Marca de absorventes dá voz para pessoas trans que menstruam em campanha

A empresa britânica Callaly quer mudar a narrativa em torno da menstruação e incluir no diálogo todos que passam por esse processo

Por Da Redação Atualizado em 14 jul 2020, 21h14 - Publicado em 14 jul 2020, 17h52

Não são apenas mulheres cis que menstruam. Pessoas trans, não-binárias e intersexuais também passam por esse processo, mas não são incluídas no debate em torno da menstruação. Pensando em mudar esse cenário e educar a indústria e a população, a marca britânica de absorventes orgânicos Callaly lançou uma campanha questionando esse padrão e pedindo que o mercado volte os seus olhos para todos os indivíduos que vivem esse ciclo.

Marca de absorventes Callaly lança campanha sobre inclusão de pessoas trans, não-binárias e intersexuais no diálogo sobre menstruação @callaly/Reprodução

Com a hashtag #TheWholeBloodyTrue (algo como “Toda a verdade sangrenta”, em português), a marca divulgou uma pesquisa que mostra que 66% das pessoas não se sentem representadas com as imagens sobre o período menstrual que são exibidas na mídia ou em propagandas. E para combater essa falta de identificação, a empresa decidiu contar a história de 13 pessoas que menstruam, incluindo homens, pessoas não-binárias, intersexuais e trans.

“Um dos nossos primeiros clientes era um homem. Como marca, é a nossa responsabilidade promover essa mensagem com seriedade”, disse Kate Huang, CMO da Callaly para a revista Forbes. “Nós queremos que todas as pessoas que menstruam se sintam vistas, ouvidas e representadas. E vamos continuar inovando com produtos que funcionam para todas elas.”

View this post on Instagram

It’s time to tell #TheWholeBloodyTruth about periods. For too long, the media and the period-care industry have created an unrealistic portrait of people who menstruate; one in which thin cis women wearing impossibly white skirts leap about on golden sand while laughing at their own jokes. But for many people, periods are no joke. In the wake of JK Rowling’s comments about the term “people who menstruate”, we decided it was time to take action. We commissioned research that showed 66% of people didn’t feel they were represented in the media when it came to periods. And we decided it was time to pass the mic to some of these people. We’ve asked some of our favourite writers and creators to share #TheWholeBloodyTruth about their periods and we’ll be reposting their stories on our feed in the coming weeks. We hope that some of these accounts feel more relatable to you than the images you’re used to seeing in the ad breaks. Please do join in the movement by sharing your own story, tagging @mycallaly so we can help get every single period experience seen and heard. And by the way, we’re not stopping at storytelling. We’re also pledging to make specific changes to how we do things at Callaly, and we’re calling on the whole period-care industry to follow us into a more inclusive, representative future. You can read our commitments at the link in our bio.

A post shared by Callaly (@mycallaly) on

A Callaly também revelou que, após comentários transfóbicos recentes feitos por J.K Rowling, autora de Harry Potter, eles decidiram agir para mudar a narrativa criada em torno da menstruação, de que apenas mulheres cis, com roupas extremamente brancas e se divertindo muito (essa imagem te parece familiar, lembra alguma propaganda de absorventes que você já viu por aí?) menstruam.

Continua após a publicidade

Ainda de acordo com a pesquisa feita pela empresa, que contou com mais de dois mil participantes do Reino Unido, 55% das pessoas acham que a o retrato que a mídia faz da menstruação é “muito glamorizado”, e apenas 40% delas entendem que a frase “pessoas que menstruam” pode se referir a transgêneros e não-binários, e não apenas a mulheres cis.

  • O autor trans Vic Jouvert foi uma das pessoas que estrelaram a campanha e dividiram sua história com o público. Ele falou mais sobre como nunca se sentiu confortável com a menstruação: “Sempre me disseram que eu era uma garota. Então menstruar era apenas uma evidência física de que a minha biologia não se encaixava com quem eu realmente era.”

    View this post on Instagram

    I'm Vic and I've started this page to share a more personal insight into my transition. . I've been on testosterone for 2 months now and I actually have to shave or I grow a sad looking layer of fluff. I used to shave before I started T as well to fight off the disphoria but it feels great to actually have something to shave off! . . . . #trans #transgender #whatsinaman #shave #disphoria #transmasculine #lgbt #queer #ftm #testosterone #gay #transition #transexual #transman #transrightsarehumanrights #transrights #london #quarantine #writer

    A post shared by Vic (@whatsinaman) on

    O escritor também revelou que as campanhas de absorvente sempre o fizeram se sentir invisível e reforçavam a vergonha que ele sentia em torno da menstruação. “Representação é muito importante, e ela pode mudar completamente como você se sente sobre uma experiência. Ver alguém que é masculino e que menstrua ajuda outras pessoas a saberem que suas experiências menstruais também são válidas”, comentou.

    “Tudo bem se você nunca tinha ouvido o termo ‘pessoas que menstruam’ antes. Porém, agora que você aprendeu sobre ele, saiba, por favor, o poder que as palavras podem ter, e fique atento para ser mais inclusivo no futuro”, finalizou Kate.

    Atitude extremamente importante, não é mesmo?

    Continua após a publicidade
    Publicidade