“Amor é a melhor coisa que podemos dar”, avisa Romy do The xx

Banda passou pelo Lollapalooza Brasil e encerrou turnê pela América do Sul neste fim de semana

Por Bruno Dias 2 abr 2017, 16h16
Camila Cara/MRossi/Divulgação

O álbum I See You devolveu o The xx à estrada, caminho que na última semana incluiu o festival Lollapalooza Brasil e mais três países da América do Sul (Colômbia, Chile e Argentina). Mas mais do que isso, o terceiro trabalho de estúdio do trio serviu para reaproximar Jamie xx (produção e beats), Romy Madley Croft (guitarra e vocal) e Oliver Sim (baixo e vocal), após um período em que seguiram caminhos separados, deixando os três amigos de infância com medo dos efeitos colaterais da distância, que foram vencidos pelo amor e a saudade que sentiram uns dos outros.

“Estou feliz pelo álbum não soar tão dark, porque foi um trabalho bem desafiador. Nós meio que começamos a fazer rapidamente algumas músicas, logo após a turnê do Coexist (2012), mas aí o Jamie fez seu álbum solo, se afastou um pouco de mim e do Oliver. Meio que cada um ficou fazendo suas próprias coisas por um tempo”, contou Romy em entrevista exclusiva à CAPRICHO, dois dias após o show do The xx no LollaBR. “Foi difícil pensar que tudo poderia ter mudado porque estávamos separados, mas, foi só passar um tempinho juntos, pra perceber que nada tinha mudado. Nós simplesmente voltamos a fazer música.”

Francesca Allen/Divulgação

Uma coisa de fato mudou quando Romy e Oliver se reuniram para compor as dez canções de I See You. Antes eles praticamente trocavam letras e ideias online, e se desafiaram a criar juntos em estúdio. “É uma coisa muito vulnerável. Você simplesmente sentar ao lado de seu melhor amigo e começar a escrever canções, chega a ser um pouco embaraçoso”, explicou Romy. “Pra esse álbum, eu e o Oliver simplesmente sentamos juntos, falamos sobre nossos sentimentos, o que foi um processo ótimo para a nossa amizade.”

Desde janeiro promovendo I See You, com shows pela Europa, o The xx voltou a ter gosto pelas viagens, com seus integrantes empolgados com a evolução das canções ao vivo e, principalmente, felizes em poder ver e sentir de perto o carinho dos fãs. “Estávamos cansados e tendo que lidar com muitas emoções. Nesse tempo [separados] me cerquei de amigos de outras bandas, fui a vários shows. Foi quando me dei conta de que estava com saudade de tudo isso”, contou a vocalista, que completou: “Ainda estamos decidindo qual é o melhor setlist. Está tudo muito fresco”.

Camila Cara/MRossi/Divulgação

E o reflexo disso foi sentido no Brasil, mais especificamente em Performance, canção do último álbum que Romy executou sozinha no palco do Lollapalooza Brasil, recebendo um abraço caloroso de Oliver no final. “Eu realmente precisava daquele abraço”, divertiu-se Romy ao se lembrar da cena que emocionou muita gente. “Fiquei um pouco nervosa naquele momento, porque se algo desse errado, era apenas eu no palco. O público foi muito querido, foi um momento lindo. Eu estava bem feliz.”

“Tenho olhado as pessoas mais nos olhos agora, porque sempre fui muito tímida. Estou me conectando mais com eles. I See You [‘Eu te vejo’] é também sobre ver os nossos fãs”, revela Romy. Aliás, essa troca de amor no palco e com o público é só o que o The xx quer levar pelo mundo: “Sei que existem muitas coisas ruins acontecendo no mundo, então acho que amor é a melhor coisa que podemos dar”.

Continua após a publicidade
Publicidade