10 curiosidades sobre a história do brinco de argola

Você sabia que ele era, originalmente, um acessório usado por homens?

Por Sofia Duarte Atualizado em 12 set 2021, 09h35 - Publicado em 11 set 2021, 10h00

Os brincos de argola fazem parte da nossa realidade e são excelentes aliados para compor um look estiloso. Mas esses itens, que se tornaram clássicos e atemporais, surgiram há mais tempo do que você imagina!

A CH conversou com João Braga, professor de História da Arte da Faculdade Santa Marcelina, para conhecer melhor a história desse acessório tão antigo. Confira!

10 curiosidades sobre a história do brinco de argola

1. Os registros mais antigos do acessório datam de 2.500 a.C.

2. Os brincos usados na orelha eram uma prática originalmente masculina. Vários homens aparecem com o acessório em relevos feitos por sumérios, antigos habitantes do Sul da Mesopotâmia, onde hoje ficam o Iraque e o Kuwait.

3. Não existe um significado absoluto por trás das argolas. As simbologias delas mudam de acordo com a cultura de determinado povo e o período da história em que viveram. Mas, de forma geral, são brincos que costumavam ser associados a poder e prestígio e também podiam funcionar como um amuleto que evitava mal olhado.

5. Assim como o anel, que é circular, o aro em si da argola tem uma simbologia de unidade e continuidade.

Continua após a publicidade

6. Na Grécia e no Egito Antigos, as argolas feitas de joias e materiais preciosos representavam status. No Egito Antigo, por exemplo, os gatos eram figuras sagradas e apareciam usando argolas douradas.

  • 7. Os piratas dos séculos 17 e 18 também usavam argolas. Especula-se que eles as colocavam mais na orelha esquerda, porque, assim, quando pegavam a espingarda para atirar, o brinco não os atrapalhavam. Caso usassem na orelha direita, poderiam criar algum ferimento na hora de atirar. Além disso, existem diversas suposições a cerca do motivo que levou os piratas a escolherem as argolas, como o fato de uma joia poder servir de pagamento para o enterro deles.

    8. Os brincos tonaram-se mais populares no século 20, especialmente no final dos anos 1920, quando a estilista Chanel democratizou o acessório.

    Angela Davis, à direita, discursando para um público em 1974. A foto é em preto e branco.
    Angela Davis em 1974 Getty Images/Getty Images

    9. A argola sempre fez parte das histórias das culturas africanas. Na década de 1960 e 1970, foi bastante usada por ativistas do Movimento Black Power e simbolizava força, fazendo parte de uma estética de luta pelos direitos civis. A icônica cantora Nina Simone também aparecia bastante com o acessório.

    10. O brinco também possui grande importância para as pessoas latinas. Assim como as comunidades negras, elas já enfrentaram estigmas por usar o acessório, em especial os de tamanhos maiores e com escritos dentro.

    E aí, gostou de conhecer mais a respeito da história dos brincos de argola?

    Quem colaborou nesta matéria: João Braga, professor de História da Arte da Faculdade Santa Marcelina

    Continua após a publicidade
    Publicidade