Com nova turnê, Pitty se (re)conecta com a Bahia em show no João Rock

Apresentando sua nova turnê, a cantora foi, de novo, o grande destaque do festival e bateu um papo com a CH nos bastidores!

Por Amanda Oliveira Atualizado em 15 jul 2020, 14h10 - Publicado em 17 jun 2019, 13h28

No último sábado, 15, aconteceu mais uma edição do Festival João Rock, em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. Dessa vez, o evento ganhou um detalhe ainda mais especial: a comemoração de 18 anos do festival, que celebra o rock nacional e outros gêneros musicais todos os anos. Presença confirmada e obrigatória, Pitty, de novo a única mulher do lineup principal, foi mais uma vez o grande destaque da noite, que contou com um público recorde de 65 mil pessoas!

Pitty se apresenta na 18ª edição do Festival João Rock. O figurino da cantora é sempre divino! Denilson Santos/AgNews

Neste ano, a cantora subiu ao palco do festival para apresentar seu novo disco, Matriz (uma palavra carregada de significados), lançado em abril. Cuidadosamente planejada para marcar essa nova fase de Pitty, a apresentação começou com imagens da Bahia, estado em que ela nasceu, ao som de Bicho Solto. Aliás, todo o álbum representa um momento de reconexão da cantora com suas origens. “Matriz surgiu quando eu resolvi botar a turnê na estrada. Eu falei ‘pô, já fiz um monte de turnês de um monte de jeitos. Como é que eu faço para contar uma história diferente agora?‘”, disse à CAPRICHO. Foi quando, segundo a cantora, surgiu a história de Salvador, na qual ela queria mostrar um pouco sobre a gênese das canções.

Pitty ainda revelou que o show da turnê é bastante diferente da apresentação que fez no João Rock, que precisou ser mais corrida por conta do tempo curto. “No show completo, que vai ser o que a gente vai levar para a estrada, que é um show mais longo, tem um momento em que eu chamo as pessoas para o meu quarto, em Salvador. Aí eu mostro a gênese das canções, pego o violão… Acho que é uma onda de investigar como é que uma menina resolveu pegar um violão e se comunicar. É um pouco dessa história e o Matriz tem isso“, contou.

  • Outro detalhe do disco que também marca a produção focada nas origens de Pitty são as parcerias nas músicas. Com exceção de Rael, que aparece em Te Conecta, todas as outras participações são baianas. Lazzo Matumbi participa de Noite Inteira, BaianaSystem cantou Roda com Pitty e Larissa Luz subiu ao palco em Sol Quadrado, canção que encerrou o show. A apresentação no João Rock foi a primeira em que Pitty reuniu todas as parcerias do disco no palco.

    Além dessas canções de Matriz, a cantora também apresentou Ninguém é de Ninguém Motor – destaque especial para essa última música em que Pitty deitou no chão e fez um espetáculo hipnotizante com a câmera, do jeito que só ela sabe fazer. “Saudade é vontade daquilo que já se sabe que gosta”, diz o trecho final.

    Pitty encanta e hipnotiza público no João Rock. De novo. Pra variar. Que mulherão! Denilson Santos/AgNews

    Assim como todos seus shows, Pitty não deixou de lado as músicas antigas e hits que o público sempre espera. Com direito a um coro dos fãs, Admirável Chip Novo, Semana Que Vem, Na Sua Estante, Me Adora, Máscara e Equalize completaram o setlist da apresentação.

    A turnê Matriz estreou também no palco do João Rock, no ano passado, quando o álbum nem havia sido finalizado ainda. Agora, com todo o repertório pronto, Pitty leva o show para a estrada. Você pode conferir todas as músicas do disco em qualquer plataforma digital neste link.

    Continua após a publicidade
    Publicidade