Não é impressão! Alguns dias estão passando mesmo mais rápido, diz ciência

Aquela sensação de que o tempo passou voando pode não ser coisa da sua cabeça... Em 2022, por exemplo, tivemos o dia mais curto da História!

Por Bruna Nunes Atualizado em 7 ago 2022, 14h39 - Publicado em 5 ago 2022, 08h32
Foto do relógio de Prague, Central Bohemia, Czech Republi
Buena Vista Images/Getty Images

“Impressão minha ou hoje o dia passou rápido demais?!” Com certeza você já escutou ou disse esta frase nos últimos tempos. E estamos aqui para te fazer uma revelação: não é impressão. O dia pode ter sido realmente mais curto! Isso acontece justamente porque o fenômeno responsável pelo passar dos dias, o movimento de rotação do planeta, anda meio apressadinho. Pois é. A Terra está girando mais depressa. Wow!

Mas não são todos os dias que têm 24 horas?! Tecnicamente, sim. Mas esse não é um número literal. Milissegundos podem diferenciar o tempo que a Terra demora para completar sua volta diária, e eles podem fazer com que o dia dure menos – e não literalmente 24 horas exatas.

29 de junho de 2020, por exemplo, foi um desses dias atípicos, pois eledurou 1,59 milissegundos a menos. A última vez que o ser humano havia passado por uma diária tão curta foi em 1960. Sendo assim, 29 de junho foi o dia mais curto da história!

De acordo com o jornal britânico The Guardian, essa “pressa” do planeta em completar sua volta vem ficando cada vez mais frequente, e vem ligando um alerta nos especialistas. Para se ter uma ideia, em 2020, o recorde quase foi quebrado 28 vezes, segundo o Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia (NIST).

gif planeta terra girando
Gyfcat.com/Reprodução
Continua após a publicidade

Quais são as causas? 

Esses cálculos foram feitos de acordo com o método de cronometragem do tempo de rotação da Terra, realizado pelo Tempo Universal Coordenado (UTC), mas não existem estudos que comprovem o porquê de tudo estar tão acelerado. 

Especialistas, contudo, têm algumas hipóteses: a oscilação no movimento dos pólos geográficos, chamada Oscilação de Chandler; desastres ambientais; aquecimento global; e a teoria de que núcleo fundido do interior do nosso planeta está se movendo. Todas as teorias desencadeadas pelas mudanças climáticas, quem poderia imaginar, não?!

Devemos nos preocupar? 

Algumas pessoas podem achar exagero surtar com míseros milissegundos, mas eles fazem uma baita diferença, viu?

De acordo com a explicação de especialistas da Meta, se o tempo diário continuar diminuindo, talvez seja necessário remover um segundo dos relógios atômicos (que contabilizam as horas exatas do mundo todo). Como as estruturas tecnológicas dependem de cronômetros, esse pode ser um problemão!

No passado, a velocidade de rotação da Terra já havia sido motivo de preocupação, mas o motivo era a lentidão. O IERS (Serviço Internacional de Rotação da Terra e Sistemas de Referência) até chegou a parar os relógios por alguns segundos bissextos para compensar. Isso aconteceu pela última vez em 31 de dezembro de 2016.

Que doideira, não?! :O

Continua após a publicidade

Publicidade