Malévola – Dona do Mal: Elle Fanning conta como foi voltar a viver Aurora

A atriz também contou à CAPRICHO como faz para fugir de ciladas em relação ao amor

Por Gabriela Zocchi - Atualizado em 17 out 2019, 17h10 - Publicado em 17 out 2019, 15h00

Elle Fanning está de volta na pele de Aurora! Malévola: Dona do Mal chega aos cinemas em 17 de outubro e essa é a primeira vez da atriz em uma sequência. Agora, a princesa já é adulta e segue reinando o mundo dos Moors. Ao ser pedida em casamento pelo príncipe Philip (Harris Dickinson), ela é imediatamente acolhida pela sogra, a Rainha Ingrith (Michelle Pfeiffer). Acontece que a atitude deixa Malévola (Angelina Jolie), a madrinha de Aurora, bastante revoltada, o que faz com que ela busque outros aliados para defender seu reino.

A CAPRICHO entrevistou Elle durante uma tarde de divulgação do filme em Los Angeles, e na conversa ela falou sobre a emoção de voltar a interpretar a princesa, a relação que o longa tem com o mundo em que vivemos, e como fazer para não cair em cilada quando o assunto é amor!

CH: O segundo filme da Malévola finalmente aconteceu! Essa é sua primeira vez em uma sequência cinematográfica. Como foi voltar para uma personagem tão querida e reencontrar o elenco?

ELLE FANNING: Pois é, eu nunca tive a chance de reviver uma personagem e foi algo muito especial. Cinco anos se passaram e a Aurora está em um momento diferente em sua vida agora, já é mais velha… Eu mesma cresci muito nesse período entre os dois filmes e vivi novas experiências, por isso estava muito ansiosa para poder voltar e recriar uma Aurora da qual tivesse orgulho de mostrar para as garotas mais jovens. Senti muita responsabilidade.

CH: O quanto da sua experiência pessoal de amadurecimento você colocou nela nesse filme? 

ELLE: Acho que todo mundo tem aquele momento na vida em que começa a adquirir independência e precisa descobrir no que acredita, além de lidar com a influência e poder que existe dentro de si mesmo. A Aurora está passando por esse momento agora e eu me identifico com isso de alguma forma, porque acho que tem a ver com o período em que estou vivendo. Mas ao contrário dela, que quer sair de casa, eu ainda moro com a minha mãe! 

Continua após a publicidade
malevola-dona-do-mal-aurora
Malévola e Aurora em Malévola: Dona do Mal Divulgação/Disney

CH: Esse filme também fala muito sobre amor e tolerância. O que acha que ele representa no mundo em que vivemos hoje?

ELLE: Acho que esse filme representa a força da diversidade. O mundo muitas vezes olha para a palavra “diferente” de uma forma bem negativa. Se a tornássemos positiva, ele seria um lugar tão melhor! Malévola: Dona do Mal é um conto de fadas, mas é bem atual. A forma como a Aurora navega pelos mundos ao seu redor, por exemplo, é algo lindo de ver. E ela é a mais sábia das três mulheres na história, porque ela é humana e vive com os Moors, então entende os dois lados e sabe que são as diferenças que os unem e os fazem mais fortes.

CH: Outra mensagem que esse filme passa é de que em algum momento o amor provavelmente causará dor. Você já teve medo de se machucar ao se apaixonar?

ELLE: Sim. O amor é uma emoção tão forte. É um sentimento poderoso que toma conta da gente completamente. Ele nos faz fazer coisas boas e também ruins de vez em quando. É algo que não dá para controlar. Então o amor pode, sim, ser algo meio assustador, mas outro dia a Angelina [Jolie] disse algo que achei lindo: “o amor verdadeiro nos leva a fazer coisas boas, por isso ele é o que sempre vence”. E eu concordo. Quando sabemos que o amor é verdadeiro, então tudo está seguro. Agora se não é verdadeiro, pode ser perigoso, então pule fora. (risos)

A Rainha Ingrith está ansiosa por receber sua nora, Aurora, na família Jaap Buitendijk/Disney

CH: Você chama a Angelina Jolie de mãe no set e a Michelle Pfeiffer, que é nova nesse filme, tem uma relação forte com sua família por ter trabalhado no primeiro filme de sua irmã, Dakota. Como era ter duas ~mães~ no set enquanto gravava?

ELLE: A Michelle me conheceu quando eu era um bebê, porque I Am Sam – A Força do Amor foi o primeiro filme da minha irmã e eu e minha família a acompanhávamos no set. Michelle deu à Dakota uma festa de aniversário no trailer dela naquela época e foi a primeira atriz que minha família conheceu, então ela teve um papel bem significativo em toda essa nossa jornada pela atuação. Poder completar esse círculo agora foi muito especial. Ela é tão bondosa e brincalhona. E tanto ela quanto a Angelina, que realmente é minha mãe no set, se entregam verdadeiramente ao trabalho, não têm medo de entrar no personagem e brincar com ele, o que para mim é muito inspirador de ver.

 

*A CAPRICHO viajou a Los Angeles a convite da Disney.

Continua após a publicidade
Publicidade