13RW: pai de jovem que morreu por suicídio perde processo contra a Netflix

John havia processado o streaming após a filha, Bella, de 15 anos, morrer por suicídio um mês após "13 Reasons Why" estrear na plataforma

Por Isabella Otto 14 jan 2022, 13h47

Em abril de 2017, um mês após a estreia de 13 Reasons Why na Netflix, Bella Herndon, de 15 anos, morreu por suicídio. De acordo com o pai, John, a filha foi influenciada pela história da Hannah Baker. “Vocês estão ganhando dinheiro com a miséria dos outros”, disse na ocasião.

Foto de Hannah Baker, de 13 Reasons Why, sentada numa carteira de sala de aula, com um livro aberto sobre a mesa, com a mão direita no cabelo e olhando para frente com ar curioso
13 Reasons Why/Netflix

Por causa do ocorrido, o norte-americano abriu um processo contra o streaming. A briga judicial começou oficialmente em 2021 e a defesa de John alegou nos documentos que “Bella morreu como resultado de atos de tortura e omissões da Netflix que causaram, ou ao menos contribuíram substancialmente para o suicídio”.

 

Apesar de todos os argumentos usados pelo advogado da família, a juíza Yvonne Gonzalez Rogers decidiu-se, na última terça-feira, 11, a favor da Netflix. Ela disse que o caso é trágico, mas que acredita que ele não iria para frente no tribunal, pautando-se em cima do direito à liberdade de expressão.

Foto de um pai e uma filha dançando na sala de casa
Bella e John dançando na sala de casa Arquivo Pessoal/Reprodução

Agora, John Herndon tem até o dia 18 deste mês para decidir se encontra com recurso ou não. Após algumas polêmicas e problematizações, o streming decidiu colocar alertas de gatilho na 2ª temporada do seriado. Para o pai da Bella, isso não adianta nada.

13 Reasons Why foi encerrada após quatro temporadas.

Continua após a publicidade

Publicidade