Índia tem queda de poluição e Himalaia fica visível pela 1ª vez em décadas

Desde que o governo indiano decretou estado de quarentena, morados do norte do país voltaram a ver a cadeia montanhosa, antes encoberta pela poluição

Por Isabella Otto - Atualizado em 15 abr 2020, 14h17 - Publicado em 15 abr 2020, 10h48
perfume ch o boticario fragrancia capricho mood
CAPRICHO/Divulgação

O continente asiático tem o ar mais poluído do mundo, segundo levantamentos da OMS (Organização Mundial da Saúde). A Índia é um dos países mais afetados, sendo que a capital, Nova Delhi, é a mais poluída da Terra. Segundo cientistas do Fórum de Ciências de Nova Delhi, passar um dia na metrópole equivale a fumar 50 cigarros. A atividade industrial e o grande número de automóveis são os principais causadores dessa toxidade.

Vista de parte do Himalaia Barcroft Media/Getty Images

Por causa da pandemia de coronavírus, a Índia foi obrigada, assim como tantos outros países, a desacelerar e praticar o distanciamento social para conter a transmissão do vírus, que poderia originar um cenário catastrófico no país, que tem uma enorme população e um sistema de saúde precário. No dia 24 de março, o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, decretou que toda a Índia (estamos falando de 1,3 bilhão de pessoas) ficasse em casa por, no mínimo, três semanas. A queda da atividade industrial e do tráfego nas ruas já surtiu efeito: a poluição atmosférica diminuiu a ponto de algumas pessoas estarem conseguindo enxergar o Himalaia de lugares que, há décadas, não era possível.

 

Os relatos vieram de moradores do norte da Índia. “Eles podem ver o que não era visto há 30 anos”, disse o usuário do Twitter @Rajesh18Gandhi. Confira abaixo:

Continua após a publicidade

As expedições ao Monte Everest, que faz parte da cadeira montanhosa do Himalaia, acontecem em abril e maio e também foram interrompidas por causa da COVID-19. No ano passado, um total de 11 toneladas de lixo foram recolhidas do monte, um dos mais turísticos do mundo. Embalagens de plástico foram alguns dos descartes mais encontrados. Ativistas já chamam o monte de “lixão a céu aberto”. Com a pausa temporária das expedições, é possível dizer que a quantidade de lixo, neste ano, vai diminuir consideravelmente – assim como o nível de poluição, não só atmosférica, do globo terrestre.

Se não aprendermos nada com tudo isso… Bem, aí talvez seja mesmo o fim da linha.

Publicidade