Michael Cera celebra retorno de Arrested Development: “É muito compensador”

Em entrevista exclusiva à CAPRICHO, ator fala sobre seu personagem e filme no Chile

Por Da Redação Atualizado em 24 ago 2016, 23h41 - Publicado em 24 jul 2013, 18h37

No dia 10 de fevereiro de 2006 foram ao ar nos Estados Unidos, de forma abrupta e sem destaque, os quatro últimos episódios da terceira temporada de Arrested Development . Sete anos depois, a série da família Bluth retorna com status de cult, ganhando uma quarta temporada que terá 15 episódios que vão todos ao ar ao mesmo tempo no Netflix, a partir das 0h, do dia 26 de maio.

Arrested Development retorna com seu elenco original e mostrará como a família Bluth continua praticamente a mesma, problemática, atrapalhada e enfrentando novos desafios.

A grande novidade dessa volta é o fato de Michael Cera, que interpreta o tímido George Michael Bluth, participar do roteiro e produção de alguns dos episódios. Em entrevista exclusiva à CAPRICHO, Cera fala mais um pouco sobre a quarta temporada de Arrested Development e dois novos projetos cinematográficos, que incluem um filme dirigido por Seth Rogen ( This Is The End ) e outro filmado no Chile ( Magic Magic ).

CAPRICHO: Como está o George Michael agora? Ele continua trabalhando na barraca de banana congelada?

Michael Cera: Não, ele está na faculdade agora. Ele continua o mesmo por dentro, mas agora ele passa por muitas coisas e está tentando se virar para entender tudo.

Como é esse novo George Michael?

Ele está muito parecido com o pai [Michael Bluth, interpretado por Jason Bateman ] dele agora, ele tem agido de forma um pouco irresponsável e egoísta, mas no geral ele é uma pessoa boa. E tem que tomar muitas decisões.

O que vai acontecer com a família Bluth nessa temporada?

Nossa, são muitas coisas. Ninguém está se dando bem, todo mundo está enfrentando novos desafios. É mais do mesmo, já que ninguém estava tão bem nas três primeiras temporadas.

Como foi encontrar o elenco novamente? Como estava o clima no set?

Isso foi muito estranho. Só teve um dia que todos filmamos juntos e ninguém sabia muito o que falar. Foi uma experiência bastante surreal, que ninguém esperava.

Cada episódio dessa temporada é praticamente sobre um personagem…

Foi basicamente tudo filmado ao mesmo tempo, mas fora de ordem. Nós filmamos durante cinco meses e foi como se tivéssemos fazendo um filme gigante. Deve ter sido uma enorme bagunça para editar, ainda bem que esse trabalho não era meu. (risos)

Continua após a publicidade

O final da terceira tempora foi um pouco traumático, tanto para o elenco quanto para os fãs. Qual o sentimento de vocês agora, que a série volta cultuada e com muita expectativa sobre essa nova temporada?

É tudo muito diferente. É uma experiência muito diferente num primeiro momento, mas trabalhar na série foi basicamente da mesma forma que antes, não sentimos nada diferente. É muito legal quando as pessoas gostam do que você está fazendo, essa é a razão pela qual fazemos. É muito bom saber que existe uma audiência que adora a série, é muito compensador.

Como foi sua contribuição na parte dos textos da nova temporada?

Basicamente eu sentava na mesa com os outros autores e todos falavam, davam ideias. Ninguém assinou nada sozinho, a gente apenas sentava lá, conversava bastante. Foi assim que tudo acabou sendo feito.

Existem algumas conversas sobre a produção de um filme de Arrested Development . Isso realmente vai acontecer?

Realmente não sei.

Se acontecer, você toparia participar?

Sim, com certeza.

Seth Rogen é um dos convidados dessa temporada e recentemente você participou do filme dele também, This Is The End . Como foi filmar o This Is The End ?

Eu não cheguei a gravar com ele em Arrested Development, mas foi bem legal participar do filme dele, que ele dirige inclusive. Eu só pude ficar por lá por uns dois dias, mas a maioria das pessoas que estavam por lá são minhas amigas. Não trabalhava com eles há muito tempo, então nem posso dizer que foi trabalho, foi mais uma diversão. Fiquei dois dias lá em Nova Orleans, me diverti bastante.

E você morre em This Is The End de uma forma bem bizarra…

Sim, foi muito insano. Eu estava coberto de sangue falso. Minha roupa, minha perna, ficaram ensopadas de sangue falso. Foi um pouco desconfortável, mas divertido.

Você esteve no Chile filmando Magic Magic, essa foi sua primeira vez na América do Sul?

Infelizmente eu não consegui ir até o Brasil, mas viajei por todo o Chile. Fui do norte ao sul do país. Eu amei o Chile, espero poder voltar logo, fiz muitos amigos por lá. É um país muito bonito.

Continua após a publicidade
Publicidade