Quase um ano após crime, PF deve apreender suspeitos do caso Marielle

O intuito é eliminar obstáculos que possam estar interferindo nas investigações.

Por Isabella Otto 21 fev 2019, 12h33

A Polícia Federal divulgou na manhã desta quinta-feira, 21, que está cumprindo mandados em investigação do caso Marielle Franco, que foi assassinada na região central do Rio de Janeiro no dia 14 de março de 2018, junto com Anderson Gomes, motorista do carro em que a vereadora estava. “Cumpre hoje oito mandados de busca e apreensão, expedidos nos autos da investigação que apura possíveis ações que estariam sendo praticadas com o intuito de obstaculizar as investigações dos homicídios”, informa a PF em nota publicada.

Reprodução/Reprodução

Quase um ano após o crime, a medida constitui uma “fase intermediária” das investigações e tem caráter sigiloso. Logo, a Polícia não vai divulgar nenhum dado que possa interferir nas apreensões.

  • O principal intuito agora é eliminar possíveis obstáculos que possam estar atrapalhando a resolução dos assassinatos, “estando a cargo dos órgãos de segurança do Estado do Rio de Janeiro a apuração da autoria, motivação e materialidade de tais eventos criminosos”.

    Quem matou Marielle e Anderson?

    Continua após a publicidade
    Publicidade