Preso por estupro, homem também é suspeito de matar filha de 13 anos

Caso aconteceu nesta semana, em São Roque, SP.

Por Amanda Oliveira - Atualizado em 4 out 2018, 15h10 - Publicado em 4 out 2018, 15h08

Nesta terça-feira, 2, Horácio Nazareno Lucas saiu da prisão em São Roque, São Paulo, para responder em liberdade. Ele estava preso desde julho por ter estuprado a cunhada, que tem transtornos mentais, em 2010. Mas, enquanto Horário estava na cadeira, a família descobriu que o homem também havia estuprado a filha de 13 anos, Letícia, e registrou um boletim de ocorrência com a denúncia.

Ao ser solto, Horário foi para casa com o objetivo de convencer a filha a retirar a denúncia e dizer que nada havia acontecido. Quando Letícia se recusou a mentir, ele matou a menina a facadas.

Reprodução/Reprodução

Tamires Tanzi, mãe de Letícia, disse em entrevista à TV TEM que Horácio arrombou a porta de casa na madrugada da quarta-feira, mas não aparentava ser capaz de matar a filha. “Ele estava calmo, conversando. Até pediu desculpa para a filha dele. Eles se abraçaram e até choraram juntos”, contou. Entretanto, quando a menina se recusou a mentir sobre o abuso, o homem se irritou. “Ele queria que ela mentisse, que ela falasse que ele não tinha feito nada com ela. Nisso, ele foi ficando nervoso“, afirmou.

Horácio havia recebido sentença de oito anos de prisão, mas o advogado de defesa argumentou que ele poderia responder pelo crime em liberdade já que o estupro havia acontecido há muitos anos.

Continua após a publicidade

De acordo com a polícia, Horácio teria iniciado uma discussão com a esposa sobre o boletim de ocorrência e a agrediu algumas vezes, mas Tamires conseguiu escapar e foi pedir ajuda para uma vizinha. O homem, então, teria trancado o filho mais novo em um quarto e ido até a sala da casa para esfaquear Letícia. A menina chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos. Horácio segue foragido.

Mais um caso que mostra que vítimas de abuso e assédio não podem confiar na Justiça. Até quando?

 

Publicidade