Carla Diaz irá depor em processo que apura discriminação racial contra ela

A atriz afirma que abriram a queixa, que envolve um caso no BBB21, sem o seu consentimento: “racismo reverso não existe”

Por Da Redação Atualizado em 8 abr 2021, 16h44 - Publicado em 8 abr 2021, 16h39

Carla Diaz utilizou suas redes sociais nesta quinta-feira (8) para falar que vai precisar prestar um depoimento na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) sobre um inquérito que investiga se ela foi vítima de racismo reverso no BBB21. A atriz se manifestou, chateada com a situação, já que não foi ela quem abriu a queixa, e reforçou racismo reverso não existe

  • Em sua fala, Carla começa dizendo que prefere dizer tudo aos seus seguidores, com quem sente mais próxima dos seus seguidores depois que saiu do reality, a fim de evitar fake news. “Essa semana eu fui surpreendida com um policial da Decradi ( Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância)”, relatou. “Eu levei um susto, óbvio, até porque alguém pediu para a delegacia instaurar um inquérito, e eu vou ter que prestar esclarecimento sobre um procedimento de preconceito racial. Sim, como se eu fosse a vítima”. 

    “Acho isso tudo um absurdo”, comentou. “Racismo reverso não existe. Gente, por favor, vamos ler, vamos nos informar, a internet tá aqui pra isso. O programa [BBB] debateu isso a semana toda”, disse a atriz, se referindo ao caso envolvendo João e Rodolffo. “Eu to muito chateada com essa situação, ainda mais porque tudo isso começou quando eu ainda estava na casa, usaram meu nome sem meu conhecimento para me colocar nessa situação”, disse.

    Segundo o UOL, quem fez a denúncia foi um deputado  estadual do Rio de Janeiro, do PSL (Partido Social Liberal). Ele alega que a atriz sofreu preconceito racial por causa de uma fala de Lumena de que Carla estaria “toda cagada na branquitude”. “Comentário foi pejorativo e ofensivo, generalizando a raça branca”, seria a justificativa do processo. 

    Continua após a publicidade
    Publicidade