Os protocolos reais que Meghan Markle deve seguir por estar grávida

É claro que a família real também tem algumas regrinhas para mulheres grávidas, né?

Por Gabriela Zocchi - 3 mar 2019, 10h01

Em outubro do ano passado, Meghan Markle e príncipe Harry anunciaram que estão esperando seu primeiro filho. De acordo com a People, o bebê deve nascer por volta do final de abril ou começo de maio. Mas, enquanto ele (ou ela) não chega, é claro que Meghan tem que seguir alguns protocolos oficiais extras, né? Olha só algumas das regrinhas da família real para mulheres grávidas:

+ Meghan Markle fala sobre nomes para seu bebê real com Príncipe Harry

meghan-markle-principe-harry-anunciam-gravidez
A primeira aparição pública de Meghan Markle e príncipe Harry após o anúncio da gravidez dela foi na Austrália Paul Edwards - Pool/Getty Images

O sexo é segredo de estado

Quem acompanhou o nascimento dos filhos de Kate Middleton e príncipe William já sabe que a família real só divulga o sexo do bebê quando ele nasce, e com Meghan e Harry não será diferente. A regra está na família real há anos e, em geral, o anúncio da chegada do bebê (e se ele é menino ou menina) é feito através de uma placa colocada em frente ao Palácio de Buckingham, onde mora a rainha Elizabeth II.

Continua após a publicidade
principe-william-kate-middleton-terceiro-filho
O anúncio oficial do nascimento do príncipe Louis Reprodução/Instagram

A rainha é a primeira a saber

Assim que o filhinho (ou a filhinha) de Meghan e Harry nascer, o casal tem que ligar imediatamente para a rainha. Essa é a regra: vossa majestade tem que ser a primeira a saber do nascimento do mais novo bebê real, antes mesmo dos tios e até dos avós dele. Antigamente, o mais novo papai do pedaço ia até o Palácio de Buckingham noticiar a rainha, mas o príncipe William passou a avisá-la através de um telefone criptografado, assim ele pode ficar ao lado de sua esposa na hora do parto.

rainha-elizabeth-e-seus-netos
A rainha Elizabeth II posa com seus bisnetos Reprodução/Instagram

Viagens não são muito recomendadas

Por medidas de segurança, é aconselhado que as futuras mamães reais não façam viagens longas e internacionais durante a gravidez. Mas como Meghan curte quebrar o protocolo de vez em quando, já colocou essa regra por água abaixo. Na verdade, o anúncio de que estava esperando seu primeiro filho foi feito assim que ela chegou com o marido na Austrália, a primeira viagem oficial do casal. Eles ainda passaram pela Nova Zelândia e as ilhas de Tonga e Fiji. Nesta semana, a duquesa também participou, com o marido, de uma viagem oficial ao Marrocos, provavelmente a última que ela fará até ter o bebê – pelo menos para fora da Grã-Bretanha.

Continua após a publicidade
Meghan Markle e príncipe Harry estão curtindo sua viagem pela Austrália Reprodução/Instagram

Nada de chá de bebê… mas será?

De acordo com o jornal britânico The Sun, a família real não costuma fazer chás de bebê para celebrar a chegada de novos membros. “Como a realeza já é bem abastada, um chá de bebê seria visto como algo bem inapropriado, já que não existe nada que eles não possam comprar”, disse a especialista em etiqueta real Victoria Arbiter.

Porém, não existe, de fato, uma regra que impeça a futura mamãe de reunir suas amigas em uma pequena celebração – a única coisa é que a família real não organiza festas do tipo, por isso a futura mamãe tem que organizar o evento por conta própria ou com ajuda das amigas mais próximas. Tanto é que, no começo do mês, Meghan foi à Nova York para realizar um chá de bebê bem intimista, com apenas as bests da vida.

Muitas parteiras ajudam na hora do nascimento

Continua após a publicidade

Antigamente, era tradição que as mulheres da realeza tivessem seus filhos em casa, mas a princesa Anne, filha da rainha Elizabeth II, colocou fim a essa regra e, desde então, a maioria dos bebês reais nasce na ala privada do hospital St Mary’s, em Londres.

Mas uma tradição que não foi deixada de lado em relação à hora de dar à luz é a de que a gestante é acompanhada por um grande número de especialistas, para o caso de que, se algo der errado ali na hora, os médicos possam fazer o melhor possível para solucionar o problema. Quando Kate Middleton teve seus filhos, ela teve ao seu lado três parteiras. Com Meghan deve acontecer o mesmo.

The Duke & Duchess Of Cambridge Depart The Lindo Wing With Their New Son
Kate Middleton e príncipe William horas depois do nascimento do príncipe Louis Chris Jackson/Getty Images

O bebê precisa ter três nomes ou mais

É coisa de realeza, gente. Quanto mais nome, melhor! Em geral, membros da realeza têm quatro nomes. Príncipe Harry, por exemplo, se chama Sua Alteza Real Henry Charles Albert David. Mas os filhos de Kate e William ganharam apenas apenas três. São eles George Alexander Louis, Charlotte Elizabeth Diana e Louis Arthur Charles.

Continua após a publicidade

É bem provável que o herdeiro de Meghan e Harry tenha três nomes também. Além disso, muitas vezes os príncipes precisam escolher entre nomes previamente aprovados pelo palácio, mas como o próximo bebê real não estará muito próximo da linha de sucessão do trono, os papais devem ter mais ~liberdade para criar~. Como será que vai se chamar o filho de Meghan e Harry, hein?

Publicidade