Você sabia que a franquia “Pânico” é inspirada em uma história real?

Conheça Danny Rolling, o Estripador de Gainesville, que parece ter inspirado o Ghostface

Por Isabella Otto 26 jan 2022, 15h40

O 5º filme da saga Pânico estreou no Brasil quebrando recordes de faturamento. Na trama, mais uma vez o Ghostface sai matando suas vítimas com facadas e, apesar de parecer só mais um thriller de terror, dizem que o longa foi baseado em fatos.

Foto do serial Killer Danny Rolling. Ele está algemado, com uma roupa vermelha e cercado por policias no tribunal
Danny Rolling no tribunal da Flórida Polícia da Flórida/Divulgação

Nascido em 1954, em Louisiana, nos EUA, Danny Rolling se tornou um dos assassinos em série mais conhecidos do país. Seus crimes eram brutais e, além de estuprar suas vítimas antes de matá-las, em sua maioria mulheres de 18 anos, ele dissecava todos os corpos.

Danny, conhecido popularmente como o Estripador de Gainesville, matou várias estudantes da Universidade da Flórida. Um dos episódios mais marcantes foi quando duas jovens foram violentadas sexualmente e mutiladas no dormitório da faculdade.

Por muito tempo, acreditava-se que o verdadeiro culpado era um tal Edward Humphrey, mas no dia 7 de setembro de 1990, Danny foi preso em Ocala por roubo. Durante as investigações, a polícia encontrou com ele armas e ferramentas que muito se assemelhavam àquelas usadas pelo Estripador de Gainesville. Depois disso, no esconderijo do homem, foram encontrados diários com pistas importantes e até evidências de DNA de uma das vítimas.

Continua após a publicidade

Recorte de um jornal com vítimas do serial killer Danny Rolling
Algumas das jovens vítimas do serial killer Polícia da Flórida/Divulgação

Quatro anos depois, em 1994, o norte-americano confessou ser culpado por todas as mortes: “Eu derramei um oceano de lágrimas, através do qual minha tristeza flutua”, declarou. Ele foi condenado à morte na Flórida e morreu no dia 25 de outubro de 2006, aos 52 anos, com uma injeção letal. Sua comida do corredor da morte foi camarão, lagosta e cheesecake de morango.

 

A mãe do serial killer disse que ele teve uma infância muito sofrida na mão do pai, que abusava dele e de seu irmão. Quando mais velho, Danny acabou reproduzindo alguns dos comportamentos violentos do pai – e indo além. Companheiros de cela disseram que ele tinha o desejo de se tornar uma espécie de Ted Bundy e ficar famoso pelos seus crimes.

Assim como Ted, Danny acabou se relacionando com uma mulher enquanto estava preso, uma escritora policial chamada Sondra London, que mais tarde publicou em livro as assustadoras pinturas que o serial killer fazia na prisão. Eles chegaram a ficar noivos, mas o casamento não ocorreu.

Continua após a publicidade

Publicidade