Homem que agrediu mulher e culpou ‘surto psicótico’ é desmentido por exame

Defesa de Vinícius, que espancou Elaine no primeiro encontro, alega que o homem teria problemas psiquiátricos. Resultado de exame, porém, atesta sanidade.

Por Isabella Otto - 28 fev 2019, 10h41

Vinícius Serra, estudante de Direito de 27 anos, agrediu a paisagista Elaine Caparroz, de 55, por cerca de quatro horas durante o primeiro encontro que teve na casa da mulher. O rapaz alegou que teve um surto psicótico, estimulado pela ingestão de bebida alcoólica. A defesa de Vinicius insistiu que ele teria problemas psicológicos e, por isso, não deveria ser julgado pela tentativa de feminicídio. Afinal, ele estava fora de si. Na última quarta-feira, 27, porém, resultados de exames mostraram que o agressor não apresenta nenhum problema psicológico.

Reprodução/Reprodução

O carioca estava preso preventivamente no Hospital Penal Psiquiátrico Roberto de Medeiros, no Rio de Janeiro. Ele recebeu alta assim que foi comprovado que não apresenta distúrbios psiquiátricos, como alegado anteriormente. Segundo informações enviadas pela Seap (Secretaria de Estado de Administração Penitenciária) ao Jornal Extra, os laudos dos exames atestam “estabilidade e sanidade mental”.

O estudante foi transferido para uma unidade prisional normal onde responderá por tentativa de feminicídio. Além disso, a polícia ainda investiga se Serra já não estaria com o crime premeditado, já que entrou no edifício em que Elaine morava dando um nome falso ao porteiro. “O denunciado não poupou esforços para impingir-lhe demorada sessão de espancamento”, alega o juiz Alexandre Abrahão Dias Teixeira, da 3ª Vara Criminal do Rio.

Elaine foi encontrada desacordada no apartamento por vizinhos. Eles alegam ter ouvido pedidos de socorro da vítima. Testemunhas ainda dizem que o zelador tentou entrar no apartamento antes de o espancamento completar quatro horas, mas foi ameaçado por Vinícius, que deu o nome de Felipe ao porteiro: “entra aqui para você ver o que acontece”, teria dito o criminoso.

Continua após a publicidade
Publicidade