Yara Charry, a Sophie de Velho Chico, conta sobre vida no Rio

Em um bate-papo para a CAPRICHO, atriz comenta sobre a sua vida amorosa, a amizade com Gabriel Leone, a carreira e até sua participação nas redes sociais.

Por Márcio Gomes Atualizado em 6 jan 2021, 14h11 - Publicado em 13 set 2016, 18h54
Yara Charry, a Sophie de Velho Chico, em um bate-papo exclusivo
Reprodução

Cada vez mais carioca, a francesa Yara Charry, a Sophie de Velho Chico, ainda carrega um pouquinho do sotaque francês. “Estou aprendendo mais e tentando aperfeiçoar o meu português”, relata. Desde que chegou ao Rio de Janeiro, ela conta que ama muuuito as belezas e o calor humano da cidade maravilhosa. Aliás, uma de suas atividades favoritas é caminhar pelo calçadão de Copacabana (E quem aqui não ama, né?). Agora, na novela, Yara tem o papel de levantar bandeira contra o racismo. “As pessoas que assistem à novela têm que saber que ainda existe preconceito racial sim, e que não podemos deixar isso continuar acontecendo”. Em um bate-papo exclusivo para a CAPRICHO, Yara Charry comenta sobre a sua vida amorosa, a amizade com Gabriel Leone, a carreira e até sua participação nas redes sociais. Confira:

Em “Velho Chico”, sua primeira novela no Brasil, você já protagonizou cenas quentes com Gabriel Leone, como a do beijo. Ficou à vontade na hora de gravar?

Não foi difícil, mas fiquei tímida por ser a minha primeira vez gravando uma cena dessa intensidade. Porém, com a ajuda da direção e do elenco, eu consegui fazer o meu trabalho e deu tudo certo.

Gabriel Leone é um dos galãs da TV. Vocês são amigos fora de cena?

É ótimo poder contracenar com o Gabriel. Ele é um grande ator, amigo e parceiro de cena.

Já passou a ser reconhecida nas ruas?

Sim, já fui reconhecida algumas vezes. Fico muito feliz, é sinal de que estou conquistando o meu lugar.

Como é ter essa abordagem fora do seu país, ouvir as pessoas chamarem seu nome?

É uma sensação estranha, porém, boa (risos). Como nunca morei no Brasil, estar aqui e ver as pessoas falando o meu nome na rua, pedindo para tirar uma foto comigo, é uma sensação nova e diferente. Eu sempre tento ser muito gentil e agradecer a essas pessoas que me assistem na TV. Não tenho problema nenhum em tirar fotos.

Como é estrear na TV em uma trama do horário nobre?

Uma experiência única, um aprendizado diário. Não poderia ter estreado melhor. Está sendo muito bom dar vida à Sophie. Nós temos algumas semelhanças, como o fato de sermos francesas e gostarmos de moda. Mas acho que as semelhanças param por aí (risos).

Em “Velho Chico” Sophie sofre o preconceito. Você já passou por uma situação parecida?

Não, mas me considero uma exceção diante dos casos que vemos diariamente. É muito triste saber que existem pessoas que tipificam as outras pela cor de pele, país de origem e por aí vai… Toda forma de preconceito precisa ser combatida. E uma forma de combate é a denúncia. Fico feliz em ver pessoas se unindo e denunciando esses crimes. Não podemos ficar calados.

E como é trazer à TV, através da personagem, o tema racismo?

Acho muito bom porque temos que lutar contra o racismo. As pessoas que assistem à novela têm que saber que ainda existe preconceito racial sim, e que não podemos deixar isso continuar acontecendo. Sinto que a denúncia de temas importantes faz parte do trabalho do ator. Por isso estou muito satisfeita com o meu papel.

Yara Charry na novela Velho Chico
Yara está arrasando na novela! (Reprodução: Globo Imprensa)

Sempre sonhou em fazer uma novela no Brasil?

Sempre soube que faria algo ligado em artes. Gosto de música, de moda, de dança, entre outras formas de expressão. Sinto que atuar foi uma consequência natural desse meu desejo. Posso dizer que estou realizada, mas ainda existe muita coisa para conquistar.

Como faz para superar a barreira do idioma? Já consegue dominar bem a língua portuguesa ou sente dificuldade com algumas palavras?

Como minha mãe é brasileira, eu já falava português em casa. Algumas palavras ou expressões eu ainda não compreendo muito bem. E tenho dificuldades com o plural, que no francês não existe. Mas a cada dia estou aprendendo mais e tentando aperfeiçoar o meu português.

Continua após a publicidade

Foi difícil a decisão de largar o curso de marketing, em Paris, para se dedicar à Sophie, de Velho Chico?

Não sei se difícil é a palavra… Mas foi uma escolha, como várias que precisamos fazer na vida. Hoje eu posso dizer, de forma segura, que foi uma decisão acertada.

O que pesou nessa decisão?

Ter a oportunidade de aprender coisas novas e morar no Brasil.

Como é trocar Paris pelo Rio de Janeiro?

Paris e o Rio são muito diferentes, mas eu gosto do Rio de Janeiro, sempre gostei, então, eu já estava um pouco acostumada aqui. E poder ficar mais tempo tem sido encantador.

O que mais te encanta na Cidade Maravilhosa?

O calor humano e as praias.

Yara Charry em entrevista exclusiva
(Reprodução)

O estilo de vida do carioca é bem diferente, se comparado ao francês…

A diferença é que aqui é um país tropical. As comidas não são as mesmas e o modo de vida também não. O carioca costuma ser mais relaxado, isso no bom sentido da palavra. As coisas aqui acontecem muito no improviso e de forma informal. Isso tem sido maravilhoso.

Você mora em Copacabana. Que programas são imperdíveis no bairro?

Praia, suco em uma lanchonete na esquina da minha casa, restaurante japonês, caminhar no calçadão e café da manhã na confeitaria Colombo, no Forte de Copacabana.

Você é ligada em moda. Gosta de criar looks despojados, autênticos, com a sua cara?

Sim! Sou muito envolvida com moda! Amo fazer combinações para usar. E não tenho um estilo específico. Adoro coisas diferentes E também tenho um lado mais chique. Sou um pouco hypster. A peça que sempre tenho é calça jeans.

É ligada em redes sociais? Qual gosta de usar e o que curte postar?

Eu gosto de usar Instagram e Snapchat. E acho que são bons canais para falar com o público.

Está namorando? Se não, existe a possibilidade de encontrar um namorado brasileiro que a faça morar de vez por aqui?

Não estou… Mas não acho que o motivo que me fará ficar aqui de vez será um namorado, não.

Continua após a publicidade

Publicidade