouco pessimista, mas talvez esse ‘novo normal’ não seja tão novo assim. São questões que a gente já estava ouvindo antes. Já víamos estudos e artigos que apontavam a digitalização, o trabalho remoto, a colaboração, a diversidade, o propósito e o consumo consciente. Eu só acho que temos que manter em mente que, quanto maior o nosso privilégio social, maior a nossa responsabilidade social, e temos que buscar agir dentro disso da melhor forma que conseguimos.”

E aí, deu para se conscientizar sobre a importância desse assunto? Bora apoiar pequenos empreendedores e marcas sustentáveis! 😉

Publicidade