Carla Diaz irá depor em processo que apura discriminação racial contra ela

A atriz afirma que abriram a queixa, que envolve um caso no BBB21, sem o seu consentimento: “racismo reverso não existe”

Por Da Redação Atualizado em 8 abr 2021, 16h44 - Publicado em 8 abr 2021, 16h39

Carla Diaz utilizou suas redes sociais nesta quinta-feira (8) para falar que vai precisar prestar um depoimento na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) sobre um inquérito que investiga se ela foi vítima de racismo reverso no BBB21. A atriz se manifestou, chateada com a situação, já que não foi ela quem abriu a queixa, e reforçou racismo reverso não existe

Em sua fala, Carla começa dizendo que prefere dizer tudo aos seus seguidores, com quem sente mais próxima dos seus seguidores depois que saiu do reality, a fim de evitar fake news. “Essa semana eu fui surpreendida com um policial da Decradi ( Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância)”, relatou. “Eu levei um susto, óbvio, até porque alguém pediu para a delegacia instaurar um inquérito, e eu vou ter que prestar esclarecimento sobre um procedimento de preconceito racial. Sim, como se eu fosse a vítima”. 

“Acho isso tudo um absurdo”, comentou. “Racismo reverso não existe. Gente, por favor, vamos ler, vamos nos informar, a internet tá aqui pra isso. O programa [BBB] debateu isso a semana toda”, disse a atriz, se referindo ao caso envolvendo João e Rodolffo. “Eu to muito chateada com essa situação, ainda mais porque tudo isso começou quando eu ainda estava na casa, usaram meu nome sem meu conhecimento para me colocar nessa situação”, disse.

Segundo o UOL, quem fez a denúncia foi um deputado  estadual do Rio de Janeiro, do PSL (Partido Social Liberal). Ele alega que a atriz sofreu preconceito racial por causa de uma fala de Lumena de que Carla estaria “toda cagada na branquitude”. “Comentário foi pejorativo e ofensivo, generalizando a raça branca”, seria a justificativa do processo. 

Continua após a publicidade

Publicidade