9 curiosidades sobre a masturbação feminina

Sabia que ela aumenta a autoestima e previne doenças?

Por Isabella Otto - Atualizado em 27 abr 2020, 15h33 - Publicado em 3 abr 2020, 15h03

É natural que a masturbação seja uma prática ligada diretamente ao sexo masculino. Você pensa no assunto e logo aparece um garoto na sua cabeça. Boom! É tiro e queda. Isso acontece porque o prazer feminino é condenado há séculos em nossa sociedade e continua sendo em algumas regiões do mundo, por mais que os tabus ligados à sexualidade feminina estejam cada vez mais em pauta.

masturbação feminina
b-d-s/Getty Images

Por causa disso, é ainda muito comum que as pessoas reproduzam informações erradas sobre a masturbação, principalmente sobre a feminina. Reunimos uma série de curiosidades a respeito do tema para quebrar alguns mitos e contar algumas coisinhas bastante interessantes sobre a prática.

1. A masturbação pode diminuir os riscos de diabetes tipo 2 
Os pesquisadores Anthony Santella e Chenoa Cooper desenvolveram um estudo em parceria com a Universidade de Sidney e descobriram que a prática regular da masturbação pode diminuir as chances de a mulher desenvolver diabetes tipo 2. Isso porque o ato libera cortisol, hormônio responsável por diminuir os níveis de estresse e ajudar contra a depressão, duas coisas que estão ligadas ao aparecimento desse tipo da doença.

2. Pode diminuir também os riscos de doenças coronárias
Durante a masturbação, há um aumento da frequência sanguínea, respiratória e cardíaca. É, literalmente, como se você tivesse acabado de se exercitar, e esse exercício melhora o sistema imunológico no geral. Um dos grandes favorecidos, contudo, é o coração. Em 2014, no programa Altas Horas, Laura Muller esclareceu que a masturbação não causa infarto e que isso não passa de um mito. Na realidade, aquela sensação de prazer máxima causada pelo orgasmo não é suficiente para causar danos no coração – muito pelo contrário!

3. É uma maneira eficaz de aliviar cólicas menstruais
Agradeça à endorfina, substância química liberada durante o orgasmo, conhecida como “hormônio do bem estar”. Ele ajuda a diminuir o desconforto causado pelas cólicas menstruais e muitas mulheres relatam que sentem que as dores diminuem após a masturbação. A dopamina também é liberada antes do ápice de prazer e ela ajuda a aliviar a tensão, incluindo a muscular.

Continua após a publicidade

4. Mulheres que se masturbam ainda são vistas como pecadoras
Isso acontece porque em muitos locais do mundo o prazer feminino continua sendo visto como algo impuro. As mulheres servem para a reprodução da espécie, enquanto os homens podem se divertir sem serem social e religiosamente julgados e/ou condenados. De acordo com um relatório da ONU, mais de 3 milhões de meninas sofrem mutilação vaginal anualmente no mundo, sendo que o maior número de casos está concentrado na África.

5. O tabu da masturbação feminina, contudo, está sendo deixado de lado aos poucos
O fortalecimento das organizações que trabalham em prol das mulheres e o aumento das discussões sobre assuntos femininos que até ontem eram considerados tabus, como a própria masturbação, ajudam a quebrar antigas crenças e antigos mitos. Em 1953, por exemplo, o sexólogo Alfred Kinsey fez um levantamento e mostrou que 62% das mulheres entrevistadas garantiram se masturbarem. Em 2008, um novo levantamento do tipo foi feito e o número cresceu para 92%. A conclusão é de que as mulheres estão se sentindo mais livres para falar sobre masturbação sem ficarem com medo de serem julgadas e até mesmo condenadas.

masturbação feminina, sex education
Trecho da série Sex Education, da Netflix. Reprodução/Reprodução

6. A masturbação pode ser uma aliada contra a insônia
É verdade. Depois que o corpo atinge o ponto ápice do prazer, ele é tomado por uma sensação muito grande de relaxamento, estimulada por substâncias que já falamos aqui anteriormente. Lembra do cortisol, responsável pela diminuição do estresse? Muita gente vai dormir com a cabeça cheia de problemas, o que muitas vezes causa essa privação do sono. Com o nível de estresse menor e o corpo tomado pela onda de relaxamento, fica mais fácil pegar no soZzZzz.

7. Não é algo sujo, muito pelo contrário
Apesar de algumas pessoas ainda considerarem a masturbação “suja” em diversos aspectos, inclusive no social e religioso, a prática ajuda na limpeza física do organismo. Como assim? Os pesquisadores Anthony Santella e Spring Chenoa Cooper, aqueles que descobriram sobre a diabetes tipo 2, concluíram também que a masturbação feminina ajuda a proteger a mulher de infecções cervicais e urinárias. Durante a excitação, o colo do útero e, consequentemente, o muco cervical, são esticados. Isso permite uma maior circulação dos fluidos, fazendo com que bactérias do mal sejam expelidas.

8. Mulheres ‘chegam lá’ mais facilmente com a masturbação que com a penetração
Um estudo realizado pela USP em 2017 revelou que mais da metade das mulheres sentem dificuldade para chegar ao orgasmo. 59% ainda disseram que sentem certo desconforto na hora da penetração e que isso as atrapalha a sentir prazer. A maioria relatou que o orgasmo só acontece durante a masturbação mesmo.

9. É uma prática que ajuda a elevar a autoestima
Quando a mulher se masturba, ela trabalha não só o corpo, mas a mente. É um momento dela com ela mesma. É quando ela percebe o que a agrada mais, se sente e/ou se olha no espelho, presta atenção no corpo e valoriza aquelas sensações que dão mais prazer a ela.

Continua após a publicidade
Publicidade