11 épicas manifestações femininas no histórico Globo de Ouro 2018

7 de janeiro de 2018: uma data que entrou para a história!

Por Isabella Otto Atualizado em 8 jan 2018, 19h19 - Publicado em 8 jan 2018, 14h18

O Globo de Ouro deste ano foi marcante para a história do cinema, da moda e do movimento feminista. Mulheres se vestiram de preto e foram ao evento protestar contra os inúmeros casos de assédio na indústria cinematográfica no último ano. Na verdade, a atitude foi mais que uma manifestação. Foi um ato de solidariedade a todas as vítimas de abuso sexual e a todas as mulheres. Intitulada Time’s Up, a iniciativa é uma “chamada unificada” que propõe a união de todas as pessoas do sexo feminino contra a discriminação, o assédio e o silêncio das mulheres.

Reprodução/Reprodução

Além dos looks, os discursos e as manifestações femininas durante a edição de 2018 do evento mostraram não só a união das mulheres como também a mudança, que está cada vez mais visível. Confira abaixo alguns dos melhores momentos do Globo de Ouro 2018, que aconteceu no último domingo, 7, em Log Angeles. Guardem essa data, meninas!

  • 1. Oprah Winfrey celebra o novo tempo para nós, mulheres, após ser homenageada com o troféu Cecil B. DeMille, por sua história no cinema. 
    “Por muito tempo, mulheres não foram ouvidas e foram desacreditadas caso elas se atrevessem a falar suas verdades contra o poder dos homens. Mas a hora chegou(…) Cada uma de nós é celebrada pelas histórias que conta. Mas não é uma história que afeta apenas a indústria do entretenimento. Ela transcende cultura, geografia, raça, religião, política e profissões”, falou a atriz e apresentadora, que foi ovacionada pela plateia real e virtual. Teve até gente querendo Oprah Winfrey como futura presidente dos Estados Unidos!

    2. Natalie Portman, com toda a sua elegância, dá o famigerado pisão na indústria cinematográfica ao anunciar os indicados ao prêmio de Melhor Diretor. 
    “Aqui estão os indicados, todos do sexo masculino”, cutucou a atriz, após seu colega de palco, Ron Howard, anunciar o motivo de eles estarem lá. O climão pesou na plateia, mas engraçado que o incômodo foi apenas por parte dos homens. (risos irônicos)

    3. Debra Messing critica chefões do canal E! Entertainment por não pagarem às funcionárias mulheres e mesmo que pagam aos funcionários homens. Detalhe: a transmissão do Globo de Ouro estava sendo feito pelo E!. 
    “Nós queremos que as pessoas tenham essa discussão sobre como as mulheres devem ganhar os mesmos valores financeiros que os homens”, afirmou a atriz, depois de criticar o posicionamento do canal. Recentemente, a Islândia se tornou o primeiro país a tornar ilegal a desigualdade de salários entre homens e mulheres.

    4. Elisabeth Moss salienta a importância de se ter nomes femininos também atrás das câmeras.
    “Nós queremos contar histórias que reflitam nossas vidas. Muitas e muitas mulheres assistem à televisão, muitas e muitas mulheres vão ao cinema. Às vezes, mais do que homens. Então, nós queremos ver essas histórias. Nós queremos ver nós mesmas”, garantiu a atriz de The Handmaid’s Tale, que ainda homenageou suas colegas de elenco, na frente e atrás das câmeras.

    5. Greta Gerwig agradece mulheres pelo suporte.
    “Tem sido um ano incrível para as mulheres nos filmes, como atrizes, diretoras, roteiristas, produtoras e mulheres que estão lá contando suas histórias para o mundo. E eu acho que a resposta e o apoio dado a esses projetos vão tornar as coisas muito mais fáceis para as meninas que estão chegando”, disse a diretora, que acredita que, no futuro, não existirá mais desigualdade na indústria cinematográfica entre moças e rapazes.

    6. Reese Witherspoon reconhece seus privilégios como mulher branca, loira, de olho claro e famosa.
    Se a indústria cinematográfica já é difícil para as mulheres brancas, para as mulheres negras é ainda pior! Além de lutarem contra o machismo, elas precisam também lutar contra o racismo ainda impregnado em nossa sociedade. Reese, ao reconhecer seus privilégios, abriu o olhos de milhares de mulheres que acompanharam seu discurso e passaram a se questionar sobre o assunto. “Nós estamos mais unidas na indústria cinematográfica que nunca! Homens e mulheres determinados a mudar nossa indústria mas também a iluminar outras, porque nós temos muita atenção. Nós somos privilegiados”, afirmou.

    7. Nicole Kidman divide prêmio com colegas de elenco ao receber troféu de Melhor Atriz de seriado/produção para TV.
    Nem todas as mulheres gostam da palavra sororidade, que significa que nós, mulheres, devemos nos reconhecer como irmãs e nos apoiar acima de qualquer coisa. Afinal, até as mulheres machistas devem ser apoiadas? Questionamentos à parte, Nicole colocou em prática a sororidade ao reconhecer que, se não fosse pelas suas colegas de elenco de The Big Little Lies, ela não teria chegado tão longe. “Quando eu digo nós, eu falo da Reese Witherspoon, da Laura Dern, da Shailene Woodley e da Zoë Kravitz. Nós compartilhamos o projeto, nós nos ajudamos e esse prêmio é para ser dividido. É o poder feminino!”, celebrou.

    8. Meryl Streep permanece de mãos dadas com Ai-Jen Poo durante entrevista.
    A premiada atriz hollywoodiana levou a ativista e diretora do programa National Domestic Workers Alliance, que luta contra a violência doméstica, ao Globo de Ouro e ficou de mãos dadas com ela durante a entrevista que deu ao E!. Essa atitude pode parecer pequena, mas mostra o suporte de Meryl à mulher e à causa que ela lidera. De mãos dadas, juntas, mais unidas que nunca. Um pequeno gesto para a indústria cinematográfica, um grande passo para a humanidade.

    9. Sadie Sink “esnoba” Gaten Matarazzo e Caleb McLaughlin.
    A brincadeira da atriz e de seus colegas de Stranger Things é bastante significativa. Ao ficar no meio de dois garotos, espera-se que Sadie escolha entre um deles – porque é assim que a sociedade acha que deve acontecer. Contudo, a ruiva deixa os garotos de lado e sai do elevador sozinha. Entre dois meninos, Sadie escolheu ela mesma. Que tal se inspirar mais na atitude da atriz?

    10. Emma Stone usa maquiagem em homenagem às sufragistas. 
    As primeiras mulheres ativistas, que saíram às ruas para lutar a favor do voto feminino, no Reino Unido, no século XIX, ficaram conhecidas como sufragistas. Verde, branco e roxo foram as cores usadas pelas feministas no movimento, que se tornaram bastante representativas. Foi pensando nessas mulheres e em tudo o que elas representam que Emma investiu no batom roxo, na sombra verde e no iluminador branco. A escolha, de acordo com seu maquiador, foi proposital.

    11. Emma Watson dá voz às mulheres negras – e à sua acompanhante.
    A atriz, assim como Meryl Streep e outras convidadas, levou uma acompanhante ao Globo de Ouro. Marai Larasi foi a escolhida para dar voz às mulheres negras que ainda são pouco representadas na indústria cinematográfica e nos tapetes vermelhos. Ativista e diretora da Imkaan, uma organização britânica que luta a favor das garotas negras, Marai deu o seu recado durante entrevista ao E! e não foi silenciada por Emma, uma mulher branca que não tem lugar de fala na causa. Maravilhosas com “M” maiúsculo, de mulher!

     

     

    Promoção CAPRICHO Volta às Aulas 2018
    Divulgação/CAPRICHO
    Continua após a publicidade
    Publicidade