Facebook derruba live de Bolsonaro associando vacina da Covid-19 a Aids

O presidente negacionista compartilhou de novo informações e notícias falsas, desta vez durante uma de suas transmissões semanais nas redes sociais

Por Isabella Otto Atualizado em 25 out 2021, 10h04 - Publicado em 25 out 2021, 10h03

Na noite deste domingo, 24, o Facebook tirou do ar a transmissão ao vivo feita por Jair Bolsonaro na última quinta-feira, 21, em que o presidente aparecia fazendo uma falsa acusação sobre a vacina da Covid-19 e a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, a Aids.

Ilustração de uma mão aplicando uma vacina no vírus da Covid, que, na verdade, é uma caricatura de Jair Bolsonaro
Ilustração de Bolsonaro de Appreciate/Ilustração da mão aplicando a vacina de Malte Mueller/Getty Images

O símbolo máximo de nossa democracia fez a seguinte declaração: “Vacinados [contra a Covid] estão desenvolvendo a síndrome da imunodeficiência adquirida [Aids]”. O Facebook, que também retirou a transmissão do Instagram, justificou dizendo que “nossas políticas não permitem alegações de que as vacinas de Covid-19 matam ou podem causar danos graves às pessoas”.

Não é a primeira vez que Bolsonaro compartilha fake news de forma descarada e irresponsável, mas é a primeira que uma de suas lives semanais são derrubadas pelos companhias de Mark Zuckerberg.

 

Continua após a publicidade

Se alguém ainda tem algum tipo de dúvida, vale frisar que não existe nenhum tipo de associação entre a vacina de combate a Covid e a transmissão do vírus HIV ou o desenvolvimento da Aids. A fala criminosa é somente mais uma das atitudes negacionistas de Bolsonaro, que recentemente garantiu mais uma vez que não se vacinará.

+: Não confie em quem insiste em dizer que a pandemia de coronavírus é fake

Apesar de a pandemia estar relativamente controlada em grande parte dos estados brasileiros, ela ainda não acabou. No Brasil, até o momento, 606 mil pessoas morreram vítimas da doença causada pelo coronavírus. Muitas delas, vítimas do negacionismo – do presidente e de seus “comensais da morte”.

Continua após a publicidade

Publicidade