“Quando eu ía à escola, os filhos dos ricos me achavam estranho”, conta Lukas Graham

O vocalista da banda homônima conversou com a CAPRICHO sobre sua infância pobre e sua relação com o Brasil

Por Gabriel Justo - Atualizado em 24 ago 2016, 13h50 - Publicado em 19 Maio 2016, 20h20
 
Há menos de um ano, Lukas Graham era só uma banda formada por quatro dinamarqueses que conseguia emplacar alguns hits no seu país de origem. Mas com o single 7 Years, o grupo ganhou notoriedade mundial indo na contramão das faixas com as quais dividiu o topo das paradas em mais de vários países: 7 Years fala sobre suas conversas com seu falecido pai e de como a vida é efêmera.
 
Eu cresci em um lugar que é o mais próximo que nós temos do que vocês chamam de favela aí no Brasil. E quando você cresce sem dinheiro, ou você quer muito falar sobre isso ou você não fala de jeito nenhum”, comentou ele, rindo. “Eu prefiro escrever sobre coisas que eu acho que são verdade ao invés de falar sobre dinheiro e garrafas de champagne na balada.
 
[youtube https://www.youtube.com/watch?v=jErJimwom94&w=600&h=338%5D
 
BULLYING 
Perder o pai não foi a única dificuldade enfrentada por Graham durante sua adolescência. Certa vez, ele juntou dinheiro para comprar um jeans nova para ir à aula, mas quando chegou lá, foi zoado por estar “fora da moda”. “Quando eu ía à escola, os filhos das pessoas mais ricas achavam que eu me vestia mal e não tinha boa aparência“, conta Lukas, que não se deixou abalar por isso. “No final das contas, a gente não pode se importar com o que as pessoas pensam da gente. Se a gente se importar, estamos ferrados!”
 
BRASIL
Hoje, quem riu de Lukas deve estar batento com a cabeça na parede. Além de ser um sucesso mundial, o cantor já até morou aqui por perto para estudar direito e, nessa época, aproveitou para visitar o Brasil pela segunda vez! “Minha primeira vez aí foi aos 12 anos, quando fui ao Rio, São Paulo, Salvador e Brasília“, disse ele, que tem boas memórias do nosso país. “Aos 20, morando em Buenos Aires, passei um feriado todo aí! Eu amo que vocês são muito amigáveis e muito bonitos!
 
 
Hoje com 27 anos, Lukas confessou que guarda uma memória muito importante da época que esteve no Brasil. “Desde a primeira vez que eu fui aí eu sabia que ou eu me tornaria um advogado muito bom ou um rockstar. Quando eu quero alguma coisa, eu não tento conseguir, eu consigo”, afirmou ele. E pode ter certeza que eu quero voltar ao Brasil!” Pode vir, Lukas! Vamos adorar te ver tocar por aqui!
 
Publicidade