Enfermeira cria técnica que ajuda a tranquilizar pacientes com Covid-19

A ideia, que surgiu como uma tentativa de melhorar a circulação de um interno para medir sua saturação, ajudou a dar conforto para pacientes

Por Gabriela Junqueira Atualizado em 25 mar 2021, 16h01 - Publicado em 25 mar 2021, 15h33

Em um plantão no ano passado, a enfermeira Lidiane Melo, que estava trabalhando em em um hospital na Ilha do Governador, Zona Norte do Rio de Janeiro, não estava conseguindo medir a saturação de um paciente. Após tentar realizar sem sucesso a medição usando práticas tradicionais, a ideia de envolver a mão do interno em duas luvas com água morna surgiu e a ajudou a conseguir medir a saturação. Mas, a enfermeira percebeu que a “técnica da mãozinha” – como ficou conhecida – também tinha outros benefícios: podia ajudar a acalmar os pacientes que estão sozinhos em leitos de UTI e trazer um pouco conforto em um momento tão difícil. O gesto só ficou conhecido após Lidiane compartilhá-lo em uma publicação nas redes sociais que viralizou.

Enfermeira cria técnica que ajuda a tranquilar pacientes com Covid-19
Lidiane Melo //Facebook

“Mais uma vez, o profissional de saúde fazendo o melhor para a assistência para seu paciente. No SUS aprendemos a fazer o melhor com o que temos! Fiz essa luva com água quente para melhorar a perfusão da minha paciente e ver melhor a saturação, e espero que ela sinta que tem alguém com ela segurando sua mão”, disse a enfermeira.

Ao G1, a enfermeira contou que durante outro plantão, na Coordenação de Emergência Regional do Leblon, usou a técnica novamente. Ao saber que precisaria ser entubada, uma paciente ficou agitada, não deixavam sedá-la por medo e pedia para que não a deixassem morrer.

  • Depois de um conversa, ela pediu para eu segurar a mão dela. Disse que não podia, que tinha outros pacientes para atender, mas que ia fazer uma coisa. Fiz a mãozinha, ela se acalmou, disse que parecia que eu estava segurando a mão dela, e eu disse que não era a minha, que era para ela pensar que era a mão de Deus”, contou. 

    Continua após a publicidade
    Publicidade