Coletivo Trans Sol capacita mulheres trans e travestis por meio da moda

Conheça o projeto que muda a vida de pessoas em situação de vulnerabilidade social

Por Sofia Duarte Atualizado em 18 ago 2020, 11h05 - Publicado em 16 ago 2020, 10h00

Desde 2008, o Brasil lidera o ranking de países que mais matam pessoas trans e travestis, segundo dados internacionais da ONG Transgender Europe (TGEU). No ano de 2019, 124 transexuais foram assassinados no nosso país, média de um homicídio a cada três dias, conforme pesquisa realizada pela Antra (Associação Nacional de Travestis e Transexuais) em parceria com o IBTE (Instituto Brasileiro Trans de Educação). Os números são graves e evidenciam a urgência de políticas públicas inclusivas para o público trans.

Pensando em transformar esse triste cenário e com o objetivo de mudar a vida de mulheres trans e travestis em situação de vulnerabilidade social, nasceu o Coletivo Trans Sol. Em 2015, ele era um curso extracurricular e independente da Unisol (Central de Cooperativa e Empreendimentos Solidários) – esta última tinha convênio com o Transcidadania, programa da prefeitura de São Paulo que pretende promover a reintegração e o resgate da cidadania para pessoas trans. Priscila Nunes e Mavica Morales, que eram bonequeiras, e Otávio Matias, que tinha conhecimento em moda e costura, se uniram para dar aulas no projeto. O objetivo era ensinar um ofício às alunas trans e travestis. Em entrevista à CAPRICHO, Priscila contou como tudo aconteceu.

View this post on Instagram

Continua após a publicidade

COMO SURGIU? O Coletivo Trans Sol surgiu em 2016 quando duas ativistas, @dominaprix e @mavica.morales percebem que dentro da comunidade LBGTQI+ não existiam projetos relevantes de fomento a renda para a população Transexual. Juntas, elas decidem usar de seus conhecimentos para ensinar moda, costura e bonecaria, para mulheres trans e travestis. Fizemos parte do projeto na Incubadora Pública de Economia Solidária, com o apoio da Secretaria do Trabalho da Prefeitura De São Paulo, por meio da Unisol Brasil. Dentro da Incubadora, espaço de criação e aprendizado coletivo, surge a metodologia do Coletivo que é usado até hoje: um espaço que proporciona ensino técnico e acolha cada uma em suas peculiaridades, proporcionando outras possibilidades de geração de renda, por meio de um trabalho justo. Hoje somos um coletivo totalmente independente, apoie o nosso financiamento coletivo. Para acessar, o link tá na nossa bio. . #trans #mulherestrans #travesti #economiasolidaria #coletivotranssol #transsol

A post shared by Coletivo Trans Sol (@coletivotrans_sol) on

“No primeiro momento, só queríamos dar aulas, e foi o que aconteceu por um ano e meio. Depois, chegou um período em que percebemos que só as aulas não eram o suficiente. Porque, quando as mulheres terminavam o curso, o que iriam fazer? Elas têm máquina em casa? Para quem iriam vender os produtos? Como abordariam pessoas para se tornarem costureiras conhecidas? A gente começou a entender que tínhamos que trabalhar junto com elas. O trabalho pós-aula, que seria ensinar a vender, tinha que continuar. E também fazer o serviço contrário, que é trazer a sociedade para esse grupo de pessoas vulneráveis para entender que elas têm criatividade”, afirma.

Com isso, surgiu a oportunidade de fazer um desfile com a Casa 1, Centro de Cultura e Acolhimento LGBT+, em que o Coletivo produziu quimonos que foram leiloados. “Foi quando as alunas perceberam que o produto que elas faziam poderia ser assimilado pelo público”, lembra.

Mais tarde, começaram a participar de feiras, como o Jardim Secreto, para vender os produtos, e deu muito certo! “Foi ali que começamos o trabalho da venda, de como elas iriam se apresentar e oferecer as peças”, explica Priscila. Além disso, nessa época o projeto Trans Sol se tornou um Coletivo. “Perguntamos às alunas se elas gostariam de formar um coletivo em que todo mundo trabalhasse e recebesse por aquilo que fazia. Algumas aceitaram, outras não, e hoje nós somos um coletivo que dá aulas e temos a marca do Coletivo Trans Sol também, que faz quimonos e shorts.”

View this post on Instagram

Continua após a publicidade

Sabemos que na moda existe um cenário cruel, de exploração de mão de obra e total desvalorização do ser humano. Obviamente não queremos fazer parte dessa cadeia, queremos promover uma costura justa, um trabalho digno para as costureiras e conscientizar pessoas para esse consumo consciente. A costura é um ofício mais complexo do que as pessoas imaginam, exige matemática, paciência, capricho, encaixe, cada milímetro faz diferença seja na modelagem, no corte, na costura, no acabamento. Valorize o trabalho das costureiras! Compre de pequenos negócios e marcas responsáveis, saiba quem realmente costurou a sua roupa. No Coletivo Trans Sol, as costureiras são mulheres trans e travestis que produzem kimonos maravilhosos para todos os corpos. Você já viu o nosso site? Tem as estampas exclusivas da nossa parceira querida @usegulegule Fique linda e confortável e também fortaleça o nosso projeto <3 www.coletivotranssol.store⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ #coletivotranssol #moda #trans #costureirastrans #travesti #costura #visibilidadetrans #empregabilidadetrans #mulhertrans

A post shared by Coletivo Trans Sol (@coletivotrans_sol) on

Nesse período, Priscila e os outros colaboradores conheceram a GÜLE GÜLE, uma marca que estava disposta a ajudá-los e, desde então, é quem fornece os tecidos usados na produção. Outras parcerias importantes são com o Instituto C&A, com o qual fazem feiras e dão palestras e workshops, e com o SESC, onde realizam uma oficina de discussão de gênero por meio da bonecaria. Demais, né?

Quando o contrato com o Transcidadania terminou, eles tiveram que sair do espaço da prefeitura em que ficavam. Assim, mudaram para um local emprestado pela Casa 1, que foi reformado pelo Instituto C&A, e, em setembro de 2019, conseguiram o próprio ateliê devido à uma doação financeira que permitiu o pagamento de dois meses do aluguel. O projeto deu entrada nos papéis para formalizar o título de Associação, as costureiras eram remuneradas e tudo estava indo bem, até que chegou a pandemia do coronavírus. O Instituto C&A ajudou por dois meses, manteve alunas e ex-alunas, mas precisavam de mais uma força e a equipe decidiu fazer um financiamento coletivo, que foi um sucesso!

Por enquanto, os planos futuros estão incertos devido a pandemia e eles estão apostando nas vendas on-line. Existem inúmeras dificuldades, mas desistir não é uma opção. “Vamos pensar em fazer um financiamento recorrente e estamos vivendo um dia de cada vez. Estamos batalhando e não vamos desistir“, diz Otávio Matias.

View this post on Instagram

Continua após a publicidade

Essa é a Alice, nossa nova manequim, desfilando com estampas exclusivas da @usegulegule nos kimonos do @coletivotrans_sol . Vem falar oi pra ela nesse sábado no @jd_secreto . Ela é um charme.

A post shared by Coletivo Trans Sol (@coletivotrans_sol) on

Priscila ainda relata que o poder de transformação do Coletivo é incrível. “Eu acho que ele transforma social, econômica e afetivamente. Você poder confiar em outra pessoa, se sentir aceita em um espaço, não ter medo de estar nesse espaço. E eu acho que elas se empoderam muito mais quando alguém tem uma má impressão e elas respondem que são costureiras. É diferente o olhar que as pessoas lançam depois que sabem. ‘Ah, você está no coletivo, é você que faz essa roupa’. É muito importante você falar ‘sou eu que faço essa roupa’. Para elas é maravilhoso. Eu sinto isso.”

Ela também comenta sobre uma ocasião muito importante para o projeto, quando as costureiras foram costurar ecobags ao vivo na Casa de Criadores, evento que lança novos estilistas brasileiros. “Elas ficaram deslumbradas, porque você vê a moda acontecendo. Elas tiveram acesso aos camarins e viram maquiagem, modelos e tudo”, revelou.

  • Roberta Rodrigues, que entrou em uma das primeiras turmas e hoje é presidente do Coletivo, era tímida no começo. Priscila conta que eles recebiam livros de moda e, com muito custo, incentivaram Roberta a ler. “Ela pegou gosto pela leitura e, um tempo depois, ganhou uma bolsa de estudos para entrar em uma faculdade de moda. Só que ela tinha parado de estudar, e aí voltou a estudar para poder fazer a faculdade. Então, eu acho que a transformação que acontece é de você acreditar em si mesma.”

    View this post on Instagram

    Continua após a publicidade

    Robertinha na produção dos shorts e kimonos, trabalhando para retribuir a todes que colaboraram no nosso financiamento coletivo. Um comunicado àquelus que compraram peças a partir da campanha: entraremos em contato por e-mail de acordo com a ordem e data da compra, ok? Então quem contribuiu primeiro, vai receber primeiro, quem apoiou no final do financiamento coletivo, pedimos um pouco de paciência e compreensão nós próximos 2 meses. Faremos levas de 50 recompensas/ entregas por vez, já que o nosso coletivo é pequeno e valorizamos um trabalho justo. São peças com tecidos exclusivos da @usegulegule e mão de obra justa com impactos sociais positivos, vamos juntes transformar a realidade das mulheres trans e travestis! ✨

    A post shared by Coletivo Trans Sol (@coletivotrans_sol) on

    Ao final da entrevista, também falamos com Paula Muniz, travesti que conheceu o projeto pelo Transcidadania, saiu, voltou recentemente e está relembrando o que já sabia e aprendendo coisas novas. À CH, ela contou que adora moda: “Gosto de me vestir bem, customizar as minhas roupas. Eu me visto como eu me sinto. Se eu estou feliz, estou toda colorida. Se não, eu tiro um pouco das cores e coloco preto. Se estou animada, ponho um cinto, um brincão, prendo o cabelo. Se não, saio mais discreta. Cada dia estou de um jeito.”

    Paula explicou a importância do coletivo em sua vida e de tantas outras mulheres trans e travestis que já foram empoderadas por ele. “É muito importante para fugir da rotina, porque a maioria das trans trabalham com programas, são prostitutas, e esse é o universo que elas conhecem. Elas se prostituem para pagar as contas, porque temos que pagar as contas, como todo mundo. E, geralmente, as trans convivem mais umas com as outras, no universo trans, raramente têm amizades com pessoas cis. E é importante para isso, para estarmos inseridas.”

    View this post on Instagram

    Continua após a publicidade

    Desde o começo do mês quando alcançamos a meta do financiamento coletivo, começamos a produção das recompensas, daqueles que compraram para apoiar o projeto. A Paula tava organizando a nossa arara 🤩✨ Entraremos em contato por e-mail de acordo com a ordem e data da compra, ok? Então quem contribuiu primeiro, vai receber primeiro, quem apoiou no final do financiamento coletivo, pedimos um pouco de paciência e compreensão nós próximos 2 meses. Entraremos em contato de 50 em 50 recompensas, para dar conta da produção e entrega das 214 peças entre shorts, kimonos e bonecos. Muito obrigade pelo apoio e compreensão! ♥️ #coletivotranssol #costureirastrans #visibilidadetrans #moda #respeito #cidadania #educação #ficaemcasa #consumoconsciente #modaconsciente #tecidosexclusivos #gulegule @usegulegule

    A post shared by Coletivo Trans Sol (@coletivotrans_sol) on

    O Coletivo Trans Sol é um exemplo de como a moda pode ser uma aliada na inclusão social da comunidade LGBT+ e de pessoas em situação de vulnerabilidade. Se você gostou e quer ajudar, nossa dica é ficar de olho no e-commerce deles. Por aqui, nós estamos pirando nas peças estilosas! 😉

    Continua após a publicidade
    Publicidade