Grávida tenta pular da janela do prédio para escapar do marido agressor

Nas imagens, é possível ver a vítima tentando saltar para se esquivar dos golpes do marido, Vitor Batista; "Briga de marido e mulher", disse o agressor

Por Gabriela Junqueira Atualizado em 15 set 2021, 16h59 - Publicado em 15 set 2021, 16h55

Que horror! Um cena de desespero registrada em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, chocou a internet: uma mulher grávida de três meses tentou pular de uma janela para escapar dos socos e golpes deferidos pelo marido, o soldado e motorista de aplicativo Vitor Batista, de 32 anos. O homem foi preso na última terça-feira, 14, após as agressões serem denunciadas pelos vizinhos. Na delegacia, Vitor disse que era “apenas uma briga de casal”.

Colagem com duas imagens. Na primeira, mulher aparece tentando escapar de agressor através de uma janela. Na segunda, agressor fecha a janela.
Redes sociais/Reprodução

A mulher que aparece nas imagens é Maria José, de 35 anos, que relatou que durante os dois anos de relação, apanhou em grande parte do relacionamento. A vítima contou que não é a primeira vez que um cena como a desta semana acontece. Em maio, movida pelo desespero para fugir da violência, chegou a se jogar da janela do segundo andar. “Ele tinha ciúme e era muito possessivo, não me deixava ir para rua, só para o trabalho. Inclusive perdi meu emprego. No que ele me agredia, eu ficava marcada e não podia trabalhar. Eu inventava desculpas, porque eu ficava dentro de casa”, contou para o G1.

De acordo com a delegada Fernanda Fernandes, da Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam), a vítima havia tentando pedir socorro na segunda-feira, 13, através de um bilhete que atirou pela janela, mas o agressor viu e disse que ia matá-la. “Ela disse que já vinha sofrendo agressões durante a semana, mas que ontem ele teria agredido o filho dela e começou uma discussão. Hoje essa discussão continuou e o autor agrediu ela novamente. Ela tentou se jogar da novamente da janela para fugir dessas agressões“, disse a delegada.

 

  • Assim como muitas outras vítimas, Maria José contou que não tinha coragem e que tinha vergonha de pedir ajuda. “A gente sempre acredita que a pessoa possa vir a mudar, só que o tempo continua a agressão, e a ficha vai caindo”, relata. 

    Para denunciar anonimamente um caso de violência doméstica, ligue 180, Central de Atendimento à Mulher. O canal funciona 24 horas, incluindo finais de semana e feriados. Também é possível denunciar  por e-mail (ligue180@mdh.gov.br) e pelo aplicativo Proteja Brasil.

    Continua após a publicidade
    Publicidade