Neymar sofre racismo durante jogo e é expulso após dar tapa em jogador

O atacante se indignou com a situação e disse “racismo, não”

Por Da Redação - Atualizado em 14 set 2020, 16h14 - Publicado em 14 set 2020, 15h58

 

Continua após a publicidade

O retorno de Neymar aos campos, após ser diagnosticado com coronavírus, não foi tão animador quanto os amantes de futebol esperavam. Na partida do último domingo (13), do Paris Saint-Germain contra Olympique de Marshelha, o camisa 10 foi vítima de racismo ao ser chamado de “macaco” pelo rival Álvaro Gonzáles. O jogador reclamou do ocorrido e mais tarde deu um tapa na cabeça de Gonzáles, o que o fez ser expulso do jogo.

O atacante sinalizou ao juíz que havia sofrido racismo e reclamou dos insultos do adversário. Chegou a dizer “Racismo, não. Racismo, não”, enquanto o árbitro tentava apaziguar a situação.

O caso aconteceu no comecinho do primeiro tempo, quando o atacante Àngel Di Maria foi atingido pelo zagueiro espanhol Álvaro González. Nessa, o atleta do Olympique de Marshelha foi advertido e Neymar foi defender seu companheiro de time. 

Ao final do segundo tempo, o clima entre os jogadores esquentou e houve uma confusão generalizada. Neymar voltou a discutir com o rival e deu um tapa na cabeça dele. A arbitragem viu a agressão no VAR e o brasileiro acabou sendo expulso da partida.

Após a expulsão, Neymar foi direto para o Twitter se posicionar sobre o caso. Indignado com a situação, cobrou posicionamento do juiz, questionou qual seria a punição de González e ainda disse que não se sentia arrependido pelo  que fez, mas sim pelo o que deixou de fazer.

A irmã do jogador, Rafaella Santos, também se manifestou nas redes sociais. Em um texto, ela comentou que estava acostumada a lidar com as vitórias e as derrotas do irmão, que isso sempre fez parte de sua vida desde que era muito nova, mas com o racismo não.

Reprodução/Instagram

 

Continua após a publicidade

A cantora Ludmilla foi outra que defendeu Neymar. “Para a branquitude não adianta se você é o melhor no que faz. Se é bem sucedido. Ainda assim, eles olham primeiro para a sua cor”, escreveu a cantora.

Lud ainda comentou sobre aquelas pessoas que não têm visibilidade para denunciar casos de racismo. “Fora todas as pessoas que sofrem isso na pele todos os dias, mas não têm visibilidade. Pessoas que morrem diariamente por causa do racismo. E eles vivem a vida de boa enquanto a gente sofre. Até quando? Racismo é crime”. 

Ludmilla comenta em seu instagram sobre caso de racismo sofrido por Neymar Instagram/Reprodução

A revolta também se espalhou pela internet. Mesmo Neymar não se posicionando muito diante da questão racial, dessa vez ele reagiu.

As reações foram diversas:

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Publicidade