Scooter Braun elogia álbum de Taylor Swift, mas manda shade ao mesmo tempo

Muitos fãs não gostaram da atitude do empresário e o criticaram nas redes sociais

Por Gabriela Zocchi 23 ago 2019, 13h59

Tem gente que gosta de perder a chance de ficar calado, né? E, nesta sexta-feira (23), esse alguém foi Scooter Braun. O empresário, que no mês passado se viu em uma grande polêmica com Taylor Swift, depois que ele comprou a antiga gravadora da cantora e o direito de suas músicas, decidiu parabenizá-la pelo novo álbum, Lover, lançado hoje.

“Independente do que foi dito, a verdade é que você não faz grandes apostas a não ser que acredite nelas, e você sempre acreditou. Brilhante álbum com Lover. Parabéns, Taylor Swift. Apoio sempre foi a opção mais saudável”, escreveu ele no Twitter.

Acontece que os fãs da cantora interpretaram a mensagem de Scooter como um ato bem de falsiane, até porque a última frase do recado parece um shade à cantora, já que na época da polêmica, ela escreveu uma carta de desabafo e a terminou com “para uma opção mais saudável, Lover será lançado no dia 23 de agosto”. Eita!

“Devolva as gravações originais para ela então se a apoia tanto. Essa é a opção mais saudável”, escreveu uma swiftie em resposta.

Continua após a publicidade

“Pare de tentar fazer com que os momentos dela incluam você. Só porque você comprou os negócios dela, não significa que precise falar sobre o lançamento do álbum, já que nunca falou sobre nenhum outro antes. Sua misoginia está bem aparente aqui”, criticou  outra. PÁ!

Entenda o caso

No começo de julho, Taylor Swift postou um desabafo em seu Tumblr dizendo estar “triste e enojada” com o fato de que a antiga gravadora da qual ela fazia parte, a Big Machine Records, havia sido comprada pelo empresário Scooter Braun. “Tudo o que eu conseguia pensar era o bullying incessante e manipulador que recebi das mãos dele ao longo dos anos, como na vez em que Kim Kardashian orquestrou e gravou ilegalmente o trecho de uma ligação de telefone para ser vazada, e depois Scooter juntou seus clientes para fazer bullying comigo online. Ou quando o cliente dele Kanye West organizou um videoclipe de ‘revenge porn’ que deixou meu corpo nu. Agora, Scooter tirou de mim o trabalho da minha vida inteira, o qual eu não recebi a oportunidade de comprar. Essencialmente, o meu legado musical está prestes a cair nas mãos de alguém que tentou destruí-lo”, escreveu ela.

Muitos famosos acabaram ficando ao lado de Taylor, embora artistas como Justin e Demi, que são agenciados por Scooter, o tenham defendido nas redes sociais.

Mais tarde, Scott Borchetta, o então dono da Big Machine Records, publicou um texto no qual dizia que havia avisado Taylor sobre a venda da gravadora um dia antes da notícia chegar à mídia e ainda afirmou que ela tinha, sim, a oportunidade de ser dona de seu catálogo musical, caso renovasse o contrato com eles, informação que o advogado da cantora negou.

Continua após a publicidade

Publicidade