YouTube pode excluir contas “não comercialmente rentáveis” pra plataforma

A empresa garante que "não tem obrigação de hospedar ou veicular conteúdo"; entenda a polêmica!

Por Isabella Otto - Atualizado em 12 nov 2019, 19h03 - Publicado em 12 nov 2019, 13h00

Uma atualização nos termos de uso do YouTube está dando o que falar! Nos últimos dias, usuários da plataforma postaram no Twitter um novo trecho da cláusula que diz que a empresa pode “encerrar seu acesso ou o acesso da sua conta total ou parcialmente, se o YouTube acreditar, a seu exclusivo critério, que a prestação do serviço não é mais comercialmente rentável”.

Reprodução/Reprodução

Isso deixou muitos criadores de conteúdo preocupados com a possibilidade de terem seus perfis cancelados. Afinal, um canal pequeno ou que está no começo não é mesmo rentável para a plataforma… ainda.

Em entrevista ao portal The Verge, representantes do YouTube disseram que a atualização não vai interferir na relação plataforma-usuário. “[O YouTube] não está mudando a maneira como trabalha com os criadores nem seus direitos sobre suas obras ou seu direito de monetizar”, foi informado.

 

Continua após a publicidade

Entretanto, a empresa deixou claro que “não tem obrigação de hospedar ou veicular conteúdo”. Muito disso, porém, está diretamente ligado ao YouTube Kids e à proteção ao usuário, principalmente no quesito de privacidade e cumprimento das leis infantis.

No Twitter, a equipe da empresa disse: “Para esclarecer, essa seção não trata de encerrar uma conta porque não ela está ganhando dinheiro. Trata-se de descontinuar determinados recursos ou partes de um serviço do YouTube, por exemplo, remover perfis desatualizados ou de baixo uso. Isso não afeta criadores ou espectadores de nenhuma forma.”

Reprodução/Reprodução

Bom, YouTubers, parece que o necessário mesmo é manter frequência na plataforma de vídeo, sem “noiar” com quantidade de visualizações ou inscritos, pois não é isso que o YouTube vai levar em conta quando for deletar “contas não rentáveis comercialmente para a empresa”. Qualidade, não tanto quantidade! 😉

Publicidade