Round 6: motivos para assistir a nova série sul-coreana da Netflix

Com desafios mortais e muita reviravolta, saiba por que a obra já se tornou um fenômeno de audiência

Por Gustavo Balducci Atualizado em 13 out 2021, 12h32 - Publicado em 25 set 2021, 10h01

Você toparia participar de um jogo de sobrevivência misterioso (e muito mortal) para ganhar 45,6 bilhões de wons? Tem gente que sim! Essa é a premissa de Round 6, a nova série sul-coreana da Netflix.

Misturando drama, aventura e suspense, o projeto criado pelo diretor Dong-hyuk Hwang está fazendo sucesso na plataforma de streaming desde a sua estreia no dia 17 de setembro. Só na última semana, a temporada com nove episódios permaneceu no top 10 dos conteúdos mais assistidos da Netflix e atingiu 100% de aprovação da crítica, segundo o site Rotten Tomatoes. Mas, se você ainda não conhece Round 6, a CH preparou uma lista com ótimos motivos para maratonar a série assim que terminar de ler essa matéria.

Trama envolvente:

456 pessoas endividadas são convidadas para um jogo secreto. As regras são simples: se sobreviverem até a última rodada, elas poderão voltar para casa com uma grande quantia em dinheiro e resolver todos os seus problemas. Só que os desafios não são seguros e logo elas descobrem que suas vidas também estão em perigo. Segundo o diretor, a competição é uma mini versão do mundo exterior: “Tentei transferir para o jogo as competições violentas e extremas que já acontecem no mundo real”, disse em entrevista ao site Soompi.

Personagens incríveis:

Na trama, Gi-Hun (Lee Jung-jae), o protagonista, vive com a mãe depois que a esposa e a filha o deixaram. Cheio de dívidas e sem emprego, ele decide participar do jogo depois de se encontrar com um recrutador. Sang-woo (Park Hae-soo), seu amigo de infância que agora está falido e sendo procurado pela polícia, também aceita entrar no reality.

Outros personagens como Sae-byeok (Jung Ho-Yeon), uma fugitiva norte-coreana que precisa do dinheiro para cuidar do irmão mais novo e trazer o resto da família em segurança para o lado Sul, e Abdul Ali (Anupam Tripathi), um imigrante paquistanês que está tentando uma vida melhor na Coreia, contribuem para que a série explore ainda mais outras questões da sociedade, como a meritocracia, a corrupção, problemas geracionais e a pobreza.

Continua após a publicidade

Os jogos infantis:

Comandados por um homem mascarado, os desafios são parte intrínseca da obra. Inspirado por brincadeiras infantis tradicionais coreanas, como o Jogo da lula (que dá nome ao título original da série), popular entre os anos de 1970 e 1980, Batatinha frita… 1,2,3 e Cabo de guerra, o diretor revelou que sua intenção foi mostrar como seria a dinâmica dessas brincadeiras se adultos jogassem uma versão muito perigosa delas. As salas onde tudo acontece são sempre lúdicas e bem elaboradas, tornando a série ainda mais interessante de assistir.

A direção de arte também dá várias pistas sobre a trama através de símbolos, cores, roupas e acessórios. As formas geométricas que aparecem nas máscaras dos guardas, por exemplo, representam a hierarquia dentro da organização que controla o jogo.

Montagem com 4 imagens da série Round 6, da Netflix, com os personagens apresentando expressões confusas e assustadas
Round 6, série da Netflix Divulgação/Netflix

Grandes reviravoltas:

Como existe muito dinheiro envolvido, a vida dos outros concorrentes, muitas vezes, não é prioridade para os jogadores. E isso torna a dinâmica de competição ainda mais intensa e sanguinolenta. Amizades e relacionamentos serão testados em todos os episódios, então prepare-se para sofrer com algumas reviravoltas inesperadas.

Dong-hyuk Hwang ainda compartilhou que teve a primeira ideia de Round 6 em 2008, enquanto passava por dificuldades financeiras e lia uma história em quadrinhos sobre um grupo de pessoas que também havia caído em um jogo de sobrevivência. “Sem perdedores, não há vencedores.”

Referências externas:

A série chegou a ser comparada com outros sucessos do gênero, como Jogos Mortais, o japonês Battle Royale e a franquia Jogos Vorazes, mas não deixa de ser um projeto extremamente original e criativo. Com várias cenas de violência gráfica que podem chocar alguns espectadores, em apenas uma semana de lançamento Round 6 já se tornou um fenômeno de audiência e está introduzindo todo o universo dos k-dramas para um novo público.

Será que teremos uma segunda temporada? Se depender dos fãs nas redes sociais, sim!

Continua após a publicidade
Publicidade