Veja as histórias aterrorizantes dos bastidores destes 6 filmes de terror

Joey King já revelou que, durante as gravações de Invocação do Mal, manchas roxas começaram a surgir no seu corpo

Por Amábile Reis Atualizado em 14 out 2020, 21h10 - Publicado em 14 out 2020, 12h11
colecao-roupas-capricho-marisa
Divulgação/CAPRICHO

O Halloween já está chegando e uma das nossas atividades preferidas da data é assistir a filmes de terror. Os enredos podem até nos deixar com os pelinhos do braço arrepiados, mas sabia que, além de tramas aterrorizantes, também há histórias bizarras nas gravações de alguns longas? Pensando nisso, separamos por aqui situações assustadoras que aconteceram em filmagens de seis títulos de terror para você ficar chocadíssima.

Detalhe: como boas amigas, já deixamos avisado que esses relatos farão você dormir de luz acesa pelos próximos meses, viu? Preparada? Vem com a gente!

  • Invocação do Mal (2013)

    Ai, nosso coração! Em uma entrevista, Joey King disse ter vivido uma situação bizarra nas gravações. Na trama, a mãe de King é possuída por uma entidade do mal e apresenta várias manchas roxas pelo corpo. “Durante a filmagem dessas cenas específicas, comecei a ter muitos hematomas aparecendo em meu corpo em lugares bizarros – na minha barriga, no meu peito. Tipo: quê??”, relatou. A artista comentou que, por ser muito novinha, todos supunham que aquilo seria apenas uma brincadeira dela. Segundo a atriz, as maquiadoras chegaram a até passar álcool nos machucados por acreditarem que eram fakes. Obviamente, a tática não deu certo.

    Por isso, Joey foi levada ao médico e aí descobriu sofrer de uma doença no sangue. “Soube que tinha uma condição de afinamento no sangue chamada ITP [Trombocitopenia Primária Imune], em que todas as minhas plaquetas praticamente foram drenadas do meu corpo misteriosamente”, explicou. Ela, então, começou a ir ao hospital todos os dias para tratar o problema. Acontece que a situação melhorou assim que as gravações de Invocação do Mal terminaram. Que medo!

    Annabelle (2014)

    Esperamos que você esteja sentada, porque essa história é de arrepiar! John Leonetti, o diretor do longa, chegou a comentar uma situação inusitada que aconteceu no set de gravação. Ele contou que viu uma marca de garras em uma das janelas empoeiradas do local e a garra era igual à do demônio ficcional do roteiro. No enredo do filme, um personagem é morto por esse tal demônio em um corredor. Nas filmagens, um dispositivo de iluminação caiu na cabeça do ator que fez esse papel no mesmo corredor em que o seu personagem ~iria morrer~… Eita!

    O Corvo (1994)

    GEN-TE! O ator Brandon Lee estava filmando uma cena do filme em que havia uma arma. O problema é que a produção não prestou atenção suficiente no objeto e deixou uma bala no cartucho. Quando a arma foi disparada, atingiu o abdômen de Brandon, que, mesmo sendo levado ao hospital, não sobreviveu aos ferimentos.

    O Exorcismo de Emily Rose (2005)

    Jennifer Carpenter, protagonista do filme, contou uma história aterrorizante que ela e o elenco do longa vivenciaram na época das gravações. A atriz disse que o rádio do seu quarto de hotel ligava e desligava sozinho, e, que nesse momento de falha, o aparelho tocava Alive, música de Pearl Jam. Quando outros nomes do elenco contaram que a mesma coisa estava acontecendo com eles, a equipe de filmagem achou a situação muito bizarra e pediu para que o hotel removesse todos os rádios dos quartos.

    Continua após a publicidade

    Hotel da Morte (2011)

    O filme fala sobre dois funcionários de um hotel que estão determinados a provar que o lugar é assombrado por fantasmas. O diretor Ti West, embora se categorize como cético, disse que houve momentos bem tensos durante as gravações e que fizeram com que a equipe achasse que o set de filmagens, um hotel em Connecticut, tivesse, de fato, espíritos. Segundo West, portas fechavam de repente, televisões ligavam e desligavam sozinhas e a atriz Sara Paxton acordava sempre no meio da noite pensando que alguém estava no quarto dela. Medo!

    Poltergeist (1982)

    A trilogia Poltergeist é repleta de histórias de tirar o sono e muitas pessoas acreditam que, de fato, o filme é amaldiçoado. Tudo começou quando a atriz Dominique Dunne foi estrangulada pelo namorado e não resistiu. De acordo com especulações da época, o rapaz ficou descontrolado ao ver o sucesso repentino de Dunne com o terror. Dizem que, para encobrir os gritos da atriz, ele colocou a trilha sonora de Poltergeist enquanto cometia o crime.

    Depois, a atriz mirim Heather O’Rourke, que fazia Carol Anne, morreu aos 12 anos após filmar o terceiro filme da franquia. A pequena teve uma parada cardíaca e não resistiu. Descobriu-se que ela tinha uma estranha obstrução intestinal.

    Além das atrizes, Julian Beck, que fez o reverendo Henry, morreu de câncer durante as filmagens de Poltergeist II. Aos 54 anos, Brian Gibson, o diretor do filme, morreu de sarcoma de Ewing, um tipo de câncer que atinge normalmente apenas crianças e adolescentes. E Will Sampson, que fez um índio nativo que ajudava a família no segundo filme, faleceu após complicações de um transplante de coração apenas um ano após as gravações.

    Para fechar, o ator Oliver Robins era estrangulado por um palhaço-robô em uma das cenas do longa. Acontece que o aparelho estava com problemas e causou um acidente, quase sufocando Oliver de verdade. Na hora, a equipe achou apenas que o ator estava apenas interpretando o sufocamento e por pouco Robins não morreu.

    Aproveite e assista ao vídeo especial da CH:

    Continua após a publicidade
    Publicidade