ET, é você? Objeto desconhecido está enviando sinais de rádio para a Terra

As transmissões misteriosas vêm de uma galáxia a 500 milhões anos luz do nosso planeta!

Por Gabriela Junqueira - 24 fev 2020, 10h03

Um time de astrônomos realizou um estudo entre 2018 e 2019, utilizando o radiotelescópio Canadian Hydrogen Intensity Mapping Experiment (CHIME), que detectou uma descoberta que surpreendeu o meio científico! A pesquisa, realizada no Canadá, encontrou, pela primeira vez na história, rajadas de rádio rápidas que se repetem em um intervalo regular de tempo.

Até hoje, em torno de 100 transmissões dessas rajadas foram identificadas, mas essa é a primeira vez que constata-se que o sinal possui um ciclo. As rajadas rápidas de rádio, ou FRBs, estão entre os maiores mistérios da humanidade. Por conta da curta duração delas, algo como milissegundos, apenas cinco de 100 foram localizadas.

Entre esses sinais, está o FRB 180916.J0158+65, nomeação dada à transmissão de rádio que vem deixando o meio científico intrigado. Essa transmissão está causando tal reação por ser a primeira a respeitar uma periodicidade: um ciclo exato de 16,35 dias. Durante quatro dias, sinais chegam de uma em uma hora, depois, por 12 dias somem e voltam a ser transmitidos.

Continua após a publicidade

Apesar de ainda não saberem o que ou quem está enviando esses sinais, os cientistas têm uma ideia da origem deles. As transmissões de rádio vêm de uma galáxia espiral localizada há 500 milhões de anos luz da Terra! Embora a distância seja surpreendente, é a menor de uma FRB identificada até o momento

Mesmo que a razão pela qual essas ondas estejam sendo transmitidas ainda não seja concreta, existem algumas possibilidades, como um corpo celeste orbitando ao redor de uma estrela ou astro, ventos estelares que estão afetando os sinais de um terceiro corpo de um sistema binário, um corpo celeste em transformação ou até mesmo um buraco negro.

Infelizmente, os cientistas descartam a possibilidade de seres extraterrestres estarem fazendo contato com nós, seres humanos. Mas, ei, nem a ciência é exata sempre, né? (risos nervosos de incredulidade)

Publicidade