SOS Sexo: “Qual é a frequência média de relações sexuais de um casal?”

A leitora M.L., de 17 anos, tem essa dúvida e a gente responde com base em vááários estudos. Olha só!

Por Gabriela Junqueira Atualizado em 13 ago 2021, 17h49 - Publicado em 13 ago 2021, 17h50
de um lado, o hidratante, o perfume e a máscara facial hello stars, dispostos lado a lado. De outro, as frases: Cada estrela é única, como você. Conheça a nova linha Hello Stars. Todos os elementos estão em um fundo azul escuro com estrelas que brilham
CAPRICHO/Divulgação

Quando o assunto é sexo, a constância de relações varia de pessoa para pessoa e está ligada a alguns fatores. Mas você já se perguntou se existe uma média de frequência sexual e se estaria dentro dela? A leitora M.L., de 17 anos, sim: “Namoro um garoto há um ano e, desde o começo da relação, a quantidade de vezes que transamos diminuiu. Existe um média de relações que seja considerada ‘boa’?”

A frequência sexual está associada à idade, ao estilo de vida, à saúde, e à relação mantida pelo casal – por isso varia tanto. De acordo com um estudo realizado pelo Instituto Kinsey para Pesquisas em Sexo, Gênero e Reprodução, nos Estados Unidos, jovens entre 18 e 29 anos costumam ter 112 relações sexuais por ano, o que corresponde a três relações por semana.

Casal aparece se abraçando, coberto por um lençol branco
A frequência sexual varia de acordo com uma série de fatores Witthaya Prasongsin/Getty Images

Como a média tem ligação com a idade, quando falamos dos adultos entre 30 e 39 anos, o número semanal cai para 1,6 relações, enquanto entre pessoas de 40 a 49 anos vai para 1,3. Entretanto, as mulheres relatam que suas vidas sexuais melhoraram com o passar dos anos. De acordo com um estudo exibido no Congresso da Sociedade da Menopausa da América do Norte de 2016, isso pode estar associado à questão delas estarem mais seguras de si e se comunicarem com mais clareza sobre o que gostam ou não.

Apesar dos dados, para que o casal seja feliz não existe uma frequência certa ou errada. É importante entender que o sexo não é nem pode ser uma obrigação. Inclusive, segundo uma pesquisa da Universidade Carnegie Mellon, a ideia de ter que transar mais para ser um casal realizado atrapalha o desejo e a satisfação. Um casal não deve se sentir cobrado a aumentar o número de relações ou a mudar algo para satisfazer opiniões de terceiros. 

  • Mais do que quantidade, o que importa é a qualidade – como em muitas coisas na vida, né? E lembre-se de que você só deve fazer sexo quanto estiver com vontade, combinado? Ah! E sempre com responsabilidade, usando camisinha.

    Se tiver alguma outra pergunta para a seção SOS Sexo, envie para capricho@abril.com.br!

    Já segue a CH nas redes sociais?
    INSTAGRAM | TIKTOK | TWITTER | FACEBOOK | YOUTUBE

    Continua após a publicidade
    Publicidade