Blog da Galera: Vitoria Fiore fala sobre a relação entre moda e autoestima

Paula Neiman, da Galera CH, bateu um papo bem legal com a influencer. Vem ler!

Por Da Redação Atualizado em 23 ago 2019, 13h33 - Publicado em 23 ago 2019, 13h28

Oi, gente! Tudo bem? Aqui é a Paula Neiman. Para a matéria de hoje, eu trouxe uma entrevista incrível que fiz com a Vitória Fiore, a influencer que criou a moda dos delineados coloridos que todo mundo está usando! Conversamos sobre a importância da moda, morar em NYC, como o estilo pode afetar a autoestima e muito mais. Espero que gostem!

Vitoria Fiore. Reprodução/Instagram

Qual a importância da moda na sua vida?
Moda sempre foi algo muito presente no meu dia a dia, desde pequena! Meus pais têm confecção de moda, minha mãe é estilista, então eventualmente eu acabava indo para o trabalho com ela, desenhava minhas próprias roupas. Aos 5 anos, pedi para ela fazer uma camiseta preta com uma caveira em strass porque amava a Avril Lavigne! (risos). Moda vai além de personalidade e identidade pessoal. Moda é política, é história, é arte. Moda consegue incorporar tudo que estamos vivendo! É algo que nos proporciona vestir, tocar, deixar nosso corpo em contato direto com a atualidade e às vezes com o passado e o futuro. Quão louco é isso? Moda é tudo de uma vez só.

Muitas vezes nós, mulheres, temos medo de sermos diferentes, de sairmos do padrão. Já você não se importa de estar diferente. O que te leva a ter esse espírito livre?
Para começar, sou aquariana (risos). Ser diferente está na minha essência! Brincadeiras à parte, eu sempre me interessei por pessoas diferentes, mais ousadas, o básico nunca me atraiu muito. Conforme o tempo foi passando e eu fui amadurecendo, percebi que me privava de me sentir completa, usar o que eu quisesse e quem sabe ser uma dessas pessoas que eu tanto admirava, somente por conta dos outros. E quando eu percebi isso, aos 16 anos, me pareceu uma razão muito pequena, muito banal, para deixar de ser quem eu realmente era e me apresentar para o mundo da maneira que eu realmente queria. Foi na época do Ensino Médio que comecei a me libertar e, no ano seguinte, acabei me mudando para NY, o que inevitavelmente ajudou muito nessa nova fase de descobrimento e liberdade do meu eu!

  • Você inspira muitas pessoas a ousarem nos looks e nas maquiagens, se jogarem nas cores e traços, sem medo. Quem são suas inspirações?
    Minhas inspirações são o Brasil e a natureza! Comecei a investir em cores no primeiro ano da faculdade, durante o inverno que chegou a fazer -24 graus em NY, eu acordava de manhã muito desmotivada a sair de casa por conta do tempo e dos meus arredores, por ver tudo cinza, pessoas com roupas apagadas e as árvores, plantas e flores sem vida. Eu precisava de algo quente, de cores alegres, algo que me fizesse feliz quando acordasse! Eu tive que ser meu próprio refúgio. Os traços começaram porque eu nunca soube e nunca tive interesse em fazer maquiagem profissional, então era uma maneira rápida e fácil de adicionar as cores que eu queria. É o que eu sabia fazer e acabou agradando!

    Você pensava que as suas maquiagens e a sua forma diferente e excêntrica, cheia de cores, fosse incentivar outras pessoas como Bruna Marquezine, Manu Gavassi e outros vários famosos e internautas? Ou sempre foi algo natural sem pretensão de virar tendência?
    Jamais imaginei que mulheres que eu admiro tanto em mil aspectos, como elas, fossem valorizar tanto meu estilo! A primeira vez que conheci a Bruna, ela falou “você é a menina que desenha flores ao redor das suas espinhas?”. Foi assim que a Sasha, uma das pessoas mais doces que já conheci, me apresentou a ela! A Manu, que é minha it girl, musa e inspiração profissional, sempre brinca quando me vê com uma maquiagem diferente e pede para postar no Instagram Stories, dizendo “eu me inspiro, mas eu dou crédito!”. Então, sempre foi algo muito natural e despretensioso, mas acho que antes de qualquer maquiagem ou roupa, nós conquistamos as pessoas por conta da nossa personalidade. O resto é consequência.

    View this post on Instagram

    nem pergunta qq nois tava fazendo pq nem nois sabe qq nois tava fazendo. Mas rimos. E é isso que importa. (né?)

    A post shared by Vitoria Fiore (@notthatcliche) on

    Sair do Brasil te tornou mais livre e sem medo de ser você ou sempre foi assim?
    Eu estava numa “pegada” bem mais livre um ano antes de sair do Brasil, mas seria inocência minha achar que eu seria tão confiante e bem resolvida com o meu estilo e personalidade independente de NY. A Parsons é um universo paralelo de pessoas que se vestem das formas mais malucas que você pode imaginar e elas fazem tudo isso pra elas mesmas. Eu sou extremamente básica perto do que a galera de lá usa e não seria justo dizer que aquele ambiente e as pessoas que me cercavam todos os dias não tiveram um impacto nisso. Eu aprendi e me inspirei muito!

    O que NY mudou em ti?
    A lista é infinita. No quesito personalidade, aprendi a ser muito mais independente e “cara de pau”, entendi que se você não for atrás do que quer e dar a cara a tapa, ninguém vai fazer isso por você. Já  quando se trata de algo mais amplo, NY me mostrou que tem espaço pra todo mundo, que o diferente é positivo e que discordância é algo bom, também me mostrou que julgar um livro pela capa é muito raso e quem acaba perdendo sempre é você mesmo, qualquer pessoa tem algo a nos acrescentar (mesmo quando achamos que não) se julgar melhor que o outro por alguma razão superficial é tolice.

    Quais são seus planos dentro da carreira?
    Eu não sou uma pessoa de muitos planos, sempre me deixei levar e isso me trouxe até aqui. No momento, estou focada em arranjar um emprego dentro da área que me formei (Comunicação de Design) e ir levando o Instagram como sempre, até o momento em que decidir voltar para o Brasil. Quando isso acontecer, vou procurar alguém especializado em mídias sociais para desenvolver de maneira mais profissional e consistente o que eu idealizo para a minha plataforma.

    View this post on Instagram

    🌸🍃VAI TER JARDINZINHO NA CARA SIM e se reclamar faço a floresta inteira🍃🌸

    A post shared by Vitoria Fiore (@notthatcliche) on

    Pensa em ter uma linha de roupas ou maquiagens assinadas por ti? Se sim, o que ela teria de diferente?
    Nunca pensei muito nisso para ser honesta, acabo me virando bem com produtos já existentes e adoro transformar peças de roupa que pego em brechós e dar um significado totalmente novo, acho que essa é a beleza do styling! Mas, caso tenha essa oportunidade, o mais importante da maquiagem pra mim é a versatilidade (um produto que possa ser usado de diversas maneiras) e a pigmentação.

    O que você tem a dizer para as mulheres que gostariam de ser mais ousadas, mas têm medo de sair do padrão?

    Ninguém paga suas contas (risos). Acho que essa é uma frase que sempre me ajuda muito quando me pego pensando na opinião de outras pessoas: “No final do dia, a única pessoa que você deve satisfação é a você mesma”. Por alguma razão, achamos que ao experimentar o diferente, as pessoas irão julgar, e talvez julguem mesmo, mas quem disse que não vai ser pra melhor?! A Jout Jout uma vez fez um vídeo sobre barreiras imaginárias que fala exatamente sobre isso, motivos inexistentes que são criados apenas na nossa cabeça para nos impedir de fazermos o que queremos.

    Continua após a publicidade

    Você, como mulher, apesar de ser desconstruída e ousada, ainda se sente aprisionada por algum padrão? Como lida com esse tipo de pressão?
    Apesar do meu estilo ser diferente e minha personalidade ser forte, eu ainda sou bem dentro dos padrões da sociedade. Porém, tenho percebido muito o aumento de aprovação dos homens quando estou vestida de forma mais “comum” e usando uma maquiagem mais “básica”. Apesar de não ligar muito para isso, ainda é algo que às vezes me pego pensando antes de me arrumar quando vou sair para um date, mas acabo relevando porque isso é grande parte de quem eu sou, então ou a pessoa aceita isso ou não faço nem questão!

    View this post on Instagram

    um pontinho neon de strass, pérolas e coturno em plenos 31 graus: eu mesma ✨ como tá o domingo de vocês manas?

    A post shared by Vitoria Fiore (@notthatcliche) on

    Ser mais você mesma e mostrar no seu exterior quem você é de verdade te ajudou no processo da autoaceitação e autoestima? Ou isso nunca foi um problema?

    Com certeza. Acho que a partir do momento que eu resolvi mostrar meu estilo e personalidade através das roupas e maquiagens, a autoaceitação já estava presente. Já a autoestima é algo que varia muito conforme os dias, apesar de não ter muitos problemas com isso, prefiro a palavra autoconfiança. No começo foi meio desafiador bancar sair de casa usando exatamente o que eu queria, principalmente estando numa fase tão delicada quanto a adolescência, mas uma vez que eu percebi o quão mais ativa, poderosa e confiante eu me sinto, nunca mais consegui agir diferente. Meu estilo é uma questão de honestidade comigo mesma. E a partir do momento que você entende isso, se amar fica muito mais fácil, porque existe uma verdade naquilo, uma genuinidade e um sentimento de leveza que acaba tornando o resto irrelevante.

    Sendo uma digital influencer, o que a mídia digital representa na tua vida? É sempre uma troca boa ou você já pensou em desistir dessa exposição?

    O Instagram sempre foi uma plataforma de troca e crescimento muito gratificante para mim. Não existe nada melhor do que receber mensagens dizendo que inspirei alguém a ser mais ela mesma. Uma vez recebi mensagem de uma menina que tinha sofrido um acidente de carro e já estava há alguns meses no hospital e o que fazia o dia dela mais feliz era me assistir. Confesso que já tive meus momentos de crise mas nunca por foi por conta dos outros. É mais uma questão pessoal e de autocobrança, mas o que recebo em troca é muito melhor, por agora pretendo continuar!

    Já rolou algum momento da tua vida que você nunca imaginou que aconteceria? Alguma artista que você é muito fã se inspirando nas suas makes ou algum momento inesquecível desse tipo?

    O dia em que a Manu Gavassi me disse que eu era a it girl preferida dela e que a referência de makes dela sou eu, meu coração derreteu! O estilo dela, juntamente com a ajuda da Carol Roquete (stylist dela que já tive o prazer de trabalhar), é apenas perfeito e isento de erros! Ela é a diva fashion pop que o mundo precisa conhecer!

    Se você pudesse sair stylist e maquiadora de QUALQUER pessoa no mundo, de quem você seria?
    Essa é uma pergunta difícil, tenho muita facilidade para me vestir e me maquiar, mas não sei se consigo fazer o mesmo com os outros! Se tivesse que escolher uma seria o Ezra Miller. Esse homem é tudo pra mim e segura qualquer look!

    View this post on Instagram

    Retro Chic for @clo.rent | pic by @igorreis styling @johntormes production @giuliabraide

    A post shared by Vitoria Fiore (@notthatcliche) on

    Quem você gostaria que te vestisse e maquiasse por um dia?
    Meu sonho de vida é ter a Patricia Field me vestindo um dia, ela é extremamente talentosa e consegue ser atemporal sem ser básica em qualquer trabalho. É um ícone! Já para maquiagem, sigo uma maquiadora no Instagram que tem um estilo que eu amo, colorida, imperfeita e diferente.

    Qual seu maior sonho?
    Ser reconhecida pelo meu trabalho. Independente do que eu acabar fazendo, que seja para ter um impacto positivo na vida das pessoas, da maneira que for.

    Pretende voltar para o Brasil?
    Pretendo! Amo NY mas o Brasil é meu país, minha paz, é minha casa. Não existem pessoas tão incríveis quanto os brasileiros, não existe cultura tão deliciosa quanto a nossa e português é a língua mais linda do mundo. Não vou aguentar ficar longe de tudo isso por mais tanto tempo!

    Beijos,
    @paula_neiman

    Continua após a publicidade
    Publicidade