Os finais de The Office e Revenge | Capricho

Os finais de The Office e Revenge

Por Da Redação 29 Maio 2013, 16h43

Finalmente, a hora de falar sobre Revenge e The Office chegou! Primeiro, quero comentar o ending bafônico (com direito a duas partes) da temporada de Emily Thorne.

berenice Emily, segura

Já vou adiantando que gente morrendo em Revenge é como gente morrendo em Grey’s Anatomy, sabemos que vai acontecer de qualquer jeito e a qualquer momento. Então, ver o Declan (Connor Paolo) ser explodido não me surpreendeu. Nem comoveu, já que ele não movimentava muito a trama, não é alguém de quem vamos sentir falta. Só confesso que caiu uma lagriminha do canto do olho com a mensagem dele para o Jack…

Por falar em explodir, Conrad se revelou. A tal “Iniciativa”, a empresa por trás de provavelmente todas as desgraças que aconteceram nos Hamptons, segundo ele, não existe. Quer dizer, existe…mas não da maneira como imaginávamos. Nada de conspiração, só gente louca e rica querendo acabar com o mundo. Mas assumir essa culpa foi, no mínimo, suspeito para alguém tão escorregadio quanto ele. Sou muito cética com relação às verdades de Revenge. É entregar o ouro demais…e ao mesmo tempo, sem denunciar nada! Acho que vão desenterrar muito mais dessa história. Ou, ao menos, espero!

TENSO

Bem mais ai-meu-deus do que tudo isso, até do que a possível morte do Aiden (que a gente só descobre se rolou na temporada que vem), foi Emily contando finalmente para o Jack que é Amanda Clarke. Este foi um legítimo momento de desespero para qualquer humano que acompanhe a série, afinal, ele estava prestes a matar o Conrad e o Daniel! Estou roendo minhas unhas querendo saber a reação dele, se vai tomar o lado dela na situação e continuar com os planos de vingança a dois.

Este momento tem potencial para ser um game changer daqueles: a trama toda deve assumir um curso novo com Jack ciente da verdadeira identidade dela. Acredito que a grande motivação de Emily para falar a verdade foram as proporções catastróficas dos eventos da Parte I do final. Para mim, não só Jack como ela vai reavaliar o que significa esta vingança. Que caminho seguir.

PS.: O ator que interpreta o Nolan afirmou que a partir deste episódio, um personagem importante se tornaria uma espécie de Anticristo (!) da história. Quem quer apostar no Jack? Eu, eu, eu!

Comentário final: Nunca vi um episódio de Revenge em que todo mundo fosse tão honesto quanto neste. Só espero que tantas mudanças sejam positivas, mesmo com a ausência do criador Mike Kelley na produção do terceiro ano da série.

 

Continua após a publicidade

Com The Office, rolou um calorzinho no peito ao assistir Greg Daniels criar um episódio que se despede de forma tão bonita da série. A nona e última temporada foi muito melhor do que a anterior, que sofreu bastante com a saída de Steve Carell. Mas este finale amarrou tudo tão direitinho que foi uma verdadeira homenagem aos fãs de longa data.

Apesar de guardado a sete-chaves, o retorno de Steve foi pontual e preciso: se o medo do ator era ofuscar o adeus dos colegas, isso não aconteceu. Ao contrário, ele apenas emprestou brilho ao casamento de Dwight e nos deu o gostinho de ouvir o melhor “That’s What She Said” da história de The Office. Hahahaha

 

Continua após a publicidade

Ainda no assunto Michael, não consegui segurar as gargalhadas com ele dizendo que todos os filhos dele tinham crescido e estavam se casando entre si (Jim e Pam, Angela e Dwight) — o sonho de qualquer pai.

Outros dos meus quatro momentos favoritos:

1) Jim dizendo a Dwight que ele não poderia ser o Bestest Mensch (padrinho) mesmo depois da despedida de solteiro lendária hahaha. Afinal, Michael estava ali e era realmente mais velho do que ele, de acordo com a tradição.

2) Pam percebendo que Jim não seria totalmente feliz se ficasse no escritório. A preocupação dela era se o casal sobreviveria às frustrações de Jim e levou a um dos momentos mais fofos, quando Jim pede à equipe de filmagens que a relembre de que ela seria sempre suficiente para ele. (Adoro montagem cafona como a deles, com todos os melhores momentos). Depois disso, Jim entrega a ela finalmente o bilhete que escreveu há 2 mil anos atrás!

OBS.: O bilhete existiu mesmo e foi como a fala do Bill Murray no ouvido da Scarlett Johansson no fim de Encontros e Desencontrosescrito pelo John Krasinski para a Jenna Fischer, só eles sabem o que dizia. Mas deve ter sido um bilhete e tanto, já que a equipe de gravação jura que a atriz chorou de verdade e eles resolveram usar a tomada no episódio.

3) Dwight se declarando para Angela, porque o que importa é o amor e ele assumiria o filho dela…ainda sem saber que também é dele! Oun ♥. Mais fofo, só se fosse em Schrutespeak!

4) A festa de despedida do Daryl (sem o Daryl!) foi uma oportunidade daquelas – tipo os Natais do Michael – de ver a galera do escritório totalmente descontrol. Amei!

E vocês, o que acharam dos finais de Revenge e The Office? Nos comentários!

Beijo 😉

Continua após a publicidade
Publicidade