Tire suas dúvidas sobre enxaqueca e saiba como lidar com ela

Não é fácil, mas é possível conviver com esse tipo supercomum (e chato) de dor de cabeça

Por Da Redação - 4 abr 2018, 13h20

Aguentar aquela dorzinha de cabeça chata é um saco, né? Ainda mais quando se trata de enxaqueca! A seguir, a CH responde várias dúvidas sobre o tema e te dá as melhores dicas para lidar com a situação!

Será que é o meu caso?
Vai parecer exagero, mas existem 200 tipos de dor de cabeça. E a enxaqueca é apenas um deles: uma dorzinha latejante e concentrada num ponto específico. Enjoo e vômito também são comuns e tudo piora com barulho, claridade e cheiros fortes. A enxaqueca é genética e nós somos mais afetadas do que os garotos. Ah, é bem normal ela aparecer na adolescência. Mudanças hormonais, sabe como é… Nesta quarta-feira (4/4), por exemplo, Maisa Silva contou no Twitter que estava sofrendo com o problema.

Continua após a publicidade

Enxaqueca não é tudo igual
Existem dois tipos de enxaqueca: a pura, que não é indício de problema, e a com aura, mais rara e capaz de elevar as chances de um AVC (acidente vascular cerebral). Pessoas desse segundo grupo costumam ver pontinhos pretos ou brilhantes quando a dor está chegando – mas só um especialista pode identificar uma ou outra.

Ela tem cura?
Não, porém é controlável. Analgésicos receitados pelos médicos amenizam a dorzinha que dá de vez em quando (mas abusar deles deixa o corpo dependente, o que pode aumentar a frequência das dores). Quando elas vêm sempre, há tratamentos preventivos, que diminuem a sensibilidade do cérebro aos fatores que causam enxaqueca.

É possível monitorar a dor
Faça um diário com o que você come, que horas dorme, que horas acorda, quanto tempo fica em frente ao computador, da TV, dos cadernos e do celular. Anote também as dores de cabeça. Após dois meses, tente detectar hábitos comuns nos dias em que o problema apareceu. Assim dá para descobrir o que desencadeia sua enxaqueca. Pode ser a ingestão de certos alimentos, como chocolate e frituras, ou situações específicas, tipo estresse e noites mal dormidas.

Prevenir é o melhor remédio
Para começar, o diário aí de cima vai dizer com que alimentos você deve pegar leve. Se seu problema é o nervosismo com as provas, arranje tempo para relaxar. Que tal um passeio? Atividades físicas também são bem importantes, já que estimulam o corpo a liberar endorfina, um analgésico natural. Caso a dor persista, procure um neurologista.

Enxaqueca no período pré-menstrual é normal?
Bastante, por causa das variações hormonais. Para evitar as crises, não há receita pronta, mas é bom redobrar o cuidado com a alimentação nesta época e não deixar de praticar exercícios físicos. Vale o esforço mensal para não sofrer com o problema, né?

Como é com você? Rolam muitas dores de cabeça?

Continua após a publicidade
Publicidade